Redação Pragmatismo
Barbárie 07/Out/2021 às 15:29 COMENTÁRIOS
Barbárie

Estudante de medicina que admitiu ter estuprado crianças está foragido

Publicado em 07 Out, 2021 às 15h29

Estudante de medicina acusado de estuprar pelo menos 7 crianças tem boas condições financeiras e há suspeitas de possível fuga para os EUA ou Portugal. "Após a primeira denúncia, começamos a investigar e descobrimos que ele fez várias vítimas"

Marcos Vitor Aguiar estudante medicina
Marcos Vitor Aguiar

A Polícia Civil do Piauí, por meio da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), tentou intimar o estudante de medicina Marcos Vitor Aguiar. No entanto, o jovem de 22 anos não foi localizado.

Marcos é acusado de estuprar pelo menos 7 crianças. Em uma conversa no WhatsApp divulgada pela mãe de uma das vítimas, o jovem admite os crimes mas se diz ‘arrependido’ (imagens abaixo).

Duas das vítimas são irmãs do acusado e outras duas são primas dele. De acordo com as denúncias, a vítima mais nova tem apenas 3 anos de idade. Desde a descoberta, as mães das crianças cobram por Justiça nas redes sociais.

Os casos foram descobertos após a madrasta do estudante desconfiar que a filha mais velha havia sido abusada. A mulher contou que o comportamento da filha dava indícios de que ela havia sofrido abuso e, após ser questionada, a menina disse que uma prima sabia o que havia acontecido.

“Perguntei para minha sobrinha e ela disse que ele havia estuprado ela e minha filha. Ela não aguentava mais e desabafou. Começamos a investigar e descobrimos que ele abusou de pelo menos cinco outras crianças”, afirmou a mãe da menina e madrasta de Marcos, que procurou a polícia e denunciou o enteado.

“Quando ela [primeira vítima] conseguiu contar, outras crianças da família também conseguiram. Foi um baque, a família toda desabou”.

Uma das vítimas contou que o primeiro abuso aconteceu quando ela tinha cinco anos e o acusado 15. “Foi em uma viagem em família para o Uruguai, que ele se trancou com ela no quarto do hotel. Ele continuou abusando dela por mais cinco anos”, disse a mãe da vítima.

Segundo a denúncia, a vítima foi abusada até os 10 anos e os atos pararam há cerca de dois anos, quando o rapaz se mudou para a Manaus, onde cursa medicina em uma faculdade particular.

“Não consegui me conter, disse: ‘a gente tem que fazer alguma coisa, ele está vivendo a vida dele normal’. Ele estava indo para a faculdade, sem sofrer nenhuma penalização. As pessoas também precisavam saber quem ele é, que ele é um monstro que roubou a inocência de várias crianças”, declarou.

Marcos entrou para a família aos 8 anos de idade, quando o pai dele se casou com a mãe de uma das vítimas.

Polícia demorou para agir

Mesmo após as denúncias na DPCA e nas redes sociais, o caso reverberou timidamente na mídia local e as mães das vítimas consideram que as autoridades demoraram para agir. Polícia Civil e Ministério Público não pediram a prisão preventiva do acusado e agora a suspeita é de que ele tenha fugido do país.

“A gente quer a prisão preventiva, porque a gente teme que ele fuja. Ele tem condições financeiras, visto para os Estados Unidos e a mãe dele morou muitos anos em Portugal”, desabafa uma das mães.

Após dias de repercussão na imprensa, a Polícia tentou localizar Marcos em seu endereço em Manaus (AM) e na residência da mãe em Teresina, mas o estudante não foi encontrado.

A irmã mais nova do estudante, de 3 anos, foi ouvida por psicólogas e assistentes sociais da DPCA. Depois de um trabalho delicado da equipe multidisciplinar, a menina contou o que o irmão fazia com ela. O Pragmatismo teve acesso ao material chocante, que não será divulgado por respeito às vítimas e à Justiça.

A outra irmã de Marcos também já foi ouvida pela Justiça, assim como as duas primas — filhas da irmã da madrasta do estudante. Abusadas durante vários anos, algumas das vítimas foram diagnosticadas com quadro de depressão e tomam medicamentos fortíssimos.

Depois das primeiras denúncias nas redes sociais, Marcos havia entrado com uma ação de indenização por danos morais pedindo o valor de R$ 20 mil para a mãe de uma das vítimas, além da retirada das postagens sobre ele na internet. A Justiça negou o pedido.

(abaixo, print de uma conversa com o acusado no WhatsApp onde ele admite um dos abusos e pede perdão à família)

estudante medicina estupro

Recomendações

COMENTÁRIOS