Redação Pragmatismo
Eleições 2018 01/Nov/2018 às 16:03 COMENTÁRIOS

Petição contra fusão de ministérios já reúne quase 1 milhão de assinaturas

Petição contra a fusão do ministério do meio ambiente com o ministério da agricultura, anunciada pelo governo Bolsonaro, já reúne quase 1 milhão de assinaturas

Petição contra fusão de ministérios assinaturas bolsonaro meio ambiente

Um abaixo-assinado no site Petição Pública já reúne mais de meio milhão de apoiadores contra a fusão do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), anunciada ontem pela equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro.

A proposta de unir as pastas foi sinalizada pela primeira vez durante a campanha eleitoral de Bolsonaro, a poucos dias do pleito do segundo turno. Devido às críticas de grupos de proteção ambiental e de setores do agronegócio, o capitão reformado do Exército disse que poderia rever a estratégia de fusão, o que não ocorreu.

O abaixo-assinado público critica a investida do novo governo e defende a participação da sociedade civil nessa decisão. O texto elenca nove razões para dizer “não à fusão”, entre elas a importância estratégica do MMA para a preservação e o desenvolvimento do país, e a magnitude do patrimônio natural do Brasil que precisa de proteção.

A petição refuta a ideia de que a pasta ambiental onere os cofres públicos (os custos da máquina pública são um dos principais argumentos do novo governo para reduzir o número de ministérios) e afirma que o “deficit da previdência não pode ser motivo para a degradação ambiental do país”.

Lembre-se que o orçamento do Ministério do Meio Ambiente (MMA) com as despesas para a implantação de políticas públicas em 2017 foi de R$ 1.043,4 bilhão, ao comparar com o déficit da previdência de 2019 de R$ 218 bilhões. Portanto, não seria justo esse ministério ser reduzido para o controle das contas públicas”, diz o texto.

Embora não tenha valor jurídico, o abaixo-assinado visa pressionar a opinião pública e as autoridades políticas cotra a mudança proposta.

Onda de críticas

Em nota publicada em seu site, o MMA defende a manutenção das duas instâncias separadas, afirmando que o novo ministério que surgiria com a fusão “teria dificuldades operacionais que poderiam resultar em danos para as duas agendas. A economia nacional sofreria, especialmente o agronegócio, diante de uma possível retaliação comercial por parte dos países importadores”.

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, também se declarou contrário à proposta, segundo informou a assessoria de imprensa do Mapa.

O anúncio atraiu críticas de entidades de proteção ambiental e do agronegócio, duas forças que normalmente aparecem em lados opostos. Entidades falam em “retrocesso” e “desmantelamento” de políticas de preservação e proteção ambiental ao submeter órgão regulador ao setor regulado.

Leia também:
Como a fusão de 2 ministérios pode arruinar o Brasil
Ambientalistas estão em pânico com ascensão de Bolsonaro
Conquistas ambientais correm risco com eleição de Bolsonaro
Cotado para ministro de Bolsonaro quer mais desmate na Amazônia

Vanessa Barbosa, Exame

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários