Luis Felipe Machado de Genaro
Desenvolvimento Brasileiro 18/Set/2019 às 12:30 COMENTÁRIOS
Desenvolvimento Brasileiro

Diante da angústia, o que fazer? Um Brasil por se encontrar

Luis Felipe Machado de Genaro Luis Felipe Machado de Genaro
Publicado em 18 Set, 2019 às 12h30
angústia Brasil governo Bolsonaro desigualdade meio ambiente retrocesso
Imagem: Design Ativista

Luís Felipe Machado de Genaro*, Pragmatismo Político

Diante da angústia e desolação, o que fazer? Diante de um dos cenários mais arrasadores desde os anos de chumbo da ditadura civil-militar brasileira, deflagrada pelo Golpe de 1964 e “terminada” numa grande conciliação de classes vinte e um anos depois, inquirimos: o que fazer? Diante da crescente concentração de renda, descaso socioambiental, a elasticidade das leis, chicotadas, berros e preconceitos, num país onde todos temem a todos, me respondam: o que fazer?

Jornalista renomada e de brilhante perspicácia e erudição e um psicanalista progressista de profundidade intelectual admirável  nos alertaram recentemente: brasileiras e brasileiros – pobres, desempregados e/ou precarizados – estão adoecendo.

Negros periféricos tornaram-se alvo de uma violência de Estado praticamente legitimada por seu atual (des)governador – política de Estado, convenhamos, que desde os idos coloniais impera. O índice de intolerância aumenta diariamente desde o final de 2018 e início de 2019. Há um temor constante, em todos os lugares. Estamos doentes, tristes e frustrados. Então indago novamente: o que fazer?

Dialogar (ao menos tentar) com o outro; ser empático (ao menos tentar) com o outro; nas escolas públicas, mostrar a realidade social, política e econômica brasileira, passada e atual – nós, professores de História, Geografia, Filosofia, Sociologia e Linguagens, tão demonizados e atacados injustamente, contra-ataquemos: façamos com que alunos (ou ao menos tentemos) leiam bons poemas, (de Oswald a Sérgio Vaz), questionadores e críticos; escutem boas canções, as antigas e as atuais, revendo velhos preconceitos, reinterpretando novas palavras e ideias (desde Chico Buarque de Hollanda e Milton Nascimento a MC. Carol e Pabllo Vittar), para que percebam que tudo muda constantemente – e, se quisermos, para melhor; que assistam bons filmes, os clássicos e os atuais; formemos, todos nós, as novas gerações para um futuro diferente da distopia que nos adoece e mata, principalmente as gentes vulneráveis brasileiras.

Finalmente, ocupemos JUNTOS todos os espaços públicos tomados por lunáticos e inebriados por uma boçalidade aterradora que hoje ‘preside’ a Nação – ocupemos praças e avenidas, em manifestações e protestos (quando possível). Uma coisa é certa: nada muda fora da política. Frisemos: da boa política. Mas, também nada está ou anda fácil. Nada. A angústia, o temor pelo futuro sombrio que se avizinha (ou que já chegou) parece nos engolir por inteiro.

Leia aqui todos os textos de Luís Felipe Machado de Genaro

Será o fim?

Será que conseguiremos recuperar forças para nos reagruparmos, voltar a amar e ter esperança? Será que conseguiremos ocupar os espaços públicos e de poder para, de fato, revolucionarmos as estruturas, redistribuir renda, gerar empregos dignos e formais, dar segurança ao trabalhador, uma habitação confortável, uma escola crítica, questionadora, pública e de qualidade, ruas limpas, arborizadas, segurança pública cidadã, fomento a Educação universitária, terra aos sem-terra, livros e alfabetização crítica aos analfabetos, alegria e saúde aos que estão se adoecendo diariamente?

Darcy Ribeiro sempre nos alertou: não fomos feitos para sermos uma Nação de cidadãos politicamente conscientes, livres e ativos, mas uma grande fazenda senhores e escravos. Nos quesitos democracia e cidadania, Sérgio Buarque também redigiu: aqui, a democracia sempre foi um grande mal entendido. Acredito que o Brasil ainda está por se fazer. Os brasileiros ainda estão por se encontrar – juntamente com seus irmãos latino-americanos.

Tentemos, caras e caros. Tentemos. Ou juntos choraremos o início do fim. Se é que já não estamos nele.

*Luís Felipe Machado de Genaro é historiador, mestre em história pela UFPR e professor da rede municipal de Itararé

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários