Luis Soares
Colunista
Ditadura Militar 09/Jun/2010 às 17:43 COMENTÁRIOS
Ditadura Militar

Documentário registra apoio popular

Luis Soares Luis Soares
Publicado em 09 Jun, 2010 às 17h43
Camponeses do Araguaia Documentário registra apoio popular

A Fundação Maurício Grabois acaba de lançar o documentário Camponeses do Araguaia — A Guerrilha Vista por dentro, que resgata a mais importante resistência armada ao regime militar (1964-1985). O filme traz depoimentos de pessoas que foram vítimas da truculência da ditadura e hoje lutam para que o Estado reconheça plenamente os crimes cometidos.

O episódio, protagonizado pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), é uma das marcas das lutas populares que estão gravadas na história do Brasil de forma indelével. Não se trata de episódio passageiro, um mero choque de paradoxos decorrente de visões conjunturais.

Havia ali, condensados, dois veios cujas nascentes remontam aos primórdios de nossa existência como nação. Pode-se dizer que o ocorrido no Araguaia foi uma etapa do fio da história da qual participou a Inconfidência Mineira com sua clareza de objetivos; a conspiração dos Alfaiates, na Bahia, que nos legou quatro mártires da forca; Canudos e Contestado, revoltas populares impiedosamente esmagadas. Essa lógica repressiva demonstra mais do que qualquer palavra a importância desses movimentos. Os repressores sabiam perfeitamente o que faziam — ao punir com rigor os revoltosos tinham consciência do que estava em questão.

A truculência do Estado no Sul do Estado do Pará — o local dos combates — e na base de apoio à Guerrilha em São Paulo e no Rio de Janeiro — onde foram assassinados Carlos Danielli, Luiz Guilhardini, Lincoln Oest e Lincoln Bicalho Roque — mostra que havia uma decisão criminosa deliberada com a finalidade de defender os interesses poderosos que manipulavam a ditadura. Os criminosos se apartaram da tradição das Forças Armadas para dar um banho de sangue e estancar a marcha progressista no país.

O documentário “Camponeses do Araguaia – a Guerrilha vista por dentro” mostra que os guerrilheiros contavam com amplo apoio popular. Os que cometeram crimes durante o regime discricionário, portanto, estavam contra o povo. Contra a própria história das Forças Armadas, que não formam algo à parte na sociedade nem tampouco em relação ao poder político. Se nas duas décadas pós-1964 a função principal das instituições militares foi a de executar o serviço sujo determinado pelos altos interesses econômicos que estavam em jogo, no movimento abolicionista o Exército desempenhou um papel sumamente importante ao recusar-se a caçar escravos fugidos.

Serviço
Camponeses do Araguaia — A Guerrilha Vista por dentro
O documentário pode ser adquirido na Fundação Maurício Grabois ou na Editora Anita Garibaldi pelo preço de R$ 10,00.
Acima de 20 unidades, desconto de 30%.
E-mail: [email protected]g.br
Fonte: (11) 3337.1578

Leia também:
Manuela D’Ávila escreve carta aberta a Pedro Bial
Soldados do Araguaia vivem pesadelo sem fim e contam como foram manipulados
O suicídio do tenente “Chico Dólar”, matador orgulhoso dos “comunistas do Araguaia”
Documentário sobre Guerrilha do Araguaia enfurece militares

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

COMENTÁRIOS