Redação Pragmatismo
Ditadura Militar 16/Nov/2012 às 16:59 COMENTÁRIOS

Documentário sobre Guerrilha do Araguaia enfurece militares

Militares se exaltam durante exibição de documentário sobre o Araguaia. Esbaforido e nervoso, oficial militar gritou no meio da sessão, orientando grosseiramente que todos os seus subordinados se retirassem dali

(Foto: Guerrilha do Araguaia / Reprodução)

Militares do Comando da 23ª Brigada de Infantaria de Selva, no Pará, se exaltaram durante a reunião do Grupo de Trabalho do Araguaia (GTA), em Marabá (PA), quando começou a exibição de um documentário com depoimentos de camponeses vítimas dos militares durante a Guerrilha do Araguaia. Transtornado, o coronel Celso Osório Souto Cordeiro, interrompeu a sessão aos berros, ordenando que seus subordinados abandonassem o salão.

O oficial bateu boca com o representante da Secretaria de Direitos Humanos (SDH) no grupo, Gilles Gomes. A discussão só não virou agressão física graças à intervenção de integrantes do Ministério da Defesa. O fato ocorreu no dia 23 de outubro e só agora foi divulgado.

“Militares, todos fora!”, gritou na ocasião o militar que, em julho, fora condecorado com a Medalha do Pacificador, concedida pelo Comando do Exército.

O GTA foi criado pelo governo para cumprir a sentença judicial de buscar informações e tentar localizar restos mortais de desaparecidos políticos na região. O Exército tem dado apoio logístico às ações desde 2009.

Esse foi o primeiro atrito entre militares e civis desde então. O grupo é formado por representantes dos ministérios da Defesa e da Justiça e da Secretaria de Direitos Humanos.

Leia também

Internamente, a atitude do coronel foi considerada grave, mas superável. Oficialmente, o Ministério da Defesa e a Secretaria de Direitos Humanos informaram que estão tratando do assunto. A cúpula da secretaria tem debatido o assunto e chegou a redigir uma nota pública condenando o gesto do coronel. O militar pode ser afastado das próximas expedições do GTA.

Marco Antônio Barbosa, presidente da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, vinculada à SDH, criticou o coronel Cordeiro:

“Isso que ocorreu foi grave. A colaboração do Exército até agora era de uma logística de boa qualidade. Foi surpreendente. Um gesto violento e incompatível com os tempos de hoje. É lamentável, e o que se espera é que seja dada uma resposta à altura”, afirmou Barbosa.

Sete parentes de desaparecidos e vítimas da ditadura que estavam presentes ao encontro elaboraram uma carta aos ministros da Defesa, da Justiça e dos Direitos Humanos na qual repudiam o fato. No texto, eles fazem um protesto contra a “atitude malsã e desequilibrada do oficial militar”.

Ex-vereador pelo PCdoB, Paulo Fonteles Filho, observador do grupo presente à reunião, escreveu no seu blog: “(O coronel) esbaforido e nervoso gritou, no meio da sessão, orientando grosseiramente que todos os seus subordinados se retirassem dali”.

Audiência

O Comitê Paraense pela Memória, Verdade e Justiça e a Associação dos Torturados na Guerrilha do Araguaia (ATGA) realizam na sexta-feira (16) e sábado (17), também em Marabá, uma audiência pública da Comissão Nacional da Verdade. O evento busca o restabelecimento da verdade em relação aos atos de torturas, desaparecimentos e mortes praticados por agentes da ditadura militar na região durante a repressão à Guerrilha do Araguaia (1972-1975).

Participam da audiência camponeses, indígenas, militantes de direitos humanos e representantes da Comissão Nacional da Verdade, Maria Rita Kehl, Claudio Fonteles e Paulo Sérgio Pinheiro.

Vermelho e O Globo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários

  1. LUCAS ROVER Postado em 16/Nov/2012 às 17:08

    Grupo de Trabalho do Araguaia, sua sigla me faz pensar em outra coisa..

  2. Daniel Nazar Postado em 16/Nov/2012 às 17:28

    Pensamos o mesmo companheiro...

  3. Leandro Coelho Postado em 16/Nov/2012 às 22:34

    Sinto pena dos subordinados de um cara desses...Aliás, isso aí é para as pessoas verem o que foi o Brasil durante os anos nojentos do GOLPE militar. Me dá até um frio na barriga de lembrar dos bandidos comuns que governaram o nosso país a mando dos americanos. Lugar de militar é no quartel, CALADOS e servindo os civis em comando, escolhidos democraticamente.

  4. Valdir Fraga Junior Postado em 16/Nov/2012 às 23:45

    "O militar pode ser afastado das próximas expedições do GTA". O mínimo que se deve fazer!

  5. josé serra Postado em 17/Nov/2012 às 11:49

    EU MORO EM BELÉM E SOFRO TODOS OS DIAS AO PASSAR DE ONIBUS EM FRENTE AO EXERCITO E AERONÁUTICA...UM BANDO DE VAGABUNDOS, INFERIORES E ALTO COMANDO, SEM TER NADA, ABSOLUTAMENTE NADA PRA FAZER...ALIÁS, A UNICA COISA QUE VEJO É O DESFILE DO DIA 7 DE SETEMBRO E AS ELEIÇÕES..NÃO PROCURAM FAZER NADA EM PROL DA SOCIEDADE...FICO IMAGINANDO A FOLHA DE PAGAMENTO ALI E QUANTO DINHEIRO JOGADO FORA..NA AERONAUTICA E EXERCITO TEM HOSPITAIS...LOGICAMENTE PRA ATENDER A FAMILIA DESSES SEM-NADA-PRA-FAZER...ME VEM UM CORONELZINHO VAGABUNDO REMEMORAR COM SAUDADE OS TEMPOS TURVOS DA DITATURA...CADEIA SERIA POUCO..!

  6. Écio Rosa Ferreira Postado em 17/Nov/2012 às 14:43

    O cidadão acima mora em Belém e não conhece o trabalho realizado pelas Forças Armadas na região Norte do Brasil.Que falta de informação.Quanto ao trabalho do GTA eu acho que se tem de apurar sim,doa a quem doer.E infelizmente alguém da Secretaria de Direitos Humanos achou por bem não apurar absolutamente nada sobre as vítimas dos guerrilheiros, como se não houvesse vítimas dos guerrilheiros.A propósito e para os que não sabem ou não fazem questão de saber tem muitos desses guerrilheiros, heróis infelizmente para muitos, que foram indenizados por esse ato de ir para o Araguaia combater o regime militar de então.Quer dizer que o cidadão sai de sua cidade, combate, é derrotado pelo sistema e aí passa o tempo e vem um governo que o indeniza por ele ter sido guerrilheiro.Guerrilha virou sinônimo de capitalização, e isso tudo é muito triste.

  7. Leandro Coelho Postado em 17/Nov/2012 às 18:29

    Pois é José...quase ninguém vê isso. Militar, como dizia Chico Anysio "é igual a camarão: tem merda na cabeça e vive nas costas do Brasil".

  8. Strider Postado em 22/Nov/2012 às 06:24

    No Araguaia, como de resto em toda a luta armada durante o período militar, houve excessos, barbaridades mesmo, cometidas de ambos os lados, e elas não são desculpáveis. Porém, o que assistimos hoje é uma ação articulada para reescrever a história, transformando terroristas e guerrilheiros comunistas em paladinos da liberdade. Parabéns, Coronel. Pena que seus comandantes não pensem da mesma forma.Esses ptrallhentos esquerdóides e corruptos estão indo longe demais!"Me dá até um frio na barriga pensar nos bandidos comuns que governam nosso país"

  9. sofia Postado em 29/Nov/2012 às 13:36

    Viva a esquerda. O golpe de estado so existiu pra poder favorecer os ricos e facilitar a exploraçao do pais pelos americanos e ingleses.

  10. VOZ ATIVA Postado em 09/Jan/2013 às 15:19

    Observo daqui, escuto dali, são muitas as opiniões e todas com sua dose de acertiva para mais ou para menos. Porém o que ninguém se dá conta, mas eu os convido a pensar: "Caso o nazismo houvesse vencido a 2ª. Guerra não teria sido melhor para a humanidade?" Com a palavra os intelectuaís do casuísmo, sempre os memos porcos de plantão...

  11. Alex Postado em 21/May/2013 às 19:22

    Parece que apesar de tudo, depois desses anos todos, a cartilha das forças Armadas não mudou. E olha que esse coronel que interrompeu a sessão devia ser menino de colo na época da guerrilha e da ditadura. A lavagem cerebral 'anticumunista comedora de criancinha' continua lá por dentro ... esses caras pararam no tempo.