Redação Pragmatismo
Governo 16/Abr/2019 às 14:25 COMENTÁRIOS
Governo

Deputada do PSL chora e diz que tem medo de morrer

Publicado em 16 Abr, 2019 às 14h25

Aos prantos, deputada do PSL diz temer que ministro do Turismo arme ‘acidente provocado’ contra ela. Alê Silva já afirmou à Polícia Federal ter sido alvo de ameaça de morte

deputada alê silva ministro do turismo
Deputada Alê Silva (PSL) / Reprodução

A deputada Alê Silva, do PSL de Minas Gerais, afirmou temer sofrer um “acidente provocado”, causado por pessoas próximas a Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo do governo Bolsonaro. As informações são da coluna de Guilherme Amado, da Revista Época.

“A gente fica preocupada, né? Fica cismada. A gente pensa: ‘Poxa vida, a pessoa é superpoderosa, estou aqui muito perto’. Não sei… Tem pessoas difíceis que andam ao redor dele [Marcelo Álvaro]. Para dar uma ordem, para fazer qualquer coisa, um acidente provocado… Claro que a gente fica preocupada”, disse a parlamentar.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo no último sábado (13), a deputada admitiu que foi alvo de uma ameaça de morte. Ela confirmou a informação em depoimento oficial à Polícia Federal. Alê Silva disse ainda que conversou com Hamilton Mourão e o vice-presidente a aconselhou a “manter-se calma”.

Apesar de não contar com o apoio do presidente do PSL, Luciano Bivar, Silva disse pretender continuar na legenda. “Eu acordei a tempo. Minha única esperança é que um dia Bolsonaro acorde, porque está criando uma cobra do lado dele”, afirmou a deputada, que acredita que o presidente não sabe das falcatruas do seu ministro.

VÍDEO:

Proteção

A Procuradoria e a Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados farão uma reunião nesta semana para estudar medidas de proteção à deputada Alê Silva (PSL-MG). Ela denunciou um esquema de candidaturas de laranjas comandado em Minas Gerais pelo ministro do Turismo.

O caso, que envolve o uso de laranjas pelo PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, foi revelado pela Folha de S.Paulo em fevereiro.

Para a deputada Jandira Feghali, líder da minoria na Câmara, a denúncia de Alê Silva é grave e a Casa precisa adotar medidas para protegê-la. “Acho que qualquer denúncia contra uma mulher e, particularmente, uma parlamentar assume uma gravidade enorme, porque ela é uma representante política”, afirmou.

O episódio é investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público em Minas Gerais e em Pernambuco. A denúncia levou à queda do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que comandou o partido nacionalmente em 2018.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários