Redação Pragmatismo
Lula 05/Apr/2018 às 12:08 COMENTÁRIOS

Empresário oferece prêmio para quem matar Lula na prisão

Empresário de São Paulo oferece prêmio caso Lula seja assassinado na prisão. Ex-presidente teve habeas corpus negado pelo Supremo Tribunal Federal por 6 votos a 5

oscar maroni matar Lula na prisão

Um vídeo (ver abaixo) passou a circular nas redes sociais após o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitar, na madrugada desta quinta-feira (5), o habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nas imagens, o empresário paulista Oscar Maroni, dono da boate Bahamas, oferece distintos prêmios para o caso de Lula ser preso, assassinado ou torturado na cadeia.

“Se o Lula for preso, a cerveja é de graça até a meia noite. Agora, se matarem ele na prisão, a cerveja vai ser de graça durante o mês inteiro”, assinala o empresário.

Um homem que bebe na mesa com Maroni questiona: “E se a morte for com requintes de crueldade?”. Em tom jocoso, o empresário responde: “Aí eu dou meu rabo”.

VEJA AQUI as últimas atualizações da resistência de Lula em São Bernardo

Em março de 2016, época da condução coercitiva de Lula, Maroni ofereceu acesso vitalício na sua boate ao juiz Sergio Moro.

Em 2014, Oscar Maroni foi assunto por conta de cinco outdoors que espalhou por estradas paulistas para divulgar sua boate. No painel, uma mulher sentada numa bola de futebol simulava fazer sexo oral em um homem.

Vídeo:

Oscar Maroni

Em outubro de 2011, a 5ª Vara Criminal de São Paulo condenou Oscar Maroni a 11 anos e oito meses de prisão pelos crimes de favorecimento à prostituição e manutenção de local destinado a encontros libidinosos.

Segundo o TJ, consta dos autos que no Bahamas aconteciam encontros libidinosos, onde trabalhavam de forma habitual garotas de programa. “Os encontros eram realizados nas suítes disponibilizadas no estabelecimento, que fazia desses encontros sua principal e ‘bastante lucrativa’ atividade econômica”, diz o texto.

11 horas de julgamento

Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, após 11 horas de julgamento, o pedido de habeas corpus (HC) preventivo do ex-presidente Lula. O voto final foi da ministra Cármen Lúcia, que conseguiu colocar em prática sua estratégia e ser bem sucedida.

Apesar da decisão, a prisão de Lula não deve ser imediata. A defesa já anunciou que apresentará mais um recurso contra a condenação ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). O prazo para que esse recurso seja entregue ao TRF-4 é na próxima terça-feira (10). A assessoria do Tribunal informou que a ação só transitará em julgado (ou seja, quando esgotam-se todas as possibilidades de recursos) após a análise de mais essa apelação.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários