Redação Pragmatismo
Compartilhar
Tráfico de Drogas 19/Jan/2012 às 12:35
7
Comentários

Ator Fábio Assunção toca na ferida e detona ação irresponsável na Cracolândia

Fábio Assunção, que é ex-dependente químico, criticou as autoridades por passearem pela Cracolândia "como se estivessem no Simba Safari, olhando os animais do carro, rezando para não serem atacados"

Fábio assunção no Facebook

Fábio assunção no Facebook

Em seu perfil oficial no Facebook, o ator Fábio Assunção manifestou repúdio à postura de autoridades e de parte da sociedade que defendem a ação policial na região da Cracolândia, no centro de São Paulo.

Assunção, que recentemente foi internado numa clínica para dependentes químicos, escreveu que a discussão em torno do assunto “deixa evidente a dificuldade do homem em assumir e ser honesto frente à questão da dependência”.

“Quem realmente anda batendo cabeça não me parece ser apenas os dependentes de álcool e drogas”, escreveu o ator.

Leia também

Sem citar o nome do governador Geraldo Alckmin (PSDB), ele criticou o fato de as autoridades passearem pela Cracolândia “como se estivessem no Simba Safari, olhando os animais do carro, rezando para não serem atacados”.

Assunção lembrou que 14% da população mundial, cerca de 700 milhões de pessoas, convivem com o problema e citou a “hipocrisia” com que os dependentes são tratados pela opinião pública, reduzidos à mera condição de “drogados”.

Facebook Fábio Assunção

Facebook Fábio Assunção

“Enquanto não nos libertarmos do nosso sentimento equivocado de superioridade aos que vivem num labirinto de desespero e solidão, e enquanto não formos honestos com nossas vidas, essa tristeza vai continuar”, escreveu.

“Um dia seus filhos os farão pensar sobre isso de forma humanitária. Nada como um dia após o outro. Crime é fechar os olhos àquilo que precisa de inteligência e verdade, além, claro, de amor”, completou.

Leia mais

Muito formador de opinião não conseguiu tocar tão perto da ferida.

Carta Capital

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Anginha Postado em 19/Jan/2012 às 18:27

    Corajoso, honesto, de caráter. Quem dera tds ex-usuários não se escondessem e falassem abertamente o que sofreram na condição de dependente. Parabéns Fábio. Precisamos de mais pessoas com seu caráter e coragem.

  2. Maria Lucia Postado em 20/Jan/2012 às 09:08

    Ótimo!
    Mas, gostaria de mandar um recado para quem escreveu o olho da matéria: não existe ex-dependente, mas sim ex-usuário.
    A dependência química é física e estará sempre no organismo da pessoa.
    Obrigada pelo excelente site!

  3. Luis Soares Postado em 20/Jan/2012 às 14:03

    Muito bem observado.

  4. Edilson Guedes Postado em 20/Jan/2012 às 14:12

    Concordo Maria Lucia,ex-usuario, dependente somos todos nós, parabéns Fábio Assunção, pela inteligencia e coragem de tocar em uma causa tão importante.

  5. nara maranhao Postado em 11/Feb/2012 às 18:50

    Realmente,não existe ex-usuário:"um dia de cada vez".Da maneira que o mundo vai,não vão ser 14% da população,dependentes químicos,mas a maioria da população. Não concordo,tb,quando ele diz que os filhos ensinarâo aos pais.....infelizmente,fui introduzida por um filho,há 26 anos, nesse universo. E,vou dizer,ou chega-se a uma solução contra o crack,que animaliza a pessoa,a destrói fisicamente e tira-lhe as qualidades humanas,ou não sei.As próprias clínicas de dependência chegam a conclusão que não adianta para o usuário de crack ,os métodos que usavam para as outras drogas.É lógico,que a solução,não é matar.Mas,é um problema sem tamanho.

  6. Sueli Postado em 23/Aug/2013 às 14:26

    Parabéns Fábio, como já falei sobre o comentário do Wagner Moura voces fazem parte de uma elite de atores pensantes e corajos. Voces entre outros são os verdadeiros atores que representam o melhor da cultura brasileira.

  7. Marcéus Lyra Postado em 11/Aug/2014 às 17:15

    Acho engraçado esse negócio de dependência, a pessoa entra para o mundo das drogas sabendo que é ruim, se vicia, e joga para a sociedade/Governo/família resolverem. Fora que muitos viciados vendem drogas, roubam, matam, mulheres viciadas engravidam e levam outros para o vicio. Penso que o viciado tem que assumir o controle sobre sua vida também! É fácil falar " caguei agora limpem!"