Redação Pragmatismo
Cinema 04/Set/2019 às 14:59 COMENTÁRIOS
Cinema

Bolsonaro tenta censurar filme em que Marquezine aparece nua fumando maconha

Publicado em 04 Set, 2019 às 14h59

Jair Bolsonaro tenta censurar filme em que Bruna Marquezine aparece nua e fumando maconha. Dinheiro da pós-produção e lançamento da película foi bloqueado porque "chocou os padrões morais" do presidente

filme bruna marquezine bolsonaro
Bruna Marquezine em cena do filme ‘Vou nadar até você’ (imagem: Coração da Selva/Normai Films)

Exibido no último Festival de Gramado, o longa de estreia do fotógrafo Klaus Mitteldorf, ‘Vou Nadar Até Você’, que tem a atriz Bruna Marquezine como protagonista, deve chegar aos cinemas em outubro, depois de transtornos com a Agência Nacional do Cinema (Ancine).

O órgão oficial do governo federal tem por objetivo fomentar, regular e fiscalizar a indústria cinematográfica — mais particularmente a última função, após o presidente Bolsonaro implicar com produções que se chocam com seus padrões morais.

Segundo Mitteldorf, ele conseguiu terminar o filme “por milagre”, porque “o dinheiro que era para a pós-produção e o lançamento do filme foi bloqueado pela Ancine.”

Embora o filme não trate de garotas de programa como ‘Bruna Surfistinha’ – longa citado por Bolsonaro como um contraexemplo de filme que ele quer apoiado pela Ancine – Vou Nadar Até Você tem cenas de nudez de Bruna Marquezine.

A atriz também aparece numa cena fumando um baseado ao lado de Fernando Alves Pinto, que interpreta o papel de Smutter, contratado pelo pai de Ophelia para seguir seus passos na longa viagem empreendida por ela (a nado) entre Santos e Ubatuba.

No ponto de chegada mora Tedesco, fotógrafo e artista plástico que manteve uma relação amorosa com a mãe da moça. O tema do longa é mesmo a busca do pai – tanto no sentido alegórico, o de uma figura ausente da qual pouco ou nada se sabe, como físico.

Tedesco (o ótimo ator alemão Peter Ketnath), a exemplo do diretor Mitteldorf, é um fotógrafo pioneiro no registro de imagens de surfe. As referências autobiográficas não param por aí.

As duas principais autocitações são duas (belas) séries fotográficas assinadas por Mitteldorf nos anos 1990, A Morte de Ophelia (1992), recriação da tela do pré-rafaelita Millais, e O Último Grito (1998), em que a modelo Alexandra von Schwerin nada no Walchensee, lago dos Alpes bávaros, como se estivesse à beira de morte.

‘Vou Nadar Até Você’, desse modo, é uma longa reflexão sobre a morte e o paradoxo da fotografia documental – o fotógrafo pouco ou nada sabe sobre as pessoas que fotografa. Na busca pelo pai ausente, a Ophelia de Mitteldorf enfrenta uma jornada de autoconhecimento. Sofrida, bela. Santos nunca foi tão bem fotografada

Antônio Gonçalves Filho, Agência Estado

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários