Redação Pragmatismo
Esquerda 07/Jun/2018 às 10:59 COMENTÁRIOS

Espanha terá governo majoritariamente feminino após vitória da esquerda

Com um esquerdista no poder, Espanha terá um governo majoritariamente feminino pela 1ª vez. Todas as principais pastas serão ocupadas por mulheres

Espanha terá governo majoritariamente feminino após vitória da esquerda

Ao apresentar hoje (6) os nomes do novo governo, o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, 46 anos, surpreendeu ao nomear 11 mulheres e seis homens, entre eles um astronauta. Para as principais pastas, foram nomeadas mulheres: Nádia Calviño Santamaría, no Ministério de Economia e Empresa; Margarita Robles Fernández, para a Defesa; e María Jesús Montero Cuadrado, para chefiar a Fazenda.

É a primeira vez que a Espanha terá um governo majoritamente feminino. Socialista e declaradamente ateu, Sánchez inovou desde sua posse na semana passada, quando optou por não fazer o tradicional juramento sobre os símbolos cristãos.

Sánchez se disse comprometido com a igualdade de gênero de maneira inequívoca. “O que inclui mais mulheres do que homens, pela primeira na história de democracia espanhola, com o peso das responsabilidades econômicas sobre as mulheres e coloca as políticas de igualdade como foco da ação de governo”, ressaltou.

Em seguida, o primeiro-ministro sintetizou o que planeja para seu governo: “Ser um fiel reflexo do melhor da sociedade que aspiramos servir, que é paritária, intergeneracional, aberta ao mundo e com apoio de uma União Europeia comprometida socialmente e altamente qualificada.”

Sánchez ressaltou também que vai atuar para fortalecer o bloco econômico, fragilizado com a decisão do Reino Unido de abandonar o grupo.

O novo primeiro-ministro substitui Mariano Rajoy, que deixou o governo sob escândalo de corrupção e após ter o nome aprovado por uma moção de censura. Nesta quarta-feira, Rajoy afirmou que deixará a vida política.

Leia também:
IBGE: mulheres brasileiras trabalham 10 horas a mais do que homens
A posição vergonhosa do Brasil no ranking mundial de participação feminina na política
Mulher de minissaia pode ser culpada por assédio, diz Defensor Público
A história das mulheres brasileiras que foram à luta por seus direitos
Afeganistão tem mais mulheres na política que o Brasil
Mulheres ainda precisam enfrentar problemas históricos
Por que cotas para mulheres?
Interferência religiosa no Estado viola direitos das mulheres

Renata Giraldi, Agência Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários