Wallison Ulisses Silva dos Santos
Desigualdade Social 12/Nov/2018 às 15:51 COMENTÁRIOS
Desigualdade Social

A crise econômica não acabará para os mais pobres

Wallison Ulisses Silva dos Santos Wallison Ulisses Silva dos Santos
Publicado em 12 Nov, 2018 às 15h51

O Brasil voltou a praticar uma política econômica que baseia o crescimento econômico na diminuição de custos através da redução dos gastos das empresas com os trabalhadores

crise econômica não acabará para os mais pobres governo bolsonaro

Wallison Ulisses Silva dos Santos*, Pragmatismo Político

Seja na sala de aula, seja na mesa de bar ou no ônibus a caminho do trabalho todos querem a resposta para a seguinte pergunta: Quando acabará essa crise econômica do Brasil?

Baseados nas políticas econômicas do governo brasileiro podemos concluir que a resposta será extremamente positiva para alguns e muito ruim para outros.

O Brasil voltou a praticar uma política econômica que baseia o crescimento econômico na diminuição de custos através da redução dos gastos das empresas com os trabalhadores. Em outras palavras com a terceirização e a reforma trabalhista o trabalhador ganhará menos e isso resultará em redução dos custos das empresas.

Alguém atento a cenários econômicos poderia pensar: Mas isso não afeta o mercado interno? A resposta é sim. De fato esses mesmos trabalhadores que recebem menos são os consumidores que por esse mesmo motivo compram menos. Todavia devemos lembrar que esse modelo que está sendo implantado no Brasil é um modelo de crescimento exógeno e por isso não existe essa preocupação com o mercado interno.

As empresas terão custos reduzidos e suas vendas internas reduzidas, porém poderão vender seus produtos no mercado internacional a um preço menor. Essa estratégia é usada atualmente na China e em muitos países da América Latina, Ásia e África.

Um país que queira crescer com base no mercado interno deve preocupar-se em desconcentrar renda e aumentar a disponibilidade de crédito, mas se a escolha for pelo mercado externo, basta reduzir os custos das empresas e nesse caso o trabalhador será o que pagará o pato.

Some a isso as reduções nos gastos com políticas sociais, a reforma da previdência, o congelamento dos gastos com saúde e educação e a reforma do ensino médio que ficará fácil perceber que o Brasil voltou a crescer para os ricos a base do suor dos mais pobres.

*Wallison Ulisses Silva dos Santos é graduado em Economia pela UFMT e em Administração pela UNIP, mestre em Economia pela UFMT, coordenador e Professor da Faculdade INVEST Cuiabá e colabora para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários