Redação Pragmatismo
Racismo não 07/May/2012 às 19:22 COMENTÁRIOS

Cantor Seu Jorge fala de racismo e humilhações sofridas durante a infância

Para exemplificar as restrições impostas a alguns grupos sociais, o artista citou a propaganda, que dificilmente contrata um negro para ser o rosto de uma marca.

Cantor Seu Jorge fala de racismo

Seu Jorge. (Foto: Reprodução)

Não dá para fugir a uma conversa complexa com Seu Jorge. Mesmo questionado sobre música ou cinema, ele cita uma quantidade de nomes, lugares e histórias de impressionar. Imagine então quando a entrevista aborda temas sociais sérios do Brasil, sociedade, oportunidade e preconceito.

“Quando eu era criança, só tínhamos eu e meus irmãos de negros na escola. Naquela época não havia tolerância com a gente, nós éramos muito atacados, muito humilhados”, contou em entrevista ao Portal da Band.

O artista – que é cantor, compositor, ator e produtor – desejou inicialmente ser músico para se tornar popular no colégio, que tinha uma banda. Como ele escolheu um instrumento caro, o saxofone, esse sonho ficou interrompido até os 20 anos de idade.

Leia mais

Neste meio tempo, ele trabalhou nas mais diversas áreas e passou um período morando na rua. A iniciação artística se deu através do violão, este sim um instrumento de fácil adesão, com o objetivo de fazer amizades. “Eu queria me socializar, falar com as pessoas. O violão me levou para o teatro, que contribuiu demais para o meu aperfeiçoamento como ser humano e profissional”, comentou.

A despeito das dificuldades, Seu Jorge superou o destino e morou dez anos fora do Brasil, lançou hits de sucesso – como “Burguesinha” e “Mina do Condomínio” -, atuou em diversos filmes e hoje tem uma carreira internacional. “Eu acredito no Brasil, eu acredito no povo brasileiro. As oportunidades estão escassas, sim, mas as coisas melhoraram pra mim, não é mesmo? Por que não podem melhorar para os outros?”, questionou.

Mesmo nesta posição otimista, ele admite que a sociedade está longe de ser igualitária e justa. “Se eu estou andando em um shopping chique, sou o Seu Jorge. Se eu e meu irmão andarmos em um shopping chique, somos dois negros”, disse.

O racismo está aí. Aliás, não só o preconceito racial como também o social. Mas eu acredito que sonhar é fundamental”, acrescentou. Para exemplificar as restrições impostas a alguns grupos sociais, o cantor citou a propaganda, que dificilmente contrata um negro para ser o rosto de uma marca.

Leia também:
Glória Maria é criticada após post sobre Consciência Negra
Cantor negro é barrado em evento da própria marca
Jovem racista que atacou Seu Jorge diz que “não aguenta mais ser humilhado”
Ator global vai à polícia após filha ser alvo de racismo
Os 10 comerciais mais preconceituosos dos últimos meses
Meninos da Bahia sofrem preconceito após vencerem concurso musical

Portal Band

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários

  1. Osmar T POA Postado em 14/May/2012 às 03:14

    O mais incrivel deste personagem é que ele, ao menos nas ultimas três eleições, apoiou os candidatos tucanos e participou do FORA LULA. Esteve em todos eventos anti-PT e pró Liberalismo. Deveriia reclamar c/ estes da condição histórica dos negros. Pra mim é um sem noção; um bobo-da-corte ou seria da Casa Grande?

  2. Ayrton Postado em 02/Jun/2012 às 23:04

    Sou fã do Seu Jorge desde que ele liderou as paseatas do movimento "Cansei/Fora Lula".

  3. Ayrton Postado em 02/Jun/2012 às 23:05

    Não gosto das m´suicas dele

  4. Nádia Postado em 11/Jul/2012 às 09:51

    Estranho ler essa entrevista depois de ter assistido o filme E ai comeu? , o filme é cheio de piadas racista e machistas.

  5. Erik Oliveira Postado em 24/Jul/2012 às 00:57

    Concordo totalmente com a Nádia acima pois, o filme é extremamente racista, deixando claro que o negro só pode ser "o pegador" e o "negão mulherengo", claro sempre em papéis que reforçam o estereótipo de empregado doméstico, garçom ou outras atividades extremamente operacionais que, mesmo dignas, deixam claro a exclusão social pela qual a raça negra deve sofrer. Ótimo exemplo a não ser seguido pelas produções nacionais. Imagino que se fosse em países desenvolvidos e com cidadãos mais conscientes dos seus direitos, produções assim nem seriam filmadas, quem dirá apoiada por órgãos governamentais e privados.

    • Henrique Xavier Postado em 13/Jan/2014 às 14:00

      Qual o problema do garçom ser negro mesmo? Qual o problema de existir em algum canto um garçom negro que seja pegador? Vocês dois colocam o preconceito no próprio comentário, eu não tenho esse estereótipo de garçom negro e pegador, onde vocês arranjaram isso eu não sei, se n botar uma pessoa branca pra ser garçom no filme o mesmo ja se torna preconceituoso é isso? E outra coisa, o que voces esperavam assistindo um filme com o nome "E ai, comeu?"? Um documentário do Femem ou como foi o apartheid na SA? Deem um tempo moralistas, por favor.

  6. Lex Steele Postado em 01/Aug/2012 às 13:51

    Ele é casado com uma mulher branca, e nunca vi ele namorar uma negra. Quando ele namorar uma negra, aí ele pode reclamar de racismo.

    • Nanda Postado em 19/Jun/2014 às 12:32

      Qual a novidade disso no Brasil? Acho que da para contar nos dedos das mãos a quantidade de negros classe média alta ou rico que são casados com mulheres negras.

  7. Sueli Oliveira Postado em 17/Jan/2013 às 19:16

    Todos estes comentários tem um fundamento mas, isso nao quer dizer que aqui no Brasil esteja fora de questão a mentalidade doentia e preconceituosa e ao mesmo tempo tão mediocre de certas pessoas RACISTAS...Ele esta certo de fazer piadas sobre racismo .........o que mais ele poderia fazer ???....Só piadas mesmo pois o BRASIL é uma piada!!!!!!