Redação Pragmatismo
Eleições 2014 24/Out/2013 às 15:44 COMENTÁRIOS
Eleições 2014

Marina Silva repete na TV a política que diz condenar

Publicado em 24 Out, 2013 às 15h44

Enquanto Marina continua falando em "superar a velha política", seu PSB negocia apoio com Geraldo Alckmin (PSDB) e atrai nomes como Heráclito Fortes e Jorge Bornhausen (ambos ex-ARENA)

marina silva roda viva cultura
Marina Silva durante o programa Roda Viva da TV Cultura (reprodução)

Mais ou menos dentro do esperado, a ex-senadora Marina Silva não falou na segunda-feira (21), durante a entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, sobre propostas de programa de um eventual governo seu. Muito menos apresentou soluções aos problemas brasileiros por ela apontados. Aliás, só o que se viu foi uma Marina rancorosa, destilando veneno e atacando o governo Dilma.

Tudo dentro do script combinado com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). Entre as estratégias traçadas pela dupla Campos/Marina para enfrentar Dilma nas eleições do ano que vem, ficou definido que a ex-senadora continuará na linha de frente, batendo na presidenta e, se possível, levando-a a responder aos ataques.

Numa reunião na semana passada, com Marina no diretório nacional do PSB, chegou-se à conclusão de que Dilma “não tem estômago de avestruz” e que não aceitará calada as críticas. A tática de Marina visa a ganhar espaço na imprensa e, claro, alguns votos de eleitores descuidados.

Durante a entrevista na TV estatal tucana, Marina falou também em “superar a velha política”. Mas, enquanto ela fala em velha política – depois de um dia ter declarado que não via diferenças entre Campos, Dilma e Aécio (veja aqui) –, o PSB negocia apoio com o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”5″ posicao=”direita”]

Dono de uma coligação de 14 partidos, Campos aloja em sua administração os aliados que o ajudaram na eleição de 2006 e na reeleição em 2010. Governa ao lado de “velhos nomes” como o deputado federal Inocêncio Oliveira (ex-PL e atual PR), que está no seu 10º mandato de deputado federal (e foi condenado em 2006 pelo Tribunal Regional do Trabalho do Maranhão por manter trabalhadores em condição análoga à de escravidão em sua fazenda).

É aliado também do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti, que em 2005 cobrou propina para deixar o empresário Sebastião Buani instalar seus restaurantes na Câmara dos Deputados. Quando o escândalo veio à tona, o deputado renunciou para não ser cassado.

O jornal O Estado de São Paulo publicou uma reportagem último dia 13 sobre a chegada de Eduardo Campos ao poder em Pernambuco. Segundo a reportagem, para derrotar Mendonça Filho, à época no PFL, na disputa pelo governo do estado em 2006, o então candidato Campos aceitou dar a Inocêncio Oliveira duas secretarias de governo negadas pelo adversário, à época vice-governador de Jarbas Vasconcelos (PMDB).

Como prêmio por ajudar a tirar Campos do isolamento no início da campanha, Inocêncio pôde nomear um aliado na Agricultura e o primo Sebastião Oliveira, então deputado estadual, para a pasta de Transportes. No atual governo de Campos, o PR de Inocêncio Oliveira controla a Secretaria de Turismo, com o deputado estadual licenciado Alberto Feitosa. No segundo escalão, o PR administra o porto do Recife, com Rogério Leão.

O PSD de Gilberto Kassab assumiu o Instituto de Recursos Humanos. O partido foi criado com a ajuda de Campos. O PP de Severino Cavalcanti comanda a Secretaria de Esportes, com a indicação da filha Ana Cavalcanti.

Já o PTB, de Roberto Jefferson, comandado em Pernambuco pelo senador Armando Monteiro, controlava até sexta-feira (18), quando devolveu os cargos, a Secretaria de Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo e o Detran local. O leque de alianças garante controle absoluto da Assembleia.

Sem esquecer que o novo partido da Marina, o PSB abrigou o ex-senador piauiense Heráclito Fortes (ex-DEM e ex-PFL) e o ex-deputado federal Paulo Bornhausen (ex-DEM e ex-PFL), filho do catarinense Jorge Bornhausen. Eduardo Campos, inevitavelmente, vai ter um conflito com o que prega Marina e o que ele faz. Ele condena a entrega de fatias de governo no plano federal, mas faz o mesmo em Pernambuco, entregando poderes para as forças mais conservadoras.

Como se vê, não há inocentes no caso Marina Silva e seu PSB. Só o que muda é a conveniência política. Coisas da “velha política”, a que a ex-senadora não dá sinais claros de disposição de enfrentar, ficando apenas (até quando?) na retórica.

Helena Stephanowitz, Rede Brasil Atual

Recomendações

COMENTÁRIOS