Redação Pragmatismo
Mercado 27/Apr/2018 às 15:25 COMENTÁRIOS

Shoyu brasileiro é feito à base de milho, revela estudo científico

Análises realizadas com 70 amostras de shoyu vendidas no Brasil revelam que o condimento é feito à base de milho e quase não tem soja. Para os pesquisadores, o shoyu vendido no Brasil nem deveria levar esse nome

Shoyu brasileiro é feito à base de milho estudo científico

Rodrigo de Oliveira Andrade, Pesquisa Fapesp

No mundo todo, o principal componente do shoyu, condimento fundamental da culinária asiática, é a soja. No Brasil, é diferente. Aqui, muitas empresas substituem, ou trocam, a soja pelo milho. A conclusão é de um grupo de pesquisadores do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) e da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), ambos da Universidade de São Paulo (USP), que analisou a composição química de 70 amostras de shoyu de marcas comercializadas no país.

Em países como Japão, China e Coreia do Sul, o molho shoyu é feito de soja com proporções pequenas de outros cereais como trigo ou cevada. “O que a indústria brasileira oferece ao consumidor não é shoyu propriamente dito, é um molho escuro e salgado elaborado a partir de milho, que deveria ter outro nome”, destaca a bióloga Maristela Morais, uma das coordenadoras do grupo, ao lado do engenheiro agrônomo Luiz Antonio Martinelli. Ambos são do Cena-USP.

Para identificar os ingredientes usados na elaboração do molho, os pesquisadores mediram a proporção de duas variantes do elemento químico carbono encontradas nas amostras. Soja, arroz e trigo são plantas que absorvem o gás carbônico da atmosfera e, sob a luz solar, realizam reações químicas que geram moléculas de açúcar contendo três átomos de carbono – é o chamado sistema de fotossíntese C3. Já o milho é uma planta de via fotossintética C4, por produzir açúcares com quatro carbonos. Esses açúcares continuam a existir nos alimentos, mesmo depois de os grãos serem processados, e funcionam como uma assinatura química de sua origem.

Ao analisar as amostras, os pesquisadores verificaram que o milho era o principal componente do shoyu comercializado no Brasil (Journal of Food Composition and Analysis, 3 de abril). Em média, as amostras analisadas tinham menos de 20% de soja em sua composição. Acredita-se que o uso de milho na produção do condimento esteja relacionado ao preço do grão, consideravelmente mais barato que o da soja. Entre 2007 e 2017, o preço médio da soja foi o dobro do preço médio do milho no Brasil. “O uso de milho na produção de shoyu não é ilegal, já que a legislação brasileira não especifica qual deve ser a proporção de cereais usados na sua fabricação”, afirma Maristela.

Leia também:
Marcas de chocolate, queijo e água são proibidas pela Anvisa
Como suas escolhas alimentares podem salvar o mundo
A verdadeira quantidade de açúcar em alimentos muito conhecidos (e consumidos)
De onde vem a comida que chega à sua mesa?
O que acontece com seu corpo quando você ingere couve e ‘junk food’
Gigantes da alimentação vendiam carnes estragadas com produtos cancerígenos
Os perigos da farinha de trigo refinada – sobretudo para os diabéticos
Seis alimentos que não deveriam estar nas prateleiras
A Coca-Cola ensinando a emagrecer? Não funciona

Artigo científico
MORAIS, M.C. et al. Stable carbon isotopic composition indicates large presence of maize in Brazilian soy sauces (shoyu). Journal of Food Composition and Analysis. v. 70, p. 18-21. abr. 2018.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários