Redação Pragmatismo
América Latina 23/Feb/2019 às 08:47 COMENTÁRIOS

Se filho de Bolsonaro quer guerra com a Venezuela, deveria ir para o front desde já

Depois de Jair Bolsonaro falar em uma iniciativa “exclusivamente humanitária” do Brasil na Venezuela, filho do presidente resolveu tocar os tambores da guerra e expor sua fé numa intervenção mais drástica contra o país governado por Nicolás Maduro

eduardo bolsonaro guerra contra Venezuela
Eduardo Bolsonaro (reprodução/twitter)

Kiko Nogueira, DCM

Eduardo Bolsonaro, o filho mais de Bolsonaro mais afeito a pegar numa pistola, resolveu expor no Twitter sua fé numa intervenção mais drástica na Venezuela.

Após seu pai falar em iniciativa “exclusivamente humanitária” do Brasil, ele resolveu tocar os tambores da guerra.

“Achar que o problema da Venezuela é só dos venezuelanos é não enxergar um palmo adiante”, escreveu na madrugada deste sábado.

“O sist. cubano é um parasita q suga outros países. N podemos permitir q a Venezuela se torne uma nova Cuba trazendo problemas para a região como a fome e a ação livre de grupos terroristas/narcos.”

E assim, com abreviaturas para fazer suas frases caberem, o recruta Zero 3 discorda publicamente do vice Mourão e da cúpula militar do governo, que vem insistindo na tecla de que um confronto armado é uma sandice.

Num vídeo com um sujeito com cara de vendedor de carro usado, supostamente líder de um grupo oposicionista na Venezuela, Eduardo crava que Maduro “só sai à base do tiro, da bala” (assista no fim).

É preciso ser um bobo alegre para achar que Eduardo não age em conluio intelectual (sic) com Jair. Esse filme passou com Carluxo na fritura de Bebianno.

O Exército brasileiro é sabidamente inferior ao venezuelano em termos de poderio bélico. Os americanos podem nos emprestar alguns brinquedos.

O resultado será uma Síria ou uma Líbia ao lado de casa. Eduardo se importa mais em repetir o que Steve Bannon e os amigos que acha que tem na na Casa Branca pensam.

Dessa vez será mais complicado que mandar um soldado e um cabo. Em caso de guerra, fica a sugestão: que os três patetas de Jair Bolsonaro sejam os primeiros na linha de frente.

SAIBA MAIS: Brasil embarca numa cruzada suicida contra a Venezuela

Podiam ir desde já, na verdade, tomar de assalto as tropas bolivarianas. Não tem como dar errado. É importante dar o exemplo aos brasileiros de bem, preocupados com o avanço do comunismo.

Não tenho a menor dúvida de que demonstrarão no campo de batalha a mesma coragem que exibem por trás de um teclado.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários