Redação Pragmatismo
Governo 29/Apr/2019 às 14:30 COMENTÁRIOS

Após pressão de evangélicos, Bolsonaro volta atrás sobre novo imposto

Secretário da Receita Federal anunciou nesta segunda-feira criação de novo imposto que incidiria sobre o dízimo das igrejas. Pressionando, Bolsonaro foi ao Twitter: “Nenhum novo imposto será criado, em especial para as igrejas”

pressão de evangélicos Bolsonaro novo imposto dizimo igreja
Marcos Cintra e Jair Bolsonaro (Imagem: Wilson Dias | ABr e Captura de tela)

O presidente Jair Bolsonaro desautorizou o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque, na manhã desta segunda-feita sobre a criação de um novo imposto.

Em nosso governo, nenhum novo importo será criado, em especial para as igrejas”, disse em vídeo publicado no Twitter hoje. O presidente diz ainda que foi surpreendido com a informação nesta manhã.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo desta segunda, o secretário falou em eliminar a contribuição previdenciária que incide sobre a folha de pagamentos e a substituir pela Contribuição Previdenciária (CP), novo tributo que incidiria sobre todas as transações financeiras, bancárias ou não.

Segundo o secretário, até fiéis de igrejas deverão pagar o imposto quando contribuírem com o dízimo. “Isso vai ser polêmico”, reconhece.

Ele nega comparações com a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), aplicada entre 1997 e 2007.

Não é uma CPMF, porque o novo imposto será permanente e não incidirá somente sobre operações de débito feitas pelo sistema bancário. Será muito mais amplo. Abarcará qualquer transação envolvendo pagamentos, até escambo.”, diz o secretário.

Leia mais:
A nova pesquisa Ibope sobre a popularidade do governo Bolsonaro
Jair Bolsonaro é bancado pelo que há de pior na sociedade
Evangélicos dizem que Malafaia, Bolsonaro e Edir Macedo formam “elo da mentira”
A carta de um pastor evangélico aos colegas que apoiam Bolsonaro
O trecho da Bíblia que os evangélicos deveriam ler antes de apoiar Bolsonaro
A história do surgimento e da ascensão da bancada evangélica na política

Ligia Tuon, Exame

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Comentários