Redação Pragmatismo
Eleições 2018 01/Nov/2018 às 15:47 COMENTÁRIOS

Ministério Público pede a condenação de deputada aliada de Bolsonaro

Ministério Público pede que deputada de Bolsonaro pague R$ 70 mil por estimular denúncias contra professores. Ana Caroline Campagnolo (PSL), que é professora, alegava "lutar contra a ideologia nas escolas", mas dava aula vestindo camisetas de Bolsonaro

Ministério Público condenação Ana Caroline Campagnolo deputada aliada de Bolsonaro
Ana Caroline Campagnolo Bellei (Montagem: Pragmatismo Político)

Depois de manifestação do Ministério Público Federal, o Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC) apresentou, nesta terça-feira, 30, uma ação judicial, em caráter liminar, para que a deputada estadual eleita por Santa Catarina, Ana Caroline Campagnolo (PSL), seja condenada a pagar cerca de R$ 70 mil de indenização por danos morais coletivos que seriam destinados ao Fundo para Infância e Adolescência (FIA). No pedido, o promotor Davi do Espírito Santo, titular da 25ª Promotoria de Justiça de Florianópolis, considera que Campagnolo criou um “serviço ilegal de controle político-ideológico da atividade docente”.

De acordo com o MP-SC, a Ação Civil Pública busca “garantir o direito dos estudantes de escolas públicas e particulares do Estado e dos municípios à educação segundo os princípios constitucionais da liberdade de aprender e de ensinar e do pluralismo de ideias”.

O promotor também pede que o Juizado da Vara da Infância e Juventude da capital catarinense obrigue, de modo urgente, que a deputada eleita se abstenha de manter “qualquer modalidade de serviço formal ou informal de controle ideológico das atividades dos professores e alunos das escolas públicas e privadas”, exclua a publicação divulgada em redes sociais para promover a ação e também tenha o número de telefone celular bloqueado, no prazo de até 24 horas, para ficar impedida de originar telefonemas ou enviar mensagens. O promotor sugere a fixação de multa em caso de descumprimento das medidas.

Ele requereu ainda que Campagnolo seja condenada a pagar indenização por danos morais coletivos ao Estado, cujo valor teria como base o número de seus seguidores no Facebook (71.515 pessoas no momento em que a ação foi protocolada), em virtude do potencial de compartilhamento da publicação.

Logo após a vitória do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), no domingo, Campagnolo divulgou uma imagem em uma página de rede social para pedir que vídeos e informações com manifestações “político-partidárias ou ideológica” de professores fossem repassados por estudantes para o seu número de celular com o nome do docente, da escola e da cidade.

Ministério Público condenação Ana Caroline Campagnolo deputada aliada de Bolsonaro

Garantimos o anonimato dos denunciantes”, diz trecho do texto. Para não confrontar a lei estadual que proíbe telefones celulares em sala, a deputada orienta que os alunos usem “gravadores ou câmaras para registrar os fatos”.

Para o promotor responsável pelo caso, o canal buscou “impor um regime de medo nas salas de aula”, o que não é permitido pela Constituição. Ele defende ainda que “o direito à crítica pode e deve ser exercido na escola, sem cerceamentos de opiniões políticas ou filosóficas”.

(…)

Leia também:
Prefácio à (Anti)História da doutrinação ideológica nas escolas brasileiras
O lobby do Escola Sem Partido e a inviabilização da noção de ensino público
Escola é acusada de apologia à “ideologia de gênero” após erro de impressão
“Procura-se professor de Sociologia que não seja orientado pela ideologia comunista”
“Escola sem partido” – Os segredos por trás da nomenclatura

Agência Estado

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários