Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 20/Mai/2019 às 18:59 COMENTÁRIOS
Mulheres violadas

Policial mata a ex-mulher dentro da Secretaria de Educação do DF

Publicado em 20 Mai, 2019 às 18h59

Feminicídio seguido de suicídio: policial civil invade Secretaria de Educação do DF e mata sua ex-esposa. O homem tinha passagens por ameaça e perturbação da tranquilidade, e respondia a um processo por violência doméstica

policial mata ex-esposa
O policial Sergio Murilo dos Santos

O policial civil Sergio Murilo dos Santos, de 51 anos, matou a ex-mulher na manhã desta segunda-feira (20) em Brasília (DF). O crime ocorreu dentro da Secretaria de Educação.

Débora Tereza Correia, de 43 anos, foi alvejada com disparos de arma de fogo. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Após o feminicídio, o policial cometeu suicídio.

O atirador entrou armado no edifício e chamou Débora para fora da sala, no terceiro andar. Os dois começaram a discutir no corredor e Sérgio atirou na vítima. Logo depois, o policial tirou em si próprio.

Servidores que trabalham no edifício disseram que ouviram cerca de quatro disparos. A vítima era concursada da Secretaria de Educação desde 2001.

O secretário de Educação, Rafael Parente, confirmou o feminicídio e suspendeu todas as atividades no edifício. O local abriga a Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto, além de outras subsecretarias da Educação do DF.

Uma amiga da vítima contou que Sergio e Débora estavam separados. O policial tinha passagens por ameaça e perturbação da tranquilidade, e respondia a um processo por violência doméstica e familiar.

Uma testemunha disse que estava no 2º andar do prédio quando ouviu o barulho dos tiros. “A cena era de terror. Ninguém sabia o que havia ocorrido. Houve muita gritaria e pessoas passaram mal. Estamos aqui há uma semana. Uma tragédia”, afirmou.

De acordo com o delegado Rosseto, os disparos foram feitos de uma arma calibre .40. “Já haviam outras ocorrências registradas da vítima contra o autor, mas não temos conhecimento se havia medida protetiva”, destacou o investigador.

Em nota, a Secretaria de Educação lamentou a morte da servidora: “Neste momento de dor, a SEEDF se solidariza com a família, os amigos e os colegas da servidora. A pasta está à disposição para contribuir na investigação do caso”.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Kilpatay Postado em 06/Jul/2019 às 00:44

    Na camiseta se ve que flertaba com a morte,a mulher nao precisaba morrer, mais este assassino deixa o mundo um pouco melhor con sua partida!!