Redação Pragmatismo
Eleições 2018 01/Nov/2018 às 16:21 COMENTÁRIOS

Como a fusão de 2 ministérios pode arruinar o Brasil

"A natureza não tem voz, precisa de advogados". Cogitadas por Bolsonaro, fusão de ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, falta de controle sobre desmatamento e saída do Acordo de Paris podem ser desastre para o Brasil

fusão de 2 ministérios arruinar Brasil meio ambiente agricultura bolsonaro

Durante a campanha eleitoral, o presidente eleito Jair Bolsonaro fez declarações relacionadas ao meio ambiente que preocuparam especialistas. O militar da reserva defendeu, por exemplo, a saída do Brasil do Acordo de Paris sobre o clima, que visa limitar o aumento da temperatura global em até 2ºC.

Outro ponto que preocupa é a provável fusão dos Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, pasta que poderia ter um ministro próximo da bancada ruralista.

O termo “meio ambiente” apareceu apenas uma vez no programa de governo do presidente eleito, justamente para se referir à essa eventual fusão.

A natureza não tem voz, precisa de advogados. Sem ministério próprio, essa fusão prediz um desastre para a natureza. É muito míope“, afirma em entrevista à DW Manfred Nitsch, professor da Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Livre de Berlim e especialista em economia, desenvolvimento e meio ambiente.

O plano de governo de Bolsonaro também não citou o desmatamento ou a Amazônia, além de defender um afrouxamento para licenciamentos ambientais.

Deixar a proteção desse precioso patrimônio nas mãos dos donos da riqueza, da terra e com empresas em busca de lucro poderia acabar com a Floresta Amazônica“, comenta Nitsch.

O acadêmico alemão integrou o Programa Piloto do G7 e do Brasil para a Conservação das Florestas Tropicais do País, uma tentativa de encorajar o desenvolvimento sustentável no Brasil. Financiada pela comunidade internacional, a iniciativa durou quase 20 anos e foi encerrada em 2009, tendo produzido estudos que ajudaram a construir políticas públicas ambientais no país.

DW Brasil: Quais são as suas preocupações em relação ao governo de Jair Bolsonaro e à futura gestão do presidente quanto à Floresta Amazônica?

Manfred Nitsch: A primeira preocupação é o desprezo que Bolsonaro mostra pelos valores universais dos direitos humanos e da democracia. Seu elogio à ditadura militar e à tortura – e à tortura de Dilma Rousseff em particular – já lhe desacreditou enormemente no mundo.

Sobre a Floresta Amazônica, temo que haja um desmatamento sem ou com pouco controle. Isso vai mudar o clima global, porque a Floresta Amazônica é essencial para a circulação de ar, água e calor em todo hemisfério americano e além. Já se notam os resultados do desmatamento nas últimas décadas, com secas e inundações.

Seria um desastre não apenas para a Amazônia, mas para todo Brasil com suas estruturas naturais de água em nuvens, rios e aquíferos. Facilitar o avanço da fronteira agrícola e da mineração na Amazônia vai mudar o clima do Brasil e do mundo para pior. Assim dizem todos os estudos sérios pertinentes.

Ainda tenho esperança de que a comunidade internacional e a sociedade civil nacional com missão ecológica, se unidas, possam inibir o pior no Brasil.

Qual seria o impacto global de uma eventual saída do Brasil do Acordo de Paris?

Seria outra medida nociva para o país e para o mundo. A saída, ou quase, dos Estados Unidos do Acordo de Paris isolou Donald Trump no G20. Com o Brasil seguindo o mesmo exemplo, a comunidade internacional dos protagonistas perderia um aliado importante, que desde os tempos de José Lutzenberger [secretário nacional do Meio Ambiente no governo de Fernando Collor] havia sido um pioneiro.

Como o senhor enxerga uma eventual fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente na gestão de Bolsonaro?

A natureza não tem voz, precisa de advogados. Sem ministério próprio, essa fusão prediz um desastre para a natureza. É muito míope. A Constituição de 1988 declara a Floresta Amazônica como Patrimônio Nacional. Deixar a proteção deste precioso bem nas mãos dos donos da riqueza, da terra e com empresas em busca de lucro poderia acabar com este valioso tesouro nacional. Deixar invadir essa área é inconstitucional, mas provavelmente vai haver impunidade. E internacionalmente, não se pode fazer quase nada, porque os interessados sempre gritam “internacionalização da Amazônia” e “integrar para não entregar“.

Como o senhor analisa as ameaças feitas por Bolsonaro de interromper demarcações de terras indígenas?

Demarcação e consolidação jurídica precisam de várias etapas. Por isso, pode ser que muitas demarcações ainda preliminares ou em processo sejam ameaçadas. Um certo colonialismo interno sempre se manteve vivo no Brasil. O anúncio de Bolsonaro [sobre as terras indígenas] é um retrocesso à época colonial e do império. Mas pelo menos seria uma promessa de manter as áreas já demarcadas, que são bastante grandes. Com o slogan “Muita terra para pouco índio“, sempre existiram pressões para invadir esses áreas indígenas já demarcadas.

Outra promessa de Bolsonaro é privatizar até 50 empresas estatais em seu primeiro ano de gestão. Isso é possível?

Não é difícil vender essas empresas se houver vontade. Há inclusive a possibilidade de se privatizar dezenas de prisões, o que não será saudável para os detentos. Porém, entre os militares sempre houve uma facção nacionalista, que defende a empresa pública. Pode ser que o ajuste seja como no Chile de Augusto Pinochet: algumas empresas públicas com participação de militares e privatização e venda de outras, seja para oligarcas nacionais ou investidores nacionais e internacionais.

Quais outros desafios econômicos o senhor destacaria?

Acabar com o “Custo Brasil“, ou seja, os gargalos na infraestrutura, na burocracia e na educação pública. É preciso também reduzir o custo do crédito produtivo sem incentivar o endividamento de consumidores, reformar a legislação trabalhista após as novas regras controversas do governo Temer, combater a inflação e superar o ceticismo dos investidores estrangeiros sobre a retórica autoritária e inflamatória do novo presidente.

Na era Lula, o Brasil foi um ator importante na política internacional. Com Bolsonaro, será difícil restabelecer múltiplas boas relações, tanto econômicas quanto político-diplomáticas. Com ele, creio que o Brasil não entrará para a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Leia também:
Ambientalistas estão em pânico com ascensão de Bolsonaro
Conquistas ambientais correm risco com eleição de Bolsonaro
Cotado para ministro de Bolsonaro quer mais desmate na Amazônia

Deutsche Welle

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários