Redação Pragmatismo
Armas de Fogo 04/Apr/2019 às 16:30 COMENTÁRIOS

PM debocha de tiroteio em universidade: "por que não se defenderam com livros?"

Tiroteio na UEPB deixa 16 feridos e provoca pânico. Policial debocha: "por que estudantes e professores esquerdopatas não se defenderam com livros?". Alunos temeram massacre

tiroteio uepb assalto universidade

Uma tentativa de assalto no campus da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) em Campina Grande (PB) deixou pelo menos 16 pessoas feridas na última segunda-feira (1).

Um vigilante e uma estudante foram baleados durante a troca de tiros, enquanto as outras vítimas são alunos que se feriram ao tentar fugir do local. Alguns chegaram a pular do primeiro andar.

Segundo a Polícia Militar, os criminosos entraram no local fingindo ser estudantes. Um dos assaltantes portava um fuzil dentro de um “case” de violão.

No momento da ação criminosa, havia cerca de 5 mil alunos e funcionários no prédio da Central Integrada de Aulas da UEPB, onde fica uma agência do Banco Santander.

A assessoria de imprensa da universidade informou que um grupo armado chegou em dois automóveis e assaltou um carro-forte que iria deixar dinheiro na agência bancária. Houve intensa troca de tiros.

Os alunos não sabiam inicialmente o que estava ocorrendo e muitos estudantes entraram em desespero temendo que estivesse acontecendo um massacre semelhante ao que ocorreu em Suzano, São Paulo.

Os criminosos conseguiram fugir levando malotes de dinheiro e uma arma de um dos vigilantes. Até a tarde desta quinta-feira (4), nenhum dos suspeitos que participaram do assalto foi preso.

Deboche

No Instagram, um policial militar de Campina Grande (PB) ironizou as vítimas. Ele apagou a publicação após a repercussão negativa do post. “Por que alunos e professores não saíram com livros nas mãos e enfrentaram os bandidos?”, questionou o sargento Wellington Cobra em tom de deboche.

“Que pena que os alunos esquerdopatas e bestializados não estavam naquele momento munidos de pombas brancas […] outra solução seria chamar um professor comunista, especialista em negociação, para ler uma linda poesia”, continuou o PM.

Embora tenha apagado a publicação depois de ser criticado, leitores enviaram ao Pragmatismo Político prints do post do policial militar:

(o texto continua após as imagens…)

Feridos

A assessoria do Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande informou que muitos estudantes se machucaram após pularem escadas e muros durante a correria.

Três estudantes com fraturas nos membros inferiores foram internados. Outros dez alunos também fraturaram membros inferiores, mas já estão em casa.

O vigilante foi baleado na perna e encontra-se fora de risco. Uma aluna foi alvejada com um tiro de raspão nas costas e já recebeu alta médica.

“Tive que correr para viver”

O vigilante Erivaldo Barbosa, que trabalha na UEPB armado com um revólver com apenas seis balas, disse que precisou “correr para sobreviver”. Os bandidos portavam pistola e fuzil.

“O carro-forte apareceu. Aí eu olhei e pensei: “O perigo agora é grande”. Aí veio o primeiro segurança do carro-forte pegar a senha pra depositar o dinheiro. Quando ele voltou foi que o outro segurança veio com malote de dinheiro”, disse.

Nesse instante os homens sacaram as armas e anunciaram o assalto. “Eu estava na frente. Aí o cara da pistola entrou e disse: “para, para, para” e atirou. Eu consegui desviar, puxei minha arma e dei dois disparos nele. Só que o outro passou correndo com o fuzil. Eu efetuei mais quatro disparos e vi que minha arma havia acabado a munição. Tive que correr para não morrer ali”.

“Eu fiquei preocupado com os alunos, porque eles estavam ali na hora do intervalo da aula, depois de 9h30 pra lanchar e conversar. Havia muita gente mesmo”, acrescentou.

Massacre como o de Suzano

Alunos cogitaram a possibilidade de estar havendo um massacre como o que ocorreu em Suzano (SP). “Houve o primeiro tiro e a gente não soube o que aconteceu de início. A gente pensou que de fato fosse uma encenação, por causa de um evento que está tendo na UEPB. Só que a gente viu a correria. E quando a gente viu isso todo mundo saiu correndo. A gente ouviu muito tiro e pensou que era o que tinha acontecido na escola, em Suzano”, revelou um estudante.

“No primeiro tiro ficou todo mundo parado, depois vieram os outros e aí todo mundo se desesperou. A gente estava no auditório. Fechamos a porta e desligamos as luzes, pra não chamar atenção, pois lembramos do caso de Suzano. A gente ficou com medo de ser um massacre”, contou uma aluna.

Imagens dos assaltantes cedidas pela Polícia Civil:

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Comentários