Redação Pragmatismo
Tráfico de Drogas 27/Jun/2019 às 18:11 COMENTÁRIOS
Tráfico de Drogas

Jair Bolsonaro pediu fuzilamento de brasileiro preso no exterior por tráfico

Publicado em 27 Jun, 2019 às 18h11

Em 2006, Jair Bolsonaro pediu morte de brasileiro preso no exterior por tráfico de drogas. Em 2015, ele celebrou o fuzilamento. Presidente terá a mesma posição diante da prisão de um militar da Aeronáutica com 39 kg em um avião da FAB?

Marcos Archer Bolsonaro cocaína
Marcos Archer, fuzilado na Indonésia em 2015 por transportar 13kg de cocaína

No ano de 2006, o então deputado federal Jair Bolsonaro aprovou na Câmara uma moção de congratulações e apoio ao governo da Indonésia por aquele país ter mantido a sua decisão de executar o brasileiro Marco Archer.

O brasileiro havia sido condenado à morte por ter sido preso em 2004 ao entrar na Indonésia com 13,4 quilos de cocaína escondida dentro de um tubo de asa-delta – ele era piloto nessa modalidade esportiva.

“Caso o Senhor Marco Archer fosse traficante com atuação apenas no Brasil, poderia ao longo de sua atividade levar à desgraça centenas de famílias, à morte dezenas de pessoas e viciar milhares de cidadãos. Esse traficante não tem nada a oferecer à sociedade brasileira a não ser envergonhar ainda mais o Brasil no exterior”, dizia o requerimento de Bolsonaro.

Marcos Archer ficou mais de uma década preso. Neste período, houve vários apelos de clemência, inclusive dos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Apesar disso, ele foi fuzilado pelo governo da Indonésia há quatro anos.

Pragmatismo Político tratou do caso Marcos Archer em diversas ocasiões. Relembre:

Pena de morte na Indonésia — reflexões a partir do caso de Timor-Leste
Quem era Marcos Archer, o brasileiro fuzilado na Indonésia
Uma lembrança de Dostoiévski sobre a pena de morte
Médicos brasileiro escreve para presidente da Indonésia pedindo fuzilamento de Archer

Em 2015, quando o brasileiro foi executado, Jair Bolsonaro voltou a tocar no assunto, reforçando as congratulações ao governo da Indonésia pelo fuzilamento de Marcos Archer.

Quis o destino que, mais de dez anos depois daquele primeiro requerimento, Jair Bolsonaro estivesse ocupando a Presidência da República no momento da prisão de um sargento da Aeronáutica que transportava 39 kg de cocaína no avião presidencial reserva, em Sevilha (Espanha).

O episódio, que provocou vergonha internacional e uma crise inesperada no governo, estimula o seguinte questionamento: será que Bolsonaro manterá agora a mesma opinião que tinha em 2006 e em 2015?

Saiba mais: Militar preso com cocaína é apoiador de Bolsonaro e fazia ‘arminha com a mão’

Recomendações

Comentários

  1. chichano goncalvez Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    O Bolso merda é uma bosta ou pior que um estrume, fala com a boca e paga com o cu, o cara foi expulso de colegio,aposentado por debil mental, e os analfabetos politicos elegeram essa bosta, não tem projeto nenhum, seu desgoverno consegue ser pior com ele, caso ele viajasse e não voltasse mais o Brazil iria muito melhor. Aposto que ele não vai se pronunciar a respeito, ou falara que aguardadá o desenrolar do processo, que corre o risco de morrer na casca.

  2. Afonso Dumont Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    Da mesma forma, Bolsonaro afirmou que o milico chincheiro "deu sorte" por não ter sido flagrado na Indonésia... Ou seja, por ele, esse traidor teria sido fuzilado.

  3. C.Poivre Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    E olha que a vítima do fuzilamento traficava só a terça parte do avião da comitiva do miliciano-chefe!