Redação Pragmatismo
Polícia Militar 01/Mai/2018 às 12:51 COMENTÁRIOS
Polícia Militar

Policiais que tiraram a vida de Luana Barbosa continuam impunes

Publicado em 01 Mai, 2018 às 12h51

Luana Barbosa levava seu filho a um curso de informática quando foi covardemente assassinada por três policiais militares. Depois de muita pressão, MP denuncia envolvidos por homídio triplamente qualificado, com motivo torpe, feito por meio cruel e sem chance de defesa; delegado havia apontado apenas ‘lesão corporal’

policiais luana barbosa continuam impunes são paulo ribeirão preto violência

Alê Alves, Ponte

O promotor Eliseu José Berardo Gonçalves denunciou os três policiais militares acusados de matar Luana Barbosa dos Reis por homicídio triplamente qualificado. São eles Douglas Luiz de Paula, Fábio Donizeti Pultz e André Donizeti Camilo. A morte aconteceu no dia 13 de abril de 2016, na periferia de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, e somente em 5 de abril deste ano a Polícia Civil indiciou o trio.

A denúncia será encaminhada nesta sexta-feira (20/4) para o juiz José Roberto Bernardi Liberal. “Houve motivação torpe, efetuada por meio cruel e sem a mínima chance de defesa. Os policiais deliberaram matar Luana porque ela reagiu a uma abordagem desnecessária”, afirmou à Ponte o promotor Gonçalves, que também pediu a prisão preventiva dos policiais.

O processo de inquérito foi concluído no 3º Distrito Policial de Ribeirão Preto em 5 de abril. Depois disso, foi enviado ao Ministério Público. Na conclusão do inquérito, o delegado Euripede Stuque indiciou os três PMs por lesão corporal seguida de morte.

Na época do crime, os três PMs estavam lotados no 51º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior). Em abril de 2017, a Ponte divulgou que o policial Douglas Luiz de Paula havia se aposentado e Fábio Pultz e André Camilo realizavam “serviços administrativos” na corporação. Contatada por por e-mail, a assessoria da Polícia Militar não confirmou se os dois últimos ainda realizavam serviços administrativos.

Lembrando o caso

Luana morreu na noite do dia 13 de abril de 2016, cinco dias após ser abordada e espancada por três policiais militares no bairro Jardim Paiva II, na periferia de Ribeirão Preto. Segundo boletim médico emitido à época, a morte foi causada por um traumatismo crânio encefálico e uma isquemia cerebral.

Segundo familiares, Luana levava seu filho a um curso de informática quando parou em frente a um bar para cumprimentar um amigo e foi abordada por policiais militares que circulavam em seu bairro. Ao questionar a abordagem e exigir a presença de uma policial mulher para realizar a revista, Luana recebeu um soco e um chute que a derrubaram no chão, segundo contaram testemunhas aos familiares.

Ao se levantar, Luana deu um soco na boca de um dos policiais e um chute no pé de outro, sendo então espancada por três PMs com cassetetes e com o capacete que ela usava. Em seguida, Luana foi levada para a delegacia, onde foi registrado um termo circunstanciado. Cinco dias depois, Luana faleceu no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto.

Saiba mais:
Empresário negro preso sem razão revela momentos de terror nas mãos da PM
Justiça libera preso por roubo para fazer concurso da PM
Coronel Telhada ameaça ator preso em Santos durante apresentação de peça
Comandante da PM em Goiânia já foi preso por liderar grupo de extermínio
Depoimento de ex-policial revela a realidade perversa da PM no Brasil
Prisão de ator da Globo teria sido confusão da PM
PM prende jornalista por ‘porte de vinagre’ durante protesto
Vídeo flagra espancamento de jornalista pela PM em manifestação

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários