Redação Pragmatismo
Juristas 10/Jun/2019 às 18:30 COMENTÁRIOS

“Ainda não olhamos 1% do material”, diz editor do The Intercept

O material contra a Lava Jato é "avassalador, muito vasto, contém conversas, vídeos, áudios, arquivos, documentos, fotos, prints, tudo que a gente faz num aplicativo de mensagens. (...) Em extensão, é maior do que o arquivo Snowden"

(Imagem: Poder 360/Sergio Lima)

Jornal GGN

Leandro Demori, editor-executivo do The Intercept Brasil, disse nesta segunda (10), em entrevista ao programa Timeline, da rádio Gaúcha, que a equipe de jornalismo do site ainda tem uma imensidão de documentos, fotos, prints, vídeos, áudios e mensagens de textos trocadas por membros da operação Lava Jato para avaliar e publicar na série que foi batizada de “vazajato”.

Na noite de domingo (9), o site publicou 3 reportagens e 1 editorial a respeito de conversas privadas entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol, e entre procuradores da Lava Jato num grupo fechado no Telegram, que provam o conluio entre o ex-juiz de piso e o Ministério Público Federal.

Moro deu dicas e traçou estratégias para o MP, cobrou agilidade em determinadas ações e interferiu em fases da Lava Jato, ofereceu pistas para o inquérito contra Lula e adotou outras medidas que atestam seu papel de auxiliar de acusação. Ex-juiz e procuradores negam irregularidades e se dizem vítimas de vazamento criminoso.

Questionado sobre o tamanho dos arquivos obtidos por uma fonte mantida sob sigilo, Demori afirmou que não tem como estimar. “Eu diria que a gente olhou 1% do material. Não tem como quantificar, é muita coisa mesmo.”

Segundo o editor, o material é “avassalador, muito vasto, contém conversas, vídeos, áudios, arquivos, documentos, fotos, prints, tudo que a gente faz costumeiramente num aplicativo de mensagens. A gente não está divulgando o tamanho do arquivo, mas em extensão é maior do que o arquivo Snowden.”

Para exemplificar, o jornalista comentou que apenas um dos grupos de procuradores no Telegram, chamado de “Incendiários”, resultou em 1,7 mil páginas de conversas.

Os envolvidos

O The Intercept recebeu cerca de 3 anos de conversas no Telegram a partir de uma fonte mantida em anonimato. O acesso ao material se deu semanas antes de Moro e Dallagnol terem o celular invadido, segundo divulgaram na semana passada.

Demori revelou ao Timeline que além do chat privado entre Moro e Dallagnol, há vários grupos formados apenas por procuradores de Curitiba, e outros incluem também “procuradores de todo o Brasil”.

Alguns grupos foram batizados com piadas internas ou referências à cultura pop – um deles, por exemplo, se chama “The winter is coming”, em alusão à série da HBO, Game of Thrones.

Damori dá a entender que jornalistas também estariam envolvidos nas conversas.

Janot e ministros da Suprema Corte

Questionado se Rodrigo Janot e ministros do Supremo Tribunal Federal apareceriam no escândalo, Damori tentou sair pela tangente para não furar o The Intercept: “Ainda ainda não estamos falando sobre isso, mas possivelmente vamos falar em breve.”

O editor-executivo disse ainda que a equipe deve se reunir nesta segunda-feira para discutir os próximos passos, mas que há pelo menos mais 6 histórias em vista, que podem ser divulgadas nas próximas semanas.

Provas para as convicções

Na opinião de Damori, o grande feito do The Intercept com a série, até agora, é trazer elementos de prova contra os abusos já denunciados contra a Lava Jato.

Quero deixar uma coisa clara: até ontem, as pessoas podiam ter convicções pessoais de que a Lava Jato operava politicamente, mas ninguém podia dizer que era um fato.”

A expectativa do jornalista é que as mensagens tenham “algum reflexo” sobre a Lava Jato, do ponto de vista jurídico. Isso porque não dá para aceitar que um “juiz cometa irregularidades sob o manto de combater irregularidades”.

Ouça a entrevista completa:

Leia também:
Lava Jato do início ao fim: uma operação viciada e politicamente interessada
Ex-assessora de Sergio Moro na Lava Jato admite que “a imprensa comprava tudo”
Livro revela erros da Lava Jato e objetivos não-declarados da operação
Operação Lava Jato: como tudo começou
MPF aponta que esquema na Petrobras começou ‘há pelo menos 15 anos’

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Jorge Lula Viana Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    Ansioso pelas próximas revelações.