Luis Gustavo Reis
Colaborador(a)
Racismo não 24/Nov/2016 às 16:00 COMENTÁRIOS

“Mês da Consciência Negra”: descaso e hipocrisia

Pintura retrata Zumbi dos Palmares (reprodução)
Pintura retrata Zumbi dos Palmares (reprodução)

Luis Gustavo Reis*, Pragmatismo Político

Chegamos a novembro, período em que o Brasil é contagiado por um elã comprometido em discutir a questão do negro. Bem-vindo, caro leitor, ao celebrado “Mês da Consciência Negra”.

De Roraima ao Rio Grande do Sul são organizadas palestras, seminários, shows, filmes, feiras e diferentes atividades culturais que objetivam enaltecer a contribuição dos afrodescendentes para a formação de nosso país. Seria admirável o comprometimento dos nossos conterrâneos não fosse o impulso fruto da mais tacanha hipocrisia. E por que hipocrisia? Porque dedica-se um mês à discussão sobre o racismo no Brasil e relegam-se os demais 335 dias do ano aos porões do esquecimento, em que se descuida completa e deliberadamente desse grave problema social.

Há, leitor, uma página sombria que compõe a história desse país. O regime escravista que vigorou por essas paragens por quase 400 anos forjou uma chaga definitiva no DNA nacional e gangrenou as possibilidades de acesso à cidadania plena aos egressos do cativeiro.

Calcula-se que o infame comércio de escravos tenha consumido entre 10 e 15 milhões de seres humanos, que foram arrancados da África para serem escravizados nas Américas. Desse total, aproximadamente 40% desembarcaram no Brasil, que, ao lado de Roma, ostenta o título de maior sociedade escravista da história da humanidade.

Distribuídos de Norte a Sul do nosso país, os escravizados foram utilizados em diferentes serviços: da degradante rotina nas lavouras às exaustivas tarefas domésticas, era sobre ombros negros que insidia o peso da labuta diária.

Mas onde houve escravidão, houve resistência – e de diversas formas. Mesmo sob a ameaça constante do chicote ou vigiados pelos olhos “atentos” dos feitores, os escravizados incendiavam plantações, agrediam e matavam senhores, enganavam capitães-do-mato, além de promoverem constantes rebeliões.

É um equívoco acreditar que o regime escravista se assentava apenas na violência. Pelo contrário, uma complexa teia de negociação e conflito pautou as relações entre senhores e escravizados. Quando a negociação falhava ou era desrespeitada por uma das partes, abriam-se os caminhos da ruptura.

Durante anos, a formação de comunidades de fugitivos (mocambos e quilombos) caracterizou, por parte dos escravizados, a ruptura mais recorrente e decisiva. Os cativos fugiam por diversos motivos: pelos castigos físicos, pela separação de familiares ou pela busca da sonhada liberdade.

Havia centenas de quilombos espalhados pelo Brasil, habitados por africanos escravizados, indígenas, brancos pobres e uma gama de desertores que para lá debandavam esperançosos de uma vida menos penosa. A comunidade mais duradoura foi Palmares (1597-1694). Entranhada no que correspondem às atuais regiões de Pernambuco e Alagoas, representou um terrível pesadelo para senhores e autoridades coloniais durante quase um século.

O personagem mais conhecido e polêmico de Palmares é Zumbi, cuja história é muito pouco conhecida. Sabe-se que descendia dos guerreiros imbangalas ou jagas, de Angola, e teria nascido no começo de 1655 nos mocambos palmarinos. Com a morte de seu tio, Ganga-Zumba, assumiu a liderança do quilombo em 1681 e governou até sua morte, em 20 de novembro de 1695, quando sucumbiu aos ataques comandados pelos bandeirantes paulistas.

Morre o rebelde e nasce o mito. Zumbi passou a inspirar uma série de movimentos sociais e artísticos ao longo da História do Brasil. Foi resgatado pelos abolicionistas na segunda metade do século XIX, tornou-se símbolo da luta dos negros contra a dominação escravista, embora nada indique que entre os objetivos de Palmares estivesse abolir a escravidão. Aqui cabe um parêntese, caro leitor: embora muito se infira sobre a existência ou não de escravidão em Palmares, vale ressaltar que a escravidão era parte do paradigma ideológico da época e entendida como necessária. Ainda que houvesse formas de escravidão em Palmares, esse não era o imperativo e o quilombo sempre representou uma esperança de liberdade aos cativos e uma ameaça à ordem escravista.

Durante o século XX, Zumbi foi tema de filmes, peças de teatro, enredo de escola de samba, movimento guerrilheiro e deu nome a instituições públicas e privadas. Em 1978, substituindo o 13 de maio (Abolição da Escravatura), o Movimento Negro Unificado (MNU) elegeu o simbólico 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra, homenageando umas das figuras mais destacadas da história do negro no Brasil.

Leia aqui todos os textos de Luis Gustavo Reis

Trinta e oito anos após a instauração do 20 de novembro, Fernando Holiday, suprassumo do neoconservadorismo brasileiro, resolveu reescrever a história e propor o cancelamento do feriado. Além disso, o “menino maluquinho” (com o devido respeito ao verdadeiro personagem), bastante conhecido por suas despropositadas ideias, compara Zumbi dos Palmares a Hitler e diz que o objetivo da comparação é “chocar”. Quanta bobagem, Holiday!

A preguiça e o amadorismo fizeram o pseudointelectual abrir mão de recursos mais inteligentes para “chocar” quem quer que seja. Qualquer estudante mediano de Ensino Médio sabe os riscos de comparações históricas, sobretudo considerando que Zumbi e Hitler são personagens extramente distintos no tempo, no espaço e em seus objetivos. A fala é mais uma pérola a engrossar os anais das bizarrices proferidas pelo ventríloquo. Tenha paciência, leitor, e sem maior espanto ainda presenciaremos o entusiasta a coletar assinaturas para a abertura de uma sucursal da Ku Klux Klan em território tupiniquim.

Mas aqui também cabe congratular o Movimento Negro. Devido a sua desorganização, choramingos e falta de propostas concretas, Holiday foi eleito vereador por São Paulo: será mais um a engrossar as fileiras dos contumazes representantes dos descendentes da casa-grande.

A despeito do que já foi escrito, a história de Palmares e dos demais quilombos brasileiros ainda tem muito a nos dizer. Rememorá-la neste mês da Consciência Negra é salutar, sobretudo em um país corroído pelo preconceito.

Talvez caiba se perguntar: Qual sociedade queremos? Uma mais justa e fraterna, onde todos vivam integralmente sua cidadania, ou esta já viciada a estigmatizar pessoas de acordo com a cor da pele? Enquanto não resolvermos essa questão, estaremos condenados a girar em falso, fadados a repetir os choramingos e/ou discursos de ódio corriqueiros. Esconder-se atrás do véu da democracia racial ou transferir a responsabilidade para o Estado é, no mínimo, desinteresse e covardia.

Leia também:
Homem ataca mulher da Marcha da Consciência Negra: “Sou machista sim, vagabunda!”
Derrubada a tese da superioridade branca, restou a desigualdade
Entregadores receberam bananas pelo Dia da Consciência Negra
10 filmes para refletir sobre Consciência Negra
Consciência Negra ou Humana?
Consciência Negra: o que é e como usar?

É necessário discutir a questão do negro com seriedade e comprometimento diariamente, só assim será possível destruir os enferrujados grilhões que aprisionam o Brasil a repetir odiosas práticas racistas.

*Luis Gustavo Reis é professor, editor de livros didáticos e colabora para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários