Redação Pragmatismo
América Latina 07/Feb/2019 às 14:43 COMENTÁRIOS

Venezuela impede entrada de "ajuda humanitária" dos EUA

Venezuela bloqueia entrada de 'ajuda humanitária' na fronteira com a Colômbia. Envio é considerado inconstitucional e um pretexto para uma intervenção militar dos EUA

ajuda humanitária venezuela eua
(Caminhões bloqueiam fronteira da Venezuela com a Colômbia / Reprodução-Redes Sociais)

Opera Mundi e ANSA

Os militares do governo de Nicolás Maduro criaram uma barreira com um caminhão tanque e contêineres na ponte internacional Las Tienditas, que liga a cidade colombiana de Cúcuta à Ureña, na Venezuela, para evitar a entrada de ajuda humanitária vinda dos Estados Unidos.

A entrada de ajuda humanitária no país foi negociada e aprovada pelo autoproclamado presidente interino, o opositor Juan Guaidó, cuja tentativa de golpe de Estado foi reconhecida por 40 países.

No entanto, Maduro e o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) recusam a ajuda. Segundo o presidente reeleito da Venezuela, a medida está totalmente contra a Constituição do país e não passa de um pretexto para o governo de Donald Trump realizar uma intervenção militar no país.

A medida adotada pelo governo venezuelano foi criticada pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, que insistiu para o líder chavista autorizar a entrada de suprimentos para o “povo faminto”.

“O povo venezuelano precisa desesperadamente de ajuda humanitária. Os Estados Unidos e outros países estão tentando ajudar, mas o Exército da Venezuela, sob as ordens de Maduro, está bloqueando a ajuda com caminhões e navios-tanque”, escreveu no Twitter o secretário de Estado.

Ajuda humanitária

Nesta terça-feira (05/02) a Assembleia Nacional da Venezuela, controlada por Guaidó, aprovou a entrada do primeiro lote de ajuda humanitária no país.

A decisão foi anunciada durante coletiva de imprensa pelo deputado Miguel Pizarro, presidente da Comissão Especial de Acompanhamento da Ajuda Humanitária. “O Legislativo é um ente de coordenação e de acompanhamento dessas doações de remédios e alimentos”, afirmou na ocasião.

Segundo o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, “a ajuda humanitária não é uma esmola. É uma necessidade urgente do nosso país, de centenas de milhares de venezuelanos que não têm o que comer, não têm medicamentos”.

A decisão se opõe a Maduro, que afirmou que não aceitaria a entrada de ajuda porque seria um pretexto para uma intervenção militar dos Estados Unidos. Durante discurso após a decisão da Assembleia Nacional, o chefe de Estado venezuelano definiu como “falsa” as ajudas humanitárias ofertadas por diversos países, como os EUA e Colômbia, e ressaltou que seu país “não é mendigo”.

“Nós não somos mendigos de ninguém, podemos fazer isso com o esforço, o trabalho, a capacidade produtiva, ou você quer transformar o nosso país em uma colônia de escravos e mendigos?”, acrescentou Maduro.

Observadores internacionais garantem que a ‘ajuda humanitária’ enviada pelos EUA soa como hipocrisia, já que o país governado por Donald Trump congelou ativos internacionais da Venezuela e promove um embarco econômico contra a nação presidida por Nicolás Maduro.

Em entrevista à Telesur, o brasileiro Breno Altman falou sobre a “ajuda humanitária” dos EUA e a crise venezuelana:

Crise da Venezuela

No dia 23 de janeiro o deputado do partido oposicionista Voluntad Popular, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino da Venezuela durante um comício onde foi simulado uma cerimônia de posse e um juramento.

Em uma tentativa de golpe de Estado, o parlamentar foi reconhecido por governos como o dos Estados Unidos, Brasil, Colômbia, Canadá, além de países da Europa.

Por sua vez, China, Rússia, alguns países da América Latina, além da Organização da Nações Unidas (ONU) e da Organização dos Estados Americanos (OEA) apoiam a legitimidade do governo Maduro.

O conselheiro nacional de segurança da Casa Branca, John Bolton, já manifestou que existe a possibilidade real de uma intervenção militar dos EUA na Venezuela.

VEJA TAMBÉM: Dez mentiras sobre a Venezuela que são vendidas como verdade

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários