Redação Pragmatismo
Desenvolvimento Brasileiro 06/Jun/2018 às 16:59 COMENTÁRIOS

Família imperial brasileira tem planos para voltar a reinar

Em meio ao caos, a família imperial brasileira sonha voltar a reinar. Segundo Dom Bertrand de Orleans e Bragança, os brasileiros estão "fartos" da República

Família imperial brasileira tem planos para voltar a reinar Dom Bertrand de Orleans e Bragança

Muitos poderiam encarar como uma brincadeira, mas Dom Bertrand de Orleans e Bragança é um homem sério. Com 77 anos, o príncipe imperial do Brasil acredita que o caos vivido pelo país só tem uma solução: a volta de sua família ao poder.

Se a monarquia voltasse, seria um alívio. Os brasileiros celebrariam com uma grande festa nacional porque estão fartos da República”, assegura, com a voz pausada, o tataraneto de Dom Pedro II, o último imperador do Brasil.

O Brasil realmente atravessa tempos difíceis, com greves e uma desconfiança generalizada da população em relação aos políticos envolvidos em megaescândalos de corrupção, e uma volta ao passado imperial não soa como algo tão descabido para algumas pessoas.

Apesar de o Império brasileiro ter terminado oficialmente em 1889, com a proclamação da República, os herdeiros da extinta Coroa insistiram em reclamar seu papel durante o encontro monárquico anual realizado no Rio de Janeiro neste fim de semana.

A maioria dos brasileiros pouco conhece sua existência, mas a família imperial tem um público fiel.

E este ano dezenas de pessoas de todas as partes do país compareceram ao evento.

Usando suas melhores roupas, jovens e idosos saudavam com reverência a “Sua Alteza” antes de entrar para assistir a missa comemorativa na antiga capela imperial, no alto do bairro carioca da Glória.

Quase todos brancos e exibindo um ‘pin’ com a bandeira monárquica, esperavam ansiosos pelo aperto de mão do príncipe – usando um terno clássico e gravata grená, alto, magro – diante da bela igreja de estilo português.

Muitas mulheres e meninas cobriam sua cabeça com véus: as solteiras de cor branca e as casadas de preto. “Ave, Império!”, gritou uma delas, agitando uma grande bandeira monárquica.

Hoje tem muita gente pedindo, inclusive, a intervenção militar porque o brasileiro não tem a quem recorrer. Quando os políticos deixam de te representar, não há nada que se possa fazer. Eu acho que a família real tem personalidades fantásticas, sem comparação com os políticos”, defende Graciane Pereira, uma anestesista de 37 anos originária de Porto Alegre.

Tempos de glória

O tempo pareceu ir para trás durante a”missa imperial” na igreja onde foram batizados Dom Pedro II (1825-1891) e a princesa Isabel (1846-1921).

O padre, com um hábito especial dourado e usando um barrete, estava acompanhado por coroinhas que lançavam incenso. E apesar de conduzir parte da cerimônia de costas e em latim, elogiou em português o “passado glorioso de reis, imperadores e santos” que, a seu ver, encarnam os descendentes imperiais.

Muitos dos presentes também reivindicaram com nostalgia essa “época de ouro” e se mostravam convictos de que países como Noruega, Bélgica, Espanha ou Suécia são muito mais avançados graças a seus reis.

O Brasil, na realidade, perdeu o norte a partir da queda da monarquia. A partir daí, tudo começou a ir mal”, afirma Uilian Martins, um pedagogo de 33 anos, de Rondônia.

A família imperial é “muito boa, gente séria, honesta. É do que o Brasil está precisando, mas muitos acreditam erroneamente que se a monarquia voltar, é como se voltasse a escravidão”, diz, por sua vez, José Dearimatea, um aposentado 83 anos, elegantemente vestido com um terno escuro.

Quase como se estivesse vendo um filme, Ana Paula Logrado, uma administradora de 41 anos que queria visitar a igreja, parecia estar em choque por causa do evento e apresentou um contraponto para a retórica imperial: “Acho que a corrupção que vivemos começou, na realidade, nessa época”.

Charme

Apesar de apenas 10% dos brasileiros se pronunciarem a favor da restauração da monarquia em uma consulta popular realizada em 1993, Dom Bertrand está convencido de que hoje em dia essa opção seria majoritária.

O brasileiro, diz ele, é “indiretamente” monárquico e prova disso são personalidades como ‘O Rei’ Pelé ou as ‘rainhas de bateria’ das escolas de samba.

A proposta que a Casa Imperial do Brasil faz é implantar uma monarquia que dê “estabilidade” e “união” ao país.

A monarquia tem certo charme que a República não tem”, defende Dom Bertrand, que considera o PT de Lula “uma seita”.

Em questões sociais, se declara contrário ao casamento gay e acredita que o racismo não existe no Brasil.

Mas nem tudo que reluz é ouro, nem mesmo na Casa Imperial: o príncipe vive há anos em São Paulo, principalmente de doações e também ajudado pelo trabalho voluntário de seis pessoas, porque o “laudêmio” foi concedido para outra parte da família, que disputou o trono inexistente há anos.

Na realidade, mesmo que seu sonho se realizasse, não seria Dom Bertrand que reinaria. Teoricamente, deveria ser seu irmão mais velho, Dom Luiz, solteiro e sem filhos como ele.

Mas Dom Luiz, cujos 80 anos foram festejados com um banquete depois da missa em sua ausência, há algum tempo não participa nos atos públicos por motivos de saúde.

Os olhos monárquicos estão voltados para Dom Bertrand. E para o principal interessado, o sonho não parece tão distante.

Isso é um fruto que está amadurecendo. Ninguém sabe quando se concretizará, mas estou seguro de que verei o regresso da monarquia com meus olhos”, prognostica o príncipe.

Leia também:
Mãe defende filha que usou negros escravizados em festa de 15 anos
Autor defende que ‘a colônia portuguesa nas Américas não era um espaço subalterno’
A história das mulheres brasileiras que foram à luta por seus direitos
A redemocratização no Brasil foi feita da pior maneira
A história da última pena de morte registrada no Brasil
As reivindicação mais inacreditáveis da “nova” direita brasileira
Brasil, Elite e Capitalismo
Entenda por que o estado brasileiro ainda não é laico

AFP

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Mauro Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Eu que achei que não faltava mais nada...!

  2. Profeta Kurumim Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Meu Deus era só o que faltava! É a volta a escravidão sem a menor sombra de dúvidas. A última coisa que o brasileiro deve pensar é dar de "novo a essa cambada de vagabundos com títulos de "alteza, majestade" a direção do pais". Para quem não sabe eles vivem até hoje de contribuições pagas pelos contribuintes. No Rio de Janeiro é 5% da renda per capita. Esta escrito na história do mundo inclusive na sua Bíblia que foram graças aos reis que a miséria se instalou no mundo. Está também escrito na síntese de todas as filosofias, - a Doutrina Espírita, que os semelhantes se atraem, ou sejam, só incompetentes, vagabundos e outros desocupados é que apoiariam a volta do Reino....

  3. Ricardo Pinto Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Esse senhor de tanto viver na vagabundagem, enlouqueceu... coitado...

  4. Eduardo Ribeiro Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    ""o príncipe vive há anos em São Paulo, principalmente de doações e também ajudado pelo trabalho voluntário de seis pessoas, porque o “laudêmio” foi concedido para outra parte da família, que disputou o trono inexistente há anos."" Parasitas. Todos eles.

  5. Estacio Gavinho Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Depois do golpe tudo se pode esperar...É sempre assim! De fascistas a aventureiros ou simplesmente mais golpes. E a volta da monarquia seria o golpe dos golpes. Com Temer voltamos 20 anos, com Don Bertrand voltaríamos 200 anos!!! Nossa "independência" foi um acerto de pai e filho, o jeitinho português, nossa "proclamação da república" um golpe militar, o primeiro do Brasil , o serviço só estaria completo como banimento de toda a "família real" de terras brasileiras, aliás o que eles ainda estão fazendo aqui???

  6. Bordô Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Acho legal isso daí! Se existe Comicon, encontro de fãs do Naruto, K-Pop, Dragon Ball Z, Bolsonaro, gente que faz feirinha nos fins de semana para trocar latinhas, figurinhas, tazos... por que não prestigiar também essa bobeira ai? Acho inclusive que o Dom Bertrand merecia estar mais presente na sociedade brasileira. Podiam chamar ele para disputar um Passa ou Repassa contra o Inri Cristo, participar de um clipe da Mc Loma e as Gêmeas Lacração, Tomar um negrone com o JB...

  7. Nil Obermüller Schaupp Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Ave Império

  8. Paulo M. Hoffmann Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Muitos que comentaram, ou irão comentar, desconhecem a história do Brasil e a Família Real Brasileira. Em 1889, o Brasil sofreu um golpe militar (Proclamação da República), onde traídores, senhores de terras, escravagistas, fazendeiros e cafeicultores, se uniram para derrubar a Monarquia e acabar com o Império do Brasil, expulsando na calada da noite, nosso Imperador Dom Pedro II, e toda sua família, em revanche da Princesa Isabel ter abolido a escravidão no Brasil, um ano antes. Somente em 1921, a família real pode retornar ao Brasil, o que fizeram todos seus decendentes, porém somente em 1992/1993, puderam falar sobre os fatos ocorridos no passado. MONARQUIA (IMPÉRIO) - 70 anos, 2 Imperadores, somente 1 Constituição, +- 95 % de Inflação acumulada em todo o período imperial, 4a. Economia Mundial, 2a. Marinha do Planeta, Estabilidade e somente 2 casos conhecidos de Corrupção sendo os infratores presos e banidos do país, regressando somente já na República, onde foram reconduzidos aos seus cargos anteriores. REPÚBLICA (PRESIDENTES) - 130 anos, 37 Presidentes, 6 Constituições (sendo a última um remendo inacabado), +- 4.000.000 % de inflação acumulada, diversas trocas de moedas nacionais, 12 Estados de Emergência, 17 Atos Institucionais, 6 dissoluções do Congresso Nacional, 19 Revoluções Militares, 2 Renúncias Presidenciais, 3 Presidentes Impedidos de assumir o cargo, 4 Presidentes Deposto, 4 Ditaduras e 9 Governos Autoritários, além de diversos casos de corrupção, desvios e excessos, com crises financeiras desde o golpe militar Republicano, em 15/11/1889. O regime Republicano, que sucedeu a Monarquia, revelou-se altamente instável e ineficaz, para o Brasil. 1889. O movimento monárquico é o desejo de restauração do Império do Brasil (pois foi o único momento da história) que éramos conhecidos como gloriosos, tínhamos uma marinha (segunda do mundo) chamada de "A Grande Armada", e éramos respeitados internacionalmente por sermos a quarta economia mundial, e termos ainda equiparação de valor entre a nossa moeda (Reis), com o Dollar Americano, o Marco Alemão e a Libra Esterlina. Mostre aos seus amigos que irão votar, em mais um Presidente, como conseguirão um resultado diferente, se a fórmula usada (República Presidencialista) é a mesma, desde 1889 ?

  9. Joelzinho Anastácio Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Ignorância está forte em uns comentários aqui .... Se essa página simplesmente copiar o texto da carta capital, será impossível termos um debate honesto sobre este assunto

  10. cleber santos Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    COM A MONARQUIA TEREMOS A SEPARAÇÃO ENTRE ESTADO E GOVERNO. HOJE, TEMOS EM UMA SÓ FIGURA, A DO PRESIDENTE, O CHEFE DE ESTADO E DE GOVERNO. ISSO CAUSA A CENTRALIZAÇÃO DE PODER NAS MAOS DE DEFENSORES DA CLASSE POLÍTICA EM DETRIMENTO DO POVO BRASILEIRO. O REI É O CHEFE DE ESTADO E TEM COMO FINALIDADE PROTEGER O POVO DE BUROCRACIA E REGULAMENTACOES ABSURDAS FEITAS POR POLITICOS PARA FAVORECER OLIGARQUIAS. A RESTAURAÇÃO DA MONARQUIA É A RESTAURAÇÃO DO POVO BRASILEIRO. A REPUBLICA NÃO FUNCIONA E NÃO FUNCIONARÁ, DE QUATRO EM QUATRO ANOS TEMOS INSTABILIDADE POLÍTICA. VEJAM O SISTEMA POLITICO DA ESPANHA COMO BOM EXEMPLO DE ESTABILIDADE. A REPÚBLICA BRASILEIRA É COMPARAVEL A SISTEMAS POLITICOS TOTALITARIOS DA ÁFRICA.

  11. Sloth Gamer Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Eu ri

  12. Sid Gubert Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Caralho, tem uma galera que apóia mesmo isso. Tem um cara que responde todo mundo ai, que pela escrita parece ter saído dos tempos monárquicos.

  13. Roberto Pedroso Postado em 06/Jul/2019 às 13:16

    Candidatos a bobo da corte é o que não faltam a começar por aqueles que apoiam este tipo de ''iniciativa',só no Brasil mesmo! é bem capaz desta ideia torta, escabrosa, ridícula sem nexo, ultrapassada, anacrônica,neoconservadora de botequim vingar na cabecinha de alguns ruminantes.......