Redação Pragmatismo
Lula 26/Nov/2018 às 16:51 COMENTÁRIOS

A fragilidade da nova denúncia contra Lula

A nova denúncia apresentada pelo MPF contra Lula é mais um capítulo vergonhoso de perseguição movida por um poder de estado contra um cidadão despido de todos seus direitos. Trata-se daquelas denúncias que não se sustentam nem sob a ótica da verossimilhança

fragilidade da nova denúncia contra Lula Guiné África
Luiz Inácio Lula da Silva (reprodução)

Luis Nassif, Jornal GGN

A nova denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal contra Lula, em São Paulo, é mais um capítulo vergonhoso de perseguição movida por um poder de estado contra um cidadão despido de todos seus direitos. Não um cidadão qualquer, mas uma das personalidades políticas mais respeitadas fora deste país liliputiano.

Trata-se daquelas denúncias que não se sustentam nem sob a ótica da verossimilhança.

Segundo reportagem do Estadão, em 2011 e 2012 – portanto, sem ter nenhum cargo público – Lula teria intercedido por uma empresa brasileira junto ao presidente da Guiné Equatorial.

Qual a acusação a Lula?

O de ter influenciado o presidente de outro país no exercício de sua função! Não era Lula no exercício da sua função, mas o presidente da Guiné Equatorial. Lula o influenciou como? Não foi com propina, caixa 2, mas com seu prestígio pessoal, na condição de ex-presidente da República, não de um Presidente no gozo de seu mandato.

Em 2016 – ou seja, 4 anos depois! – houve uma doação de R$ 1 milhão da empresa ao Instituto Lula. A única “prova” que une tudo é um e-mail de Miguel Jorge ao Instituto, em 2011, dizendo da intenção da empresa em contribuir com o Instituto.

No final do processo, qualquer juiz isento desqualificará a denúncia. Como a desqualificaria qualquer procurador que colocasse a busca da justiça acima do jogo político.

Mas o objetivo político mais uma vez estará alcançado.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários