Redação Pragmatismo
Eleições 2018 10/Oct/2018 às 16:00 COMENTÁRIOS

Jair Bolsonaro é autor do projeto que liberou falsa pílula do câncer

Bolsonaro é autor da lei que liberou falsa pílula do câncer. A pílula, indevidamente usada como remédio para câncer, foi proibida pelo STF. Em quase três décadas de atividade parlamentar, o candidato do PSL aprovou apenas dois projetos de lei

Jair Bolsonaro é autor do projeto falsa pílula do câncer

Leonardo Fernandes e Juca Guimarães, Brasil de Fato

Jair Bolsonaro, candidato à presidência pelo PSL, protagonizou um dos episódios mais alarmantes da medicina brasileira e que levou dezenas de pacientes à morte, ao se aliar ao movimento de aprovação da fosfoetanolamina sintética, a chamada pílula do câncer, que comprovadamente não faz efeito e nem pode ser chamado de medicamento, pois não passou por todas as etapas do processo de testes das agências reguladoras.

A liberação da substância fraudulenta foi objeto de um dos dois projetos de lei de autoria de Bolsonaro que foram aprovados em 27 anos na Câmara. O PL 4639/2016 foi aprovado pela Casa e a liberação do medicamento foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Depois de proibida no Brasil, a fosfoetanolamina seguia sendo vendida como um suplemento alimentar pela empresa Quality Medical Line, sediada nos Estados Unidos, e que tinha como um dos principais acionistas o empresário Humberto Silva De Lucca, que esteve preso por duas ocasiões, depois de condenado pelos crimes de porte ilegal de arma, receptação e uso de documento, praticados em 2002, em Balneário Camboriú (SC).

Muita gente certamente morreu porque acreditou nessa mentira da fosfoetanolamina. Esse é um caso que eu considero como uma das maiores vergonhas da ciência brasileira. Virou um caso de polícia. As pessoas que tem familiares com câncer acreditam porque estão desesperadas“, disse o professor da Unicamp.

Luiz Carlos Dias, professor titular do Instituto de Química da Unicamp, acompanhou de perto toda a história do uso fraudulento da substância como tratamento para o câncer. Segundo ele, o mais grave da situação é que os pesquisadores que, ao lado de Bolsonaro, apoiavam o tratamento, recomendavam a suspensão de outros métodos, estes sim eficientes, como a quimioterapia e a radioterapia.

A pressão popular e principalmente dessa avidez por votos dos nossos políticos levou esses estudos a serem feitos diretamente em seres humanos, não respeitando todas as etapas de testes. Questões éticas muito sérias foram burladas aí. Porque os políticos estavam interessados, obviamente, em votos“, disse o professor.

O outro projeto de lei de autoria de Bolsonaro que foi aprovado é o que estendia o benefício de isenção do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para bens de informática (PL 2514/1996).

Questionado sobre o fato de ter aprovado apenas dois projetos de lei durante quase três décadas de atividade parlamentar em uma entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, em 2017, o presidenciável Jair Bolsonaro respondeu:

A Dilma [Rousseff] apresentou algum projeto na vida dela? O [João] Doria apresentou algum projeto? Não tem nada a ver uma coisa com a outra”.

Um sete um

Foram 171 projetos de lei, lei complementar, decreto de legislativo ou propostas de emenda à Constituição (PECs) durante a vida pública de Bolsonaro, entre os quais propostas direcionadas a atender aos interesses dos militares. No ano 2000, por exemplo, o deputado apresentou um projeto de lei (PL 3662/2000) que visava anistiar as multas aplicadas aos militares por irregularidades na ocupação de imóveis funcionais.

Em sua cruzada contra as chamadas minorias políticas, Bolsonaro também foi o autor de propostas polêmicas, como o Projeto de Decreto Legislativo 18/2015 que visava suspender os efeitos de resoluções da Secretaria de Direitos Humanos que garantem o uso de nome social para travestis e transexuais nos boletins de ocorrência da polícia militar e em instituições de ensino.

Outra proposta polêmica e sem sucesso foi o Projeto de Decreto Legislativo 365, apresentado em 1993 pelo deputado que visava anular o decreto de homologação da demarcação administrativa da terra indígena Yanomani, nos estados Roraima e Amazonas.

Pela primeira vez desde 1999, quando foi criado, o Ministério da Defesa passou a ser chefiado por um militar, após o golpe de estado em 2016, que levou Michel Temer (MDB) ao poder. Mas antes mesmo de consumado o golpe, em março de 2016, o deputado Jair Bolsonaro apresentou uma proposta de emenda à Constituição (PEC 191/2016) para determinar que o Ministro da Defesa fosse escolhido por oficiais generais das Forças Armadas.

Saiba mais:
Jair Bolsonaro é bancado pelo que há de pior na sociedade
Bolsonaro é o único candidato que não propõe mais recursos para a saúde pública
Bolsonaro gasta mais de meio milhão em passagens pagas com dinheiro público
Deputado acusado de tortura banca evento de Bolsonaro no Pará
Seguidores de Bolsonaro se revoltam com voto do deputado na PEC 241

O analista político Fernando Amaral avalia que Bolsonaro, por mais que tente passar uma imagem de nova opção política, sem ligação com partidos tradicionais, é um político que se encaixa no perfil mais básico de parlamentar das últimas décadas, que faz de tudo para ficar à sombra do poder.

O deputado Jair Bolsonaro sempre foi do baixo clero, como Severino Cavalcante e outras figuras folclóricas, que se caracterizam por este paroquialismo. Falar que ele é antissistema é ignorar um dos grandes problemas do país, que é este palacianismo e o que ele representa. O PSL, do Bolsonaro, é o partido mais fiel do governo Temer“, disse.

Leia também:
Opiáceos: matam milhares, mas rendem bilhões
Uma viagem ao submundo da Indústria Farmacêutica
Até onde vai a desumanidade de um empresário da indústria farmacêutica?
Como a indústria farmacêutica prejudica a sua vida
A covardia da indústria farmacêutica diante do Ebola
As mentiras e o dinheiro da indústria farmacêutica

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários