Redação Pragmatismo
Saúde 07/Jun/2019 às 15:51 COMENTÁRIOS
Saúde

Gigante farmacêutica ocultou que um de seus fármacos poderia prevenir Alzheimer

Publicado em 07 Jun, 2019 às 15h51

Gigante farmacêutica Pfizer ocultou indícios de que um de seus fármacos poderia prevenir o Alzheimer, revela o The Washington Post em reportagem com base em documentos internos da empresa, aos quais teve acesso

Gigante farmacêutica ocultou fármacos prevenir Alzheimer
Imagem: McGill

Pablor Guimón, ElPaís

Foi um achado surpreendente. Em 2015, depois de analisar centenas de milhares de reclamações de seguros, uma equipe de pesquisadores da Pfizer descobriu que um dos fármacos campeão de vendas da empresa, o Enbrel, um potente anti-inflamatório para o tratamento de artrite reumatoide, poderia reduzir o risco de Alzheimer em 64%. É o que revela The Washington Post em uma reportagem exclusiva, com base em documentos internos da empresa, aos quais teve acesso.

Acontece que a verificação desses efeitos do remédio exigiria um teste clínico caro. E, depois de um longo debate interno, a gigante farmacêutica decidiu não prosseguir com a pesquisa e não divulgar os resultados, como a empresa confirmou ao jornal.

O Enbrel poderia potencialmente prevenir, tratar e retardar a progressão do mal de Alzheimer”, dizia o documento em PowerPoint, de acordo com o Post, preparado por um grupo de pesquisadores da Pfizer para ser apresentado a um comitê interno da empresa em fevereiro de 2018. Esses especialistas, do departamento de doenças inflamatórias e imunologia, pediram à Pfizer que realizasse um ensaio clínico com milhares de pacientes e um custo estimado de 80 milhões de dólares (cerca de 320 milhões de reais).

Mas, segundo a explicação da Pfizer ao jornal, após três anos de estudos internos a empresa entendeu que a expectativa de que o Enbrel prevenisse o mal de Alzheimer não era alta porque o fármaco não atinge diretamente o tecido cerebral. A decisão de não continuar pesquisando foi exclusivamente científica, disse um porta-voz da empresa. Eles também consideraram que a publicação de um resumo de suas descobertas estatísticas não teria cumprido seus “rigorosos padrões científicos“.

No entanto a Pfizer compartilhou seus dados em particular com pelo menos um cientista proeminente, de acordo com o Post. Mas outros pesquisadores consultados pelo jornal acreditam que, pelo menos, a empresa deveria ter publicado esses dados para que outros cientistas pudessem acessá-los. As empresas farmacêuticas têm sido alvo frequente de críticas por esconderem os efeitos negativos de seus produtos. Mas não há consenso sobre quais obrigações as farmacêuticas teriam para disseminar possíveis novos efeitos positivos.

A busca de novos tratamentos para a doença de Alzheimer até o momento tem sido frustrante. Apesar dos bilhões investidos em pesquisa, não existe uma droga que efetivamente previna ou trate com eficácia essa doença neurodegenerativa, a forma mais comum de demência, que se caracteriza pela perda de memória e outras habilidades mentais e que, atualmente, é incurável e afeta pelo menos meio milhão de novos pacientes por ano. Mais de 400 ensaios clínicos fracassaram desde que a última droga para a doença, que só trata os sintomas, e temporariamente, foi aprovada há mais de 10 anos.

Não é incomum que medicamentos desenvolvidos para tratar uma condição acabem sendo usados para outra. A própria Pfizer tem uma história conhecida de sucesso: a do popular Viagra, concebido para tratar a hipertensão e que acabou como um tratamento para a disfunção erétil, gerando lucros bilionários para a empresa. Ao contrário desse caso, o Enbrel não é atualmente protegido com uma patente exclusiva, como era o Viagra na época, o que reduz os lucros e incentivos para pesquisar outros usos do medicamento.

No momento em que eram concluídas as deliberações internas sobre o Enbrel, a Pfizer estava, na realidade, abandonando a pesquisa sobre o Alzheimer. A empresa anunciou em janeiro de 2018 o fechamento de sua divisão neurológica tecnológica. Na mesma semana houve a divulgação do fracasso de dois medicamentos experimentais desenvolvidos por outras empresas farmacêuticas.

Leia também:
Sinais de Alzheimer podem surgir aos 40 anos, revelam novos estudos
Cuba vai testar em humanos medicamento que combate o Alzheimer
Chris Graham conta como é estar com Alzheimer aos 39 anos
Conheça as doenças que podem ser tratadas com maconha

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários