Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 25/Oct/2013 às 15:30
5
Comentários

Médica brasileira: "Revalida é feito para não aprovar ninguém"

“(...) Acho que há um protecionismo da classe médica brasileira que estimula um sistema de saúde completamente distorcido”, diz médica brasileira. Confira seu depoimento

médica brasileira revalida
“O Revalida é feito para não aprovar ninguém”, diz médica brasileira (Arquivo)

O Revalida, ou Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médico, foi adotado em 2011 como uma solução para uniformizar o procedimento de validação do diploma de médico obtido em faculdades do Exterior, por brasileiros ou estrangeiros. Antes, esse exame era realizado de forma independente por algumas universidades, como a USP, pelo qual a obstetra brasileira Anita Hinggs tentou passar, sem sucesso. “É uma prova para não aprovar ninguém”, diz ela, que hoje faz um trabalho médico social em Moçambique, a serviço de uma organização internacional. Seu depoimento:

Leia também

“Por ter pai brasileiro e mãe inglesa, nasci e morei no Brasil, mas resolvi fazer faculdade de medicina na Inglaterra, na University of Nottingham. Depois dos cinco anos de graduação, pensei em voltar para o Brasil, por querer trabalhar com medicina social. Comecei a pesquisar as possibilidades, mas, enquanto isso, fui cumprindo a trajetória exigida para me especializar. Lá, é necessário uma longa especialização para poder trabalhar onde você quiser e passei sete anos nesse processo até conseguir o título máximo, o de “consultant”, trabalhando no Hospital da Universidade de Oxford. Também fiz mestrado em Saúde Pública.

Então resolvi investir na minha mudança ao Brasil e na validação do meu diploma. Nos dois exames que fiz na USP fui reprovada, ainda que por uma pequena margem de pontos. No primeiro exame, em 2005, tive que enfrentar uma burocracia enorme, fornecer documentos detalhados sobre o meu curso, todos traduzidos. Demorou um ano para eu conseguir me habilitar e, depois de ser aceita para fazer o exame, a USP não definia a data e nem as matérias que seriam abordadas. Só fui informada da data do exame um mês antes. Nessa época, eu estava trabalhando em Serra Leoa, no Médicos sem Fronteira. Não foi nada simples eu me deslocar de lá para São Paulo e ao mesmo tempo me preparar adequadamente para as provas em prazo tão curto. Mesmo assim, tirei a maior nota entre todos os outros cinco candidatos. Eram questões dificílimas, que só pude responder porque tenho sete anos de especialização. Mas um recém-formado não teria nenhuma condição de respondê-las. É uma prova para não aprovar ninguém.

Mesmo assim, quis tentar de novo. Sempre pensei em voltar ao Brasil. Minha vocação, como médica, é atuar em comunidades carentes, dando um sentido social à minha atividade. Foi por esse motivo que também fiz mestrado em Saúde Pública na Inglaterra. Lá, eu não teria oportunidades para trabalhar de acordo com meus objetivos. A USP relutou em me dar uma nova oportunidade Depois de insistir muito por um ano, consegui ter uma nova chance. Desta vez, procurei me preparar bem fazendo um estágio de dois meses no Hospital das Clínicas, em São Paulo, e estudando muito. No dia da prova, recebi a informação de que o exame havia mudado. Além do teste de múltipla escolha, teria que fazer também um exame escrito — mas no mesmo espaço de tempo. E a nota de aprovação tinha subido de 55% para 70%. De novo, tive a melhor nota entre todos os participantes, mas não o suficiente para passar.

Depois disso, não tive o menor interesse em tentar, em passar por tudo aquilo de novo, sabendo que se trata de um exame para não ser aprovada. Acho que há um protecionismo da classe médica brasileira que estimula um sistema de saúde completamente distorcido, baseado num atendimento público deficitário e, para quem pode pagar, na indústria dos planos de saúde.

Então fiz contato com uma organização suíça, a Solidarmed, e fui contratada para trabalhar em Moçambique, numa pequena vila próxima à cidade de Pemba, no norte do país. Era tudo o que eu queria. Em Moçambique, meu diploma foi validado rapidamente, apenas com a comprovação da minha formação e atividades médicas. Agora, faço um trabalho de extensão social e médica com mães carentes de grande repercussão na comunidade local e estou muito feliz por aqui.”

Roberto Amado, DCM

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlso Postado em 25/Oct/2013 às 22:19

    Já vi muito médico dizendo que cobra-se detalhes que só os maiores especialistas na área saberiam: perguntam do coração só o que os melhores cardiologistas conhecem em detalhe, de nervos do pescoço que só quem trabalha nessa região conhece.

  2. Eduardo Postado em 26/Oct/2013 às 10:32

    Quem não sabe disto, é igual a entrevista para análise de perfil quando se pleiteia um emprego, se o patrão não te quer é através desta análise que o candidato é colocado de lado incutindo num pobre coitado a pecha de incompetente além de estar desempregado. É pura balela, pois quando se quer e precisa de mão de obra não tem esta de escolher muito, a não ser que seja para faturar taxas de inscrição....O MAIS MÉDICOS, veio para corrigir distorções numa atividade primordial para o Brasil e para os brasileiros, principalmente os mais carentes. Parabéns a esta profissional que teve coragem de falar, não precisa se identificar, pois se o fizer ser escrachada pelos "amigos".

  3. Carlos Postado em 27/Oct/2013 às 19:59

    E o Brasil perde uma média qualificada como essa, enquanto existem por aqui milhares de picaretas que não cumprem seus plantões para atender nos consultórios particulares. Viva o Programa Mais Médicos!! Viva a Presidente Dilma que derrubou o ato médico.

  4. Bruno Postado em 28/Oct/2013 às 15:02

    Temos uma classe médica e outras classes que monopolizam não a saúde, mas as doenças do povo, vivem como parasitas nos impedindo até mesmo de termos auto conhecimento suficiente para não sermos vitimas de doenças corriqueiras, asism estamos sempre buscando socorro. Enquanto isso a população não acorda para o fato que viver doente e tomar remédio sempre não é normal e tudo isso pode ser resolvido adotando-se aquilo que não aprendemos na escola, que mais parece uma casa de adestramento: podemos ter uma vida saudável e podemos não ficar e nem ser doentes aos 40 anos. Ser e estar doentes não é o normal como já parece... Acorda Brasil, as corporações e "classes profissionais" estão nos consumindo ao invés de consumirmos os produtos/conhecimetos/serviços deles.

  5. Larissa Paola Postado em 28/Oct/2013 às 21:33

    Taí! É melhor estudar paro vestibular do que passar o perrengue de ter que estudar fora da pátria mãe, ir para a Argentina e ter que fazer esse Revalida depois.