Redação Pragmatismo
Saúde 27/Aug/2018 às 16:08 COMENTÁRIOS

Pessoas que se sentem mais jovens do que são podem viver mais

Cientistas afirmam que a 'idade psicológica' explica porque algumas pessoas parecem ficar mais jovens com o passar do tempo. Pesquisas indicam que pessoas com uma 'idade subjetiva' menor têm menos chance de desenvolver doenças e têm risco de mortalidade menor

Pessoas sentem mais jovens viver mais

Imagine por um momento que você não tenha uma certidão de nascimento e que sua idade pudesse ser determinada apenas pela maneira como você se sente por dentro. Quantos anos você diria que tem?

Assim como sua altura ou tamanho de sapato, o número de anos que se passaram desde que você chegou ao mundo é um fato que não pode ser mudado. Mas as experiências diárias sugerem que nós frequentemente não vivemos a idade da mesma forma, e muitas pessoas se sentindo mais velhas ou mais jovens do que realmente são.

Cientistas estão cada vez mais interessados nesse tema. Eles estão descobrindo que nossa “idade subjetiva” pode ser essencial para entender por que algumas pessoas parecem ficar mais jovens com a idade e outras esmorecem com o passar do tempo.

Sentir-se mais jovem pode influenciar decisões importantes tanto para o presente quanto para o futuro“, diz Brian Nosek, professor de Psicologia da Universidade de Virgínia.

Há estudos que mostram que nossa “idade subjetiva” pode ser um indicador antecedente importante para questões relacionadas à saúde, incluindo as estimativas de risco de morte. De certa forma, dizem os especialistas, você realmente “é tão velho quanto sente que é“.

Motivados por esses resultados, muitos pesquisadores estão tentando determinar os fatores biológicos, psicológicos e sociais que moldam a experiência do envelhecimento – e como esse conhecimento pode nos ajudar a ter vidas mais longas e saudáveis.

Esses esforços estão em marcha há décadas. Alguns dos primeiros estudos sobre a diferença entre “idade psicológica” e a cronológica apareceram nos anos 1970 e 1980.

O ritmo se intensificou nos últimos dez anos, quando um grande volume de novos estudos investigou os potenciais efeitos psicológicos e físicos dessa discrepância.

Uma das correntes mais intrigantes dessa pesquisa tem explorado a forma como a “idade subjetiva” influencia nossa personalidade. O atual senso comum diz que as pessoas tendem a amadurecer conforme envelhecem, se tornando menos extrovertidas e abertas a experiências novas.

Essas mudanças, contudo, seriam menos acentuadas em pessoas “jovens de espírito” e mais nítidas em pessoas com “idade subjetiva” mais avançada que a biológica, de acordo com os cientistas.

O interessante é que pessoas com “idade subjetiva” menor, por outro lado, também seriam mais cuidadosas e menos neuróticas com o passar do tempo – transformações positivas que costumam vir naturalmente com o envelhecimento biológico.

Assim, ter uma “idade subjetiva” menor não seria necessariamente sinônimo de uma permanente imaturidade.

Se sentir mais jovem que a idade real teria ainda impacto positivo sobre a saúde mental e reduziria o risco de depressão e de doenças como a demência.

Yannick Stephan, da Universidade de Montpellier, na França, examinou dados de três estudos longitudinais – conduzidos no decorrer de vários anos, para avaliar o impacto do tempo sobre os resultados – que, juntos, avaliaram mais de 17 mil pessoas de meia idade e idosos.

Neles, a maioria dos entrevistados se sentia em média oito anos mais jovem do que sua idade cronológica.

Alguns, contudo, sentiam-se mais velhos – e as consequências, nesses casos, eram sérias. Uma “idade subjetiva” entre 8 e 13 anos maior que a idade biológica elevava o risco de morte entre 18% e 25% durante os períodos do estudo, mesmo quando controlados outros fatores demográficos como educação, raça e estado civil.

Para Stephan, o peso da “idade subjetiva” sobre nossa saúde pode ser um resultado direto das mudanças que ela provoca no nossa personalidade. Alguém mais jovem “de espírito” estaria aberto a um leque mais amplo de atividades – viajar, aprender um hobby novo, por exemplo -, mesmo com a passagem do tempo. “Estudos apontaram, por exemplo, que a ‘idade subjetiva’ prediz padrões de atividade física“, acrescenta o pesquisador.

Ele ressalta que o mecanismo que liga bem-estar físico e mental à “idade psicológica” atua em ambas as direções. Se você se sente deprimido e fisicamente vulnerável, é provável que se sinta mais velho. O resultado disso pode ser um ciclo vicioso, em que fatores psicológicos e físicos contribuem para uma “idade subjetiva” mais avançada e uma saúde pior, o que faz com que nos sintamos ainda mais velhos e mais vulneráveis.

A análise de Stephan, que foi publicada no Journal of Psychosomatic Medicine – publicação da American Psychosomatic Society -, é o maior estudo dedicado ao efeito da “idade subjetiva” sobre as taxas de mortalidade até hoje. “Essas associações são comparáveis ou mais fortes que a contribuição da idade cronológica (para as questões relacionadas à saúde)“, diz ele.

Em outras palavras, a “idade subjetiva” pode ser um indicativo melhor sobre a situação da nossa saúde do que a data impressa na certidão de nascimento.

Com isso em mente, muitos cientistas estão tentando identificar os fatores sociais e psicológicos que determinam esse complexo processo. Quando passamos a sentir que nossos corpos e nossas mentes estão operando em escalas diferentes? E por que isso acontece?

Juntamente com a professora Nicole Lindner, Nosek, da Universidade da Virgínia, investigou as formas como a discrepância entre as idades subjetiva e cronológica evoluem durante a vida.

Eles constataram, por exemplo, que a maioria das crianças e adolescentes se sente mais novos do que realmente são, algo que só aumenta com o tempo. Conforme Nosek e Lindner escrevem no estudo, “é como se o envelhecimento subjetivo acontecesse em Marte, e um ano na Terra valesse 5,3 anos marcianos“.

Alguns psicólogos acreditam que uma “idade subjetiva” menor seria uma forma de autodefesa, nos protegendo do efeito de estereótipos negativos de idade – como apontou um estudo feito por Anna Kornadt, da Universidade de Bielefeld, na Alemanha.

Em sua pesquisa, ela perguntou aos participantes se eles se sentiam mais velhos ou mais jovens do que realmente são em diferentes áreas da vida – no trabalho, na vida pessoal, por exemplo.

E percebeu que as “idades subjetivas” das pessoas eram mais baixas quando os estereótipos negativos de idade eram mais prevalentes – como trabalho, saúde e finanças -, reforçando a ideia de que esse pensamento ajudaria as pessoas a se distanciarem das conotações negativas do seu grupo etário.

Acreditar que “eu posso ter 65, mas me sinto com 50” pode significar que você está menos preocupado com sua performance no trabalho, por exemplo. Kornadt também descobriu que pessoas com uma “idade psicológica” menor tendem a imaginar seu futuro eu de uma forma mais positiva.

Esse mecanismo de autodefesa, para ela, explicaria em parte benefícios para a saúde de se sentir mais jovem do que você realmente é.

Leia também:
Nutricionista de Harvard recomenda fim do consumo de carne para vida mais longa
O que os principais estudos dizem sobre o leite
Como era a vida de Karl Marx antes do Manifesto Comunista
Qual é o futuro da geração que estamos formando?
Os Boas Vidas: retrato de uma juventude que não sabe o que é trabalho

David Robson, BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários