Redação Pragmatismo
Eleições 2018 19/Oct/2018 às 16:12 COMENTÁRIOS

Diretor da TV Record escancara campanha da emissora pró-Bolsonaro

Em campanha por Bolsonaro, TV Record prepara “operação Venezuela” e diretor da emissora divulga “#elesim”. Bispo Edir Macedo já declarou apoio ao candidato de extrema-direita

Márcio Santos Diretor da TV Record campanha pró-Bolsonaro edir macedo eleições

Vinícius Segalla, DCM

Depois de Edir Macedo declarar apoio ao candidato Jair Bolsonaro em 30 de setembro, a Record TV e o portal R7 transformaram sua cobertura jornalística em linha auxiliar da campanha do deputado do PSL.

Primeiro, foram duas entrevistas chapa-branca (sem questionamentos) com Bolsonaro – a mais extensa delas durante o debate de presidenciáveis da TV Globo, a que o candidato do PSL faltou. Depois, no domingo (14), uma reportagem de 12 minutos e 54 segundos tentando associar o ex-presidente Lula ao filho do presidente da Guiné Equatorial. Agora, a emissora prepara, sob clima de segredo, reportagens sobre a Venezuela.

A suspeita dos próprios jornalistas da emissora é que seja uma tentativa de ligar a crise do regime de Maduro à candidatura Haddad. Para a pauta, foram destacadas duas equipes do Jornal da Record. Uma se deslocou para Roraima e a outra, para a Colômbia. A operação é cercada de segredo.

É uma ação incomum. Duas equipes e ninguém sabe o que estão fazendo por lá”, contou um jornalista, que preferiu não se identificar por medo de represálias. Segundo o profissional, o clima na redação é “péssimo”.

O apoio do Edir [Macedo] ao Bolsonaro pegou todo mundo de surpresa. De lá para cá, ficou claro que a cobertura mudou. A equipe está desmoralizada”.

Saiba mais:
Bolsonaro pretende descarregar dinheiro público na Record caso seja eleito
Na Record, Bolsonaro se vende como o “pacificador que irá unir o Brasil”
Adversários não souberam explorar ausência de Bolsonaro no debate da Globo
TV Record aparece em áudio envolvendo Temer e Aécio
Quem é Edir Macedo e o que significa o Templo de Salomão?

Outros jornalistas ouvidos pelo DCM confirmaram a pressão na cobertura e o temor de represálias caso as ordens da chefia não sejam cumpridas. No núcleo de direção do Grupo Record, há demonstrações explícitas de apoio a Bolsonaro.

Márcio Santos, diretor de Recursos Humanos, utilizou em seu perfil de Facebook três temas de perfil favoráveis ao candidato do PSL: “PT não”, “ele, sim – melhor Jair se acostumando” e “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. “Não fazem questão de esconder. Com esse tipo de manifestação, quem não se sentiria ameaçado?”, pergunta um profissional.

Márcio Santos Diretor da TV Record campanha pró-Bolsonaro edir macedo eleições
Márcio Santos Diretor da TV Record campanha pró-Bolsonaro edir macedo eleições

Leia também:
Fotógrafo do Estadão registra a imagem do ano
Religiosos lançam alerta contra a ameaça da barbárie
Evangélicos são perseguidos por não apoiarem Bolsonaro
Pastor que chutou imagem de Nossa Senhora pede voto para Bolsonaro
O ataque a Bolsonaro e a laicidade estatal
As eleições e a pós-verdade

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários