Redação Pragmatismo
Polícia Militar 11/Feb/2019 às 15:50 COMENTÁRIOS

Interceptação telefônica revela a falência da polícia no combate ao crime

Interceptação telefônica que revela a associação entre a polícia militar e o PCC remete à conversa entre policiais corruptos e a mafia, no tempo da lei seca nos Estados Unidos

Interceptação telefônica falência da polícia combate ao crime
Imagem: Marcelo Camargo | ABr)

Joaquim de Carvalho, DCM

O Ministério Público do Estado de São Paulo denunciou, na semana passada, 53 policiais militares de um batalhão de São Paulo, o 22º, na Zona Sul da cidade. A acusação: eles faziam parte da organização criminosa PCC.

O papel dos policiais militares dentro da organização criminosa também era claro, não reprimir a prática do delito de tráfico, bem como facilitá-lo, não passando de viatura policial próximo aos pontos de venda, informando acerca de alguma operação policial pelo local e até mesmo alterando a verdade em documentos públicos para que não ocorresse apreensão de droga ou a prisão dos traficantes”, diz o promotor Cláudio Henrique Bastos Giannini, que assina a denúncia.

A investigação que levou a essa denúncia revelou que a associação dos policiais com os traficantes é antiga — pelo menos cinco anos — e, além de proteger o tráfico de drogas, facilitou também a venda de armas e munição.

As escutas telefônicas autorizadas pela Justiça mostram que, na conversa entre os policiais e os traficantes, não é possível identificar quem é mais bandido.

Por exemplo, no dia 27 de junho do ano passado, o cabo da PM Heverton Nascimento Neves, vulgo Bomba, conversa com o traficante que atende pelo apelido de Branquinho.

Ele tinha acabado de apreender uma grande quantidade de drogas e queria receber 10 mil reais para não apresentá-la à delegacia de polícia.

O policial comenta:

Quanto? Dois? Aí não dá, não. Se fosse uns dez, até dava, mas aí não dá não.”

Branquinho, o traficante, responde:

BRANQUINHO: Oshi, dez conto não tem nem aí.”

O policial insiste:

Tem, caraio, ó, eu vou pegar isso aqui, eu vou pegar isso aqui, vou vender para um cara ali, e vou te mostrar a mensagem ainda de quanto o cara pagou. Mas demorou, então, deixa quieto.”

A conversa prossegue até que acertam um valor. O policial e sua equipe apresentam à delegacia apenas a droga de baixa qualidade, que não interessava ao traficante.

Devolvem o restante.

A investigação mostrou que conversas semelhantes entre policiais e traficantes aconteciam rotineiramente, e não só apenas por parte equipe.

No dia 23 de junho, usando o celular de um gerente de boca, a policial Graciele da Silva Santos conversa com um dos chefes do PCC na região, apelido Revolta.

Ela está cobrando a propina para deixar correr solto o comércio na região. “Quero o meu e o do Paraná (outro policial). Só foi pego o do Paraná”, diz.

Quando o traficante diz que já entregou a parte dela para o Paraná, Graciele fica brava:

O seu Revolta, o caralho, tá tirando, caralho”.

Depois de muita conversa, ela acerta como e quando receberá a sua parte.

A investigação revelou que os subornos no período investigado — cerca de um mês — ficavam entre 300 reais a 50 mil reais, valor cobrado para não prender um traficante de armas.

Chama a atenção na denúncia a ausência de policiais de alta patente — o mais graduado é um subtenente.

Como os casos de associação com o tráfico eram antigos, pode haver duas explicações para essa ausência: os comandantes do batalhão eram absolutamente incompetentes no controle de seus subordinados. Ou eles sabiam dos crimes, mas não tomavam providências.

E se não tomavam providências, é porque eram covardes ou se beneficiavam — esta última hipótese é mais comum.

Seja qual for a explicação, o fato é que essa denúncia do Ministério Público mostra a falência da polícia no combate às drogas a partir da guerra ao tráfico.

Os diálogos interceptados com ordem judicial remetem à conversa entre policiais corruptos e à mafia, no tempo da lei seca nos Estados Unidos.

A proibição da venda de bebida alcoólica no território americano não conseguiu nada além de produzir uma organização policial corrupta e enriquecer os traficantes de bebidas.

No Brasil, o pacote anticrime de Sergio Moro seria uma boa oportunidade para tocar o dedo na ferida que une, de um ladro, o crime organizado e, de outro, policiais corruptos.

Poderia, por exemplo, criar mecanismos para permitir o afastamento mais rápido de policiais envolvidos em casos de corrupção.

Mas não é isso que está escrito no projeto. Basicamente, o pacote trata do endurecimento de penas e na dificuldade de progressão de regime, para retardar o retorno do preso à sociedade.

Vista por outro angulo, é uma proposta que deixará os presídios ainda mais lotados, o que é uma contradição no combate ao crime.

Presídios lotados não significam mais segurança à população.

Se fosse assim, o Brasil teria a paz social da Noruega, já que a população carcerária aumentou nove vezes nos últimos trinta anos — eram 90 mil presos, hoje são 800 mil, um quarto destes pela acusação de tráfico.

À sombra do comércio clandestino de drogas, se abrigam outros crimes, como homicídios, tráfico de armas, furtos e roubos, além da corrupção policial.

Se o Estado continuar utilizando a mesma estratégia no combate ao tráfico, não produzirá resultados muito diferentes.

E toda vez que aparecer no noticiário uma pilha de drogas apreendidas, saberá que muitas outras entraram no mercado e, por trás delas, havia um homem de farda.

Acompanhe Pragmatismo Político no InstagramTwitter e no Facebook

Recomendações

Comentários