Redação Pragmatismo
EUA 24/Jan/2020 às 18:33 COMENTÁRIOS
EUA

Um milhão de iraquianos vão às ruas pedir a retirada das tropas dos EUA

Publicado em 24 Jan, 2020 às 18h33

Um milhão de iraquianos marcham para exigir saída das tropas dos EUA. Muitos cartazes falavam em “guerra para recuperar a soberania”. Um deles, bastante repercutido, mandava um recado: “Às famílias dos soldados estadunidenses: insistam para que eles retornem, ou preparem os caixões”

marcha iraque EUA
Imagem da manifestação de iraquianos contra os EUA nesta sexta-feira (24)

Cerca de um milhão de iraquianos fizeram uma caminhada nesta sexta-feira (24) em Bagdá para pedir a saída das tropas americanas do Iraque.

O protesto, que reúne simpatizantes do clérigo Moqtada Sadr, acontece semanas após o ataque americano que matou o general iraniano Qassem Soleimani na capital iraquiana.

Muitos cartazes vistos durante os protestos falavam em “guerra para recuperar a soberania”. Um deles, bastante repercutido nos meios ocidentais, mandava um recado: “Às famílias dos soldados estadunidenses: insistam para que eles retornem, ou preparem os caixões deles”.

A presença dos americanos no país passou a ser mais contestada desde que o incidente, que fez com que o temor de uma guerra entre EUA e Irã viesse à tona.

Dias antes do ataque que matou Soleimani, dezenas de milicianos xiitas iraquianos e seus apoiadores tinham invadido o complexo da embaixada dos Estados Unidos em Bagdá.

Moqtada Sadr é do partido que conseguiu o maior número de cadeiras no Parlamento iraquiano nas eleições de maio de 2018.

Em um comunicado, ele divulgou uma série de condições para a permanência dos americanos, como o cancelamento de acordo de segurança existentes, o fechamento de bases militares, o fim da atuação de empresas de segurança americanas e do acesso dos EUA ao espaço aéreo iraquiano.

Manifestantes carregam cartaz com a foto do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em um protesto em Bagdá, no Iraque, nesta sexta-feira (24) — Foto: Alaa al-Marjani/ Reuters

Redução de tropas

Na quarta-feira (22), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, encontrou-se com o chefe de estado iraquiano, Barham Salih, em Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial. Eles conversaram sobre o futuro da missão americana no país. Segundo Salih, haverá uma redução do número de tropas.

Atualmente, cerca de 5.000 soldados EUA estão no Iraque. Os americanos foram convidados em 2014 pelo governo de Bagdá para ajudar a combater o Estado Islâmico.

Após a morte de Soleimani, o parlamento do Iraque aprovou a saída das forças americanas. Trump, então, chegou a ameaçar de impor sanções econômicas ao país, mas, nesta quarta, ele adotou um tom mais conciliatório.

O tom do líder americano foi mais conciliatório na quarta-feira (22). Ele disse que o número de tropas no país hoje é muito menor do que o da época da ocupação, entre 2003 e 2011.

“Estamos com apenas 5.000, então é um número muito baixo, historicamente baixo, e veremos o que acontece”, disse Trump. Ao ser perguntado sobre sanções, ele respondeu: “Veremos o que acontece”.

Recomendações

Comentários