Redação Pragmatismo
Racismo não 13/Dec/2016 às 17:06
0
Comentários

Programa da Globo exibe 'blackface' e é acusado de racismo

Blackface: Programa comandado por Ana Maria Braga é acusado de racismo. Personagem estereotipada ridiculariza a figura da mulher negra em diversos aspectos. Seguidores da atração protestaram nas redes sociais

globo mais você blackface racismo ana maria braga
William se vestiu de “Nega Maluca” para participar do quadro Jogo de Panelas (reprodução)

Natália Sena, Geledés

Nesta segunda (12), começou a 21ª edição do ‘Jogo de Panelas’, quadro no programa Mais Você, comandado por Ana Maria Braga. O barbeiro Willian foi o primeiro anfitrião dentre os cinco participantes e fez como tema de seu jantar ‘sexo oposto’, no qual homens se fantasiavam de mulheres e mulheres se fantasiavam de homens.

Com um discurso sobre igualdade de gênero, o participante erra ao se caracterizar de ”nega maluca”, uma personagens extremamente estereotipada, ridicularizando a figura de mulher negra em diversos aspectos.

Nas redes socias, seguidores do programa comentaram o caso e criticaram a produção do programa:

Porque BlackFace é racismo?

Blackface é o nome dado para a caracterização de pessoas não negra com personagens atribuídos aos negros. Aqui no Brasil, se naturalizou a figura da ‘nega maluca’ nos carnavais em todo o pais, como uma forma de forçar o esteriótipo da mulata sexualizada, de cabelo crespo,com os lábios de vermelhos e a ridicularização do ser negro através de uma caricatura exagerada. Essa ‘homenagem” racista em tom humorístico se naturaliza durante séculos e mesmo com todas as informações nacionais e internacionais sobre o tema, muitos se negam a acreditar que estariam ofendendo ou descriminando alguém.

Se engana quem acha que fazer blackface agride e ofende apenas os negros brasileiros, em diversos países existe uma constante luta para que as pessoas se conscientizem de como essa “brincadeira” não é alegre ou inofensiva, e tenham a dimensão de quão naturalizado é o Racismo nas sociedades. Em Amsterdã por exemplo, existem protestos sobre a tradição do ajudante do papai noel Zwarte Piet. De acordo com a tradição, Zwarte Piet, uma figura de pele negra, olhos brilhantes, cabelo crespo e boca vermelha, aparece em dezembro trazendo presentes. Ele sobe através das chaminés das casas enquanto as pessoas dormem, para trazer os seus presentes. Desde o início do século 21 discussões surgiram sobre a natureza racista deste personagem.

Nos Estados Unidos a prática ganhou popularidade durante o século 19 e contribuiu para a proliferação de estereótipos em relação aos afro-americanos. Em 1848, minstrel shows com blackfaces eram uma arte nacional americana da época traduzida em arte formal, como óperas em termos populares para uma audiência geral. No início do século 20, blackface ramificou-se dos minstrel shows e se tornou uma um gênero de teatro próprio, até que terminou com o Movimento de direitos Civis dos negros em 1960.

Willian pode não ter a consciência racista da prática que cometeu, mas toda a produção do programa deveria fazer uma reciclagem de conteúdos que iram para o ar, afinal, imagina-se que dentro da maior emissora do país se tenha pesquisadores da história, uma equipe que aponte os erros e acertos antes de um programa ir para o ar.

Leia também:
Primeira cineasta negra do Brasil é barrada em aeroporto e desabafa
“Mês da Consciência Negra”: descaso e hipocrisia
Vídeo-campanha sobre racismo do governo do Paraná viraliza nas redes sociais
Homem ataca mulher da Marcha da Consciência Negra: “Sou machista sim, vagabunda!”
Derrubada a tese da superioridade branca, restou a desigualdade
Entregadores receberam bananas pelo Dia da Consciência Negra
10 filmes para refletir sobre Consciência Negra
Consciência Negra ou Humana?
Consciência Negra: o que é e como usar?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários