Redação Pragmatismo
História 24/Jan/2019 às 16:00 COMENTÁRIOS
História

100 anos do assassinato de Rosa Luxemburgo, a revolucionária pacifista

Publicado em 24 Jan, 2019 às 16h00

Rosa Luxemburgo: 100 anos do assassinato da revolucionária pacifista. Antimilitarista, defensora da democracia no seio da revolução, é considerada a dirigente marxista mais importante da história. Um século depois de sua morte, sua vasta produção continua viva

assassinato de Rosa Luxemburgo revolucionária pacifista mulher feminista
Rosa Luxemburgo (reprodução)

Joaquín Estefanía, ElPaís

No hotel Eden de Berlim, o soldado Runge destroça seu crânio e seu rosto a pontapés; outro militar, também a serviço do capitão Pabst, arremata com um tiro em sua nuca. Amarram seu corpo a sacos com pedras para que pese e não flutue, e jogam em um dos canais do rio Spree, perto da ponte Cornelius. Não aparecerá até duas semanas depois. O Governo do socialdemocrata Friedrich Ebert acabava assim com a vida de Rosa Luxemburgo, a mais importante dirigente marxista da história, ex-militante do Partido Socialdemocrata da Alemanha (SPD), a líder mais significativa da Liga Espartaquista e fundadora do Partido Comunista da Alemanha.

Minutos antes, os mesmos personagens tinham assassinato o principal companheiro de Luxemburgo em sua longa trajetória. Karl Liebknecht — único parlamentar que em primeira instância (1914) votou no Reichstag (Parlamento) contra os créditos de guerra para financiar a presença da Alemanha na Primeira Guerra Mundial — foi transferido para a prisão saindo do próprio hotel, mas antes de abandonar o local onde tinha sido interrogado lhe deram dois chutes que o deixaram aturdido e desmaiou; arrastado a um carro, é transportado ao Tiergarten, o grande parque de Berlim, onde é eliminado a sangue frio com tiros de pistola e abandonado no chão até ser encontrado. “Tentativa de fuga”, dirá a nota oficial; a de Luxemburgo trará: “Linchada pelas massas”.

Era a noite de 15 de janeiro de 1919. A próxima terça-feira marca o centenário da prisão e assassinato dos principais líderes da Liga Espartaquista e ícones históricos da revolução alemã de 1918-1919, que estoura logo depois que o Exército alemão foi derrotado e humilhado na Primeira Guerra. Rosa Luxemburgo tinha passado os quatro longos anos da guerra na prisão, depois que em um comício, em Frankfurt, pediu aos soldados, com sua oratória envolvente, que se negassem a combater, irmãos contra irmãos, e aos trabalhadores de seu país que iniciassem uma greve geral que deveria contagiar os trabalhadores de outros países do lado oposto, para que todos confluíssem sob a mesma bandeira para além das pátrias. Sai da cadeia no início de novembro de 1918 e se une à onda revolucionária que inunda as ruas das principais cidades e, sobretudo, de Berlim. Dois anos antes, em outro comício, em 1º de maio de 1916, em meio à conflagração, Liebknecht encerra sua fala ao grito de “Abaixo a guerra, abaixo o Governo!”. Também é preso e passa dois anos e meio na prisão. Sai em 23 de outubro de 1918.

A partir desse momento, restavam aos dirigentes espartaquistas apenas dois meses de vida, e dedicam suas forças a publicar um jornal (A Bandeira Vermelha) e a fundar o Partido Comunista da Alemanha (KPD). Tornam-se objeto do desprezo e do ódio de seus antigos colegas da socialdemocracia, que governavam na Alemanha havia algumas semanas. Ódio mortal. O historiador Sebastian Haffner (A revolução alemã 1918-1919, ed. Expressão Popular) escreve que o assassinato de Luxemburgo e de Liebknecht foi planejado, no mínimo, no início de dezembro de 1918 e executado de forma sistemática. Apareceram cartazes nos postes das ruas que diziam: “Operários, cidadãos! A pátria se aproxima do fim! Salvem-na! Está ameaçada e não de fora, mas de dentro, pela Liga Espartaquista. Matem seus líderes! Matem Liebknecht! Então vocês terão paz, trabalho e pão!”. Assinado: “Os soldados do front”. Apesar das ameaças generalizadas, nenhum dos dois deixou Berlim nem tinha guarda-costas; simplesmente trocavam de residência.

Quais foram os autores intelectuais do assassinato? O protagonista material foi o capitão Pabst (que décadas depois, em 1962, protegido pela prescrição do crime, falou abertamente sobre o caso) e seu esquadrão da morte, mas — segundo o historiador Haffner — não agiram como simples executores que obedeciam com indiferença uma ordem, mas como autores voluntários e convencidos do que faziam. A imprensa burguesa e socialdemocrata divulgou sem pudores várias incitações ao assassinato, enquanto os responsáveis socialdemocratas — Ebert, Noske, Scheidemann… — olhavam para o outro lado e permaneciam calados.

Quando Luxemburgo e Liebknecht saem da prisão, os fronts alemãs da guerra vão desmoronando e vem a desmoralização nas trincheiras. O kaiser Wilhelm II se refugia na Holanda. No mesmo dia em que Luxemburgo é libertada, o socialdemocrata Scheidemann proclama a república alemã de um balcão do Reichstag. Ebert ocupa a presidência, forma um Conselho de Ministros socialdemocratas moderados e pede ao povo que deixe as ruas e volte à normalidade. A ala majoritária do SPD queria a república e as liberdades, enquanto os espartaquistas visavam à revolução proletária, como indicam as proclamas: “Passou da hora das manifestações, das resoluções platônicas e das palavras de ordem. Para a Internacional chegou a hora da ação”. As duas facções, reformistas e revolucionários, lutarão encarniçadamente nas ruas de Berlim, às vezes edifício por edifício. O Governo de Ebert confia a repressão dos insurgentes ao socialdemocrata moderado Noske, que organiza uma força militar na qual permite a integração dos oficiais do antigo Exército monárquico. Em 13 de janeiro foi sufocada a insurreição espartaquista. Dois dias depois, acabam violentamente com a vida de seus principais líderes.

Luxemburgo não chegou a completar 50 anos. Nascida na Polônia russa em 1871 no seio de uma família judaica, logo se deu conta de que a luta por seu ideário marxista seria muito limitada se ficasse em seu país e que, para ter influência, devia cruzar a fronteira da Alemanha, onde havia o Partido Socialdemocrata (SPD) mais forte do mundo. Para ser cidadã alemã, casou-se por conveniência com um socialista alemão, o que lhe deu direito à nacionalidade do país. A partir daí, a Alemanha foi seu principal campo de ação. No seio da socialdemocracia e da Segunda Internacional, uniu teoria (dezenas de artigos e livros muito importantes) e práxis (intervenção em congressos, debates com muitos dos líderes do marxismo — seu amigo Franz Mehring a definiu como “a melhor cabeça depois de Marx” —, aulas na escola de formação do partido…). Não tinha talento para a organização, porém. Sua presença física era uma mistura de força e ternura, de decisão e prudência, dizem seus biógrafos. Um dirigente judeu a descreve assim: “Rosa era pequena, com uma cabeça grande e traços tipicamente judaicos, com um nariz grande, andar difícil, às vezes irregular devido a um ligeiro coxear. A primeira impressão era pouco favorável, mas bastava passar um momento com ela para verificar que vida e que energia havia nessa mulher, que grande inteligência possuía, qual era seu nível intelectual”.

De sua vasta produção teórica destacam-se os temas que fazem parte de seu legado e que constituíram o que, depois de morta, Rosa denominou “luxemburguismo”, uma escola marxista com características próprias: seu pacifismo, sua luta contra o revisionismo e a defesa da democracia no seio da revolução. Suas posições, às vezes intransigentes, a fizeram polemizar com as figuras mais relevantes do socialismo marxista, como Lênin, Trotksy, Bernstein, Kautsky…

Reivindicando-se do melhor marxismo (apesar de também ter polemizado com algumas ideias do Marx economista no livro A acumulação de capital), argumentou em favor do internacionalismo como forma de pensar e de viver. O Manifesto Comunista terminava com a célebre frase do “Trabalhadores do mundo, uni-vos”, e Rosa Luxemburgo e Liebknecht se apropriaram dela relacionando-a com a Primeira Guerra. Os partidos socialdemocratas tradicionalmente defendiam que em caso de conflito bélico entre potências capitalistas, os trabalhadores se negariam a combater e convocariam greve geral (a “greve de massas” na terminologia luxemburguista). Mas no momento decisivo, o SPD, o maior e mais influente partido da Segunda Internacional (mais de um milhão de afiliados) votou a favor dos empréstimos de guerra, e os demais partidos socialistas seguiram seus passos. Cada um deles se colocou atrás de seus Governos. Prevaleceu a pátria sobre a classe social.

Já no início do século XX, em um congresso da Internacional em Paris, Rosa Luxemburgo apresentou uma palestra de convicções profundamente antimilitaristas, o que manteria até o fim de seus dias. Nela defendia que os ataques armados entre potências imperialistas derivariam de formidáveis conjunturas revolucionárias. Dezessete anos depois, a revolução bolchevique foi um testemunho irrefutável dessa tese. Luxemburgo recomendava não só uma crítica aberta ao imperialismo como que se preparasse as massas a fim de aproveitar as crises internacionais e as eventuais crises nacionais geradas por elas para tomar o poder. Considerava imprescindível intensificar a ação de todos os partidos socialistas contra o militarismo.

Sete anos depois, em outro congresso da Internacional, Luxemburgo apresenta uma emenda assinada conjuntamente com Lênin e Martov (que logo seria o líder menchevique) que afirma que, se existe a ameaça de que a guerra estoure, é obrigação da classe trabalhadora e dos representantes parlamentares, com a ajuda da Internacional como poder coordenador, fazer todos os esforços para evitar os enfrentamentos violentos; caso apesar disso se multiplicasse o conflito armado, era sua obrigação intervir a fim de acabar com ele o mais rápido possível e aproveitar a crise criada pela guerra para agitar os estratos mais profundos do povo para “precipitar a queda da dominação capitalista”. Estas palavras representavam uma chamada à insurreição, que foi o que fizeram os espartaquistas em 1919, com a participação de Luxemburgo.

Rosa Luxemburgo, assassinada pelos soldados prussianos, muito provavelmente com a cumplicidade ativa ou passiva de seus antigos companheiros socialdemocratas, foi homenageada em seu enterro por sua amiga Clara Zetkin (outra espartaquista) com as seguintes palavras: “Em Rosa Luxemburgo, a ideia socialista foi uma paixão dominante e poderosa do coração e do cérebro; uma paixão verdadeiramente criativa que ardia incessantemente. (…) Rosa foi a espada afiada, a chama vivente da revolução”.

Lenin, Stalin e os Marxismos
J. E.

O núcleo de aliados políticos de Rosa Luxemburgo sempre foi muito pequeno. Bem ao contrário de seus adversários, entre os quais estavam muitos dos dirigentes da ala direita da socialdemocracia e os sindicalistas burocratizados, a quem atacou sem piedade. Mas ambos os núcleos foram alvos móveis: dependiam dos momentos e dos temas. Lênin, Trotksy, Kautksy, Jaurès, etc., foram alguns dos marxistas lendários que compartilharam e discordaram do ideário e da prática política da alemã. Um exemplo disso foi a relação com Lênin, o líder soviético; ambos se admiraram e pactuaram, mas também se criticaram.

Em 1918, apenas alguns meses depois do triunfo da revolução bolchevique, Luxemburgo publica um folheto intitulado A revolução russa que reivindica os acontecimentos de Leningrado e Moscou, mas que critica alguns aspectos que podem torcer seu futuro, sobretudo os relacionados ao terror revolucionário (que protagonizaria em boa parte um amigo polonês de Luxemburgo, que dirigia a Cheka e a sede da Lubianka, o sangrento Félix Dzerzhinksi) e a supressão da democracia.

No folheto citado, Luxemburgo escreve que só a liberdade dos que apoiam o Governo, só a liberdade para os membros de um partido, “não é liberdade em absoluto. A liberdade é sempre liberdade para quem pensa de maneira diferente”. Acreditava que o socialismo só pode ser resultado do desenvolvimento da sociedade que o constrói, e para isso se exige a mais ampla liberdade entre o povo (o que não quer dizer que não seja necessário o controle político). Se a vida política é sufocada, a paralisia acabará afetando a vida dos sovietes; sem eleições gerais, sem liberdade de imprensa e de reunião, sem a livre confrontação das opiniões, a vida de qualquer instituição política perecerá, se tornará uma vida aparente na qual a burocracia será o único elemento vivo.

Em seu livro sobre a Revolução Russa, a revolucionária Rosa Luxemburgo acerta premonitoriamente o que aconteceria na União Soviética, sobretudo a partir do momento em que se inicia o futuro stalinista. Algumas dezenas de dirigentes do Partido, animados por uma energia inesgotável e por um idealismo sem limites, dirigirão e governarão; o poder real ficará nas mãos de poucos deles, dotados de uma inteligência singular. A aristocracia operária será convidada de vez em quando a assistir reuniões para aplaudir os discursos dos dirigentes e votar por unanimidade as resoluções propostas; no fundo será um governo de camarilhas, uma ditadura na verdade, não a ditadura do proletariado, mas uma ditadura de um grupo de políticos. Em muitos casos a realidade superou os prognósticos luxemburguistas.

Apesar desse severo questionamento, reivindica o papel histórico do partido de Lênin, sempre em contraposição com seus colegas alemães: “Por isso os bolcheviques representaram toda a honra e a capacidade revolucionária de que carecia a socialdemocracia ocidental. Sua insurreição de outubro não só salvou a revolução russa; também salvou a honra do socialismo internacional”.

Com essa ideia da democracia se explica que Stálin nunca elevasse Rosa Luxemburgo ao altar da iconografia máxima do socialismo. Foi uma heterodoxa até o fim de sua vida.

Acompanhe Pragmatismo Político no InstagramTwitter e no Facebook

Recomendações

Comentários