Pragmatismo Político (P)
Barbárie 08/Ago/2013 às 15:41 COMENTÁRIOS
Barbárie

Chefe de Andreia Pesseghini recua e diz que ela não denunciou colegas

Pragmatismo Político (P) Pragmatismo Político (P)
Publicado em 08 Ago, 2013 às 15h41

Coronel Wagner Dimas, chefe da PM Andreia Pesseghini, volta atrás em menos de 24h e afirma que ela não denunciou corrupção de colegas da polícia

O coronel Wagner Dimas, chefe do 18º Batalhão da Polícia Militar de São Paulo, onde trabalhava a cabo Andreia Pesseghini, 36, encontrada morta na última segunda-feira, mudou a versão dele a respeito de possíveis denúncias que a policial teria feito contra colegas envolvidos em crimes.

Em depoimento à corregedoria da PM na tarde de quarta-feira (7), ele disse que não houve nenhuma investigação no batalhão em que atua sobre esquema de roubo de caixas eletrônicos envolvendo colegas da corporação.

andreia pesseghini chacina sp

A cabo da PM Andreia Pesseghini ao lado do marido, ambos mortos na chacina em SP (Foto: Arquivo pessoal)

Andreia foi encontrada morta na última segunda-feira, na Brasilândia, zona norte de São Paulo, junto aos corpos do marido, o sargento da Rota Luis Marcelo Pesseghini, 40, e do filho, Marcelo Pesseghini, 13, apontado pela polícia como autor das mortes. Ele teria se matado após cometer os crimes. Além deles, outras duas pessoas foram encontradas mortas em uma casa no mesmo quintal: a avó e a tia-avó do menino.

Sem que houvesse uma investigação, a cabo Andreia não poderia ter contribuído com denúncias, disse o coronel em depoimento.

Questionado sobre o que disse à rádio, o coronel falou na corregedoria que “se perdeu em suas argumentações perante o repórter”.

Ele também falou que disse na entrevista à rádio que não estava convencido de que Marcelo tenha sido o autor dos crimes em função de os laudos da polícia científica ainda não estarem prontos.

Leia também

O coronel Dimas prestou depoimento nesta quinta-feira ao DHPP. Ele saiu do local às 13h45, em um veículo não oficial, sem falar com a imprensa.

Além de Dimas, outras três pessoas serão ouvidas nesta quinta-feira no DHPP, conforme a Secretaria Estadual de Segurança: Edilson Oliveira da Silva, que presta depoimento pela segunda vez e é primo da vítima Luiz Marcelo Pesseghini; um policial militar identificado como “Neto”, amigo da cabo Andreia; e um amigo do menino Marcelo, que não pode ser identificado por ser menor de idade.

Entrevista de coronel à rádio gerou dúvidas sobre linha de investigação da polícia

O depoimento do coronel Dimas despertou dúvidas em relação à linha de investigação da polícia, que aponta até o momento apenas Marcelo como o possível autor dos crimes.

Em entrevistas à imprensa, familiares disseram não concordar com alguns aspectos vistos pela polícia como evidências de que o menino seria o responsável pelas mortes.

O jornal britânico “Daily Mail” publicou nesta quinta-feira, inclusive, uma reportagem em que diz que Marcelo pode ter sido vítima de uma armação. O jornal afirma que “a polícia de São Paulo é amplamente vista como uma das mais corruptas do mundo e que nos anos recentes policiais se envolveram em vários escândalos”.

com Agências

Recomendações

COMENTÁRIOS