Redação Pragmatismo
Música 27/Aug/2018 às 15:05 COMENTÁRIOS

As 5 músicas mais tristes de todos os tempos

Spotify: Plataforma tentou, por meio de um algoritmo, quantificar a tristeza de músicas produzidas desde 1958 e apresentou a seguinte lista

músicas mais tristes tempos história

Embora soe contraditório, ouvir música triste pode ser prazeroso. E não só isso: a psicologia diz que, se você preferir esse tipo de canção, significa que é uma pessoa empática. Então, é um bom sinal se emocionar até às lágrimas com algumas canções?

A plataforma digital de música Spotify realizou recentemente um estudo para revelar quais são as canções mais tristes da história. A cada uma das 35 milhões de faixas incluídas na plataforma foram acrescentados metadatos que incluem uma pontuação de valência para cada melodia de 0 a 1: “As faixas com alta valência soam mais positivas, alegres e eufóricas; e as com baixa soam de maneira negativa, triste, deprimidas e às vezes inclusive zangadas“, disse o Spotify à BBC.

De acordo com esse critério, as canções mais tristes desde 1958 até hoje são:

1. The First Time Ever I Saw Your FaceRoberta Flack (1972)

2. Three Times a LadyThe Commodores (1978)

3. Are You Lonesome Tonight?Elvis Presley (1960)

4. Mr. CusterLarry Verne (1960)

5. Still The Commodores (1979)

Ao analisar esses resultados, chega-se a uma confusa conclusão. A canção da Roberta Flack que encabeça a lista (e que, aliás, figurou como número 1 durante seis semanas em 1972) não é uma melodia triste por si mesma; pelo contrário, é romântica. O mesmo acontece com Three Times a Lady. Mr. Custer, por sua vez, é uma comédia que fala sobre um soldado que não quer lutar. Talvez as canções de Elvis Presley e Still, dos Commodores, possam de fato ser descritas como tristes.

Então, será que as máquinas conseguem detectar algo tão subjetivo e pessoal como a tristeza numa canção? Charlie Thompson, especialista em big data, fez um estudo similar ao do Spotify para medir a tristeza das canções da banda britânica Radiohead: “É difícil para uma máquina saber quanta nostalgia há nas canções, porque ela não tem as mesmas habilidades humanas para conhecer o contexto que cerca a pessoa e suas lembranças. Por isso, sempre é bom complementar estes estudos com análises psicológicas e assim obter resultados mais precisos“, diz ao ElPaís. Apesar disso, Thompson esclarece que a análise de dados como a que o Spotify realizou é muito útil para diferenciar os tipos de ondas e, segundo isso, ordenar a informação.

Leia também:
Como Aretha Franklin transformou uma música sexista em hino feminista
O Belchior que a crítica vulgar não viu
Dinho Ouro Preto descobre que Renato Russo dedicou música a Sergio Moro
“Glory”, a canção vencedora do Oscar em 2015
7 curiosidades sobre Bob Marley, maior expoente do Reggae no mundo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários