Redação Pragmatismo
Ditadura Militar 04/Apr/2018 às 12:58 COMENTÁRIOS

Generais respondem chefe Villas Bôas: "aguardamos suas ordens"

Cheiro de 1964 no ar. Diversos generais resolveram se expressar publicamente após o polêmico post do Comandante do Exército Brasileiro: “Tenho a espada ao lado, a sela equipada, o cavalo trabalhado e aguardo suas ordens”

Generais respondem chefe Villas Bôas ordens

A declaração do general-comandante Eduardo Villas Bôas de que o Exército “se mantém atento às suas missões institucionais”, feita nesta terça-feira, 3, às vésperas do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, provocou uma série de reações entre outros oficiais do Exército.

Os generais usaram o twitter para declarar publicamente apoio a Villas Bôas. O general Paulo Chagas, que é pré-candidato ao governo do Distrito Federal, prestou continência virtual a Villas Bôas e declarou que tem “a espada ao lado, a sela equipada, o cavalo trabalhado e aguardo suas ordens”.

O general José Luiz Dias Freitas, Comandante Militar do Oeste, afirmou que o comandante do Exército “mais uma vez” expressa “preocupações e anseios dos cidadãos brasileiros que vestem fardas”. O General Antonio Miotto, do Comando Militar do Sul, respondeu Freitas e declarou estar firme e leal a Villas Bôas, “na mesma trincheira”. “Brasil acima de tudo!!! Aço!!!”, disse.

O general de Brigada Cristiano Pinto Sampaio citou Gustavo Barroso: “Todos nós passamos. O Brasil fica. Todos nós desaparecemos. O Brasil fica. O Brasil é eterno. E o Exército deve ser o guardião vigilante da eternidade do Brasil”. Depois, ele ainda acrescentou que está “sempre pronto”.

Leia também:
Michel Temer ultrapassa fronteira que separa estado de direito de ditadura
General do Exército volta a descartar intervenção militar no Brasil
10 razões para não ter saudade da ditadura militar
Vídeo de 1975 mostra como a Globo elogiava a ditadura com a voz de Cid Moreira
Nomes de artistas que colaboraram com a ditadura são revelados em documento
A ditadura sobrevive nos quartéis: ‘bate, quebra os ossos, espanca até morrer’
Militares ignoram Dilma e anunciam festa para celebrar golpe de 1964
Histórias pouco conhecidas: os evangélicos e a ditadura militar no Brasil

Agência Estado

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários