Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 13/Apr/2018 às 13:19 COMENTÁRIOS

Claudeane Mota, a mais nova vítima de feminicídio do Brasil

Jovem de 22 anos perdeu a vida de maneira brutal na frente da própria filha de 3 anos. A criança, que está em choque, foi trancada pelo pai no quarto com a vítima e passou a noite ao lado do corpo da mãe. O homem não aceitava a separação

claudeane mota feminicídio Brasil
Claudeane Mota do Nascimento

Claudeane Mota do Nascimento, de 22 anos, é mais uma vítima de feminicídio no Brasil. A jovem foi assassinada de maneira brutal pelo seu ex-marido, que não aceitava a separação. O crime aconteceu em uma casa no bairro de Boa Vista de São Caetano, em Salvador (BA).

Técnica de Enfermagem, Claudeane recebeu mais de 50 golpes de faca na noite da última terça-feira (10). O autor do crime é Luide Silva de Jesus Lima, de 23 anos. O assassinato aconteceu na frente da filha do casal, que tem apenas 3 anos.

O corpo de Claudeane só foi encontrado na manhã da última quarta-feira (11), quando os vizinhos escutaram a menina aos prantos. Ao chegarem no local, os moradores se surpreenderam com a cena de horror.

De acordo com a Polícia Civil, a criança está em estado de choque. Além de testemunhar toda a barbárie, é provável que a menina tenha dormido entre a noite e a madrugada ao lado do corpo da mãe. Luide trancou a filhinha com o cadáver da ex-mulher e fugiu.

A delegada Jussara Bispo, responsável pelo caso, disse que solicitará a prisão temporária de Luide. Segundo Jussara, o assassino responderá pelo crime de feminicídio.

O laudo do Departamento de Polícia Técnica (DPT) está sendo preparado e o resultado estará disponível para a Polícia Civil em cerca de 30 dias. Este documento deve precisar a quantidade de facadas que a vítima levou.

Desabafo

Radinei Santos, 38, tia de Claudeane, contou que foi uma das responsáveis por criar a sobrinha. “Ela era uma menina muito do bem, de boa índole, e que tinha um futuro pela frente. A dor é muito grande, mas o desejo de justiça é enorme. Nós queremos que ele pague pelo que fez a ela. Ele é um animal. Melhor, um bicho, porque animal tem sentimentos e protege a cria. Ele deixou a filha dele com um trauma eterno”, desabafou.

Radinei comentou que a Claudeane conheceu Luide há cinco anos, quando estudava o 3° ano do ensino médio no Colégio Militar. “Ele é primo da esposa do meu irmão, tio dela, e começaram a namorar. Nós nunca apoiamos, porque não gostávamos do jeito dele. Eles não tinham nada a ver, mas ela se apaixonou e não escutou ninguém”, relatou.

Em poucos meses de relacionamento, a jovem saiu da casa da avó, onde morava, para viver com o namorado. Embora tenha sido contra, a família não conseguiu evitar a decisão. Após dois anos de namoro, a vítima engravidou.

“Foi quando decidimos apoiar ela, porque, querendo ou não, nós a amávamos muito. Minha mãe era louca por ela; foi a primeira neta, então, resolvemos dar uma das casas para que eles pudessem morar próximo”, lembra a tia.

O pai e o padrasto de Claudeane estiveram no IML para o reconhecimento do corpo. Ambos estavam muito abalados. Claudenilton Nascimento, pai da vítima, relatou que a filha “era alegre, tranquila, mas deu esse mau passo na escolha dessa pessoa que ela teve a filha”.

Ele confirma que a sua neta está em choque. “A menina está traumatizada com a situação porque aconteceu na frente dela; às vezes, ainda pergunta da mãe, e se perguntar sobre a história, ela conta direitinho”.

Violência e separação

Já com oito meses de gravidez, Claudeane voltou para o convívio com a família. A tia contou que a jovem dizia que estava bem com o marido. Anos depois, quando a criança já tinha dois anos, a avó da jovem, uma senhora de 67 anos, presenciou a primeira agressão de Luide contra a neta.

Indignada, a idosa partiu para cima do agressor e o expulsou de casa. Na época, Radinei chegou a levar a sobrinha para a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), onde a jovem prestou queixa.

“Eu vi que ela foi porque eu meio que obriguei. Por ela, ela não teria ido prestar queixa. A todo momento ela tentava dar para trás, mas como eu queria registrar, ela não teve escolha”, comentou Radinei.

Claudeane não contou a ninguém, mas a família descobriu que Luide chegou a dar chutes na jovem durante a gravidez. As agressões, no entanto, não impediram que a jovem quisesse insistir no relacionamento. Um desentendimento no Natal, no entanto, fez com que a vítima decidisse se separar de vez do pai da filha.

Oto Santos, padrasto de Claudeane, também comentou a tragédia: “Ela estava bem demais [separada dele]. Já estava bem melhor, trabalhando, feliz. Porque não foram poucas as vezes que tentamos alertar ela de que aquela vida não era pra ela. No início era ótimo, mas tudo no começo são flores e ele logo foi mostrando quem realmente era. Uma moça jovem, inteligente, bonita, cheia de vida e muito amada. Muito amada por mim, pela mãe, avós, tios, tias, irmãos… Por todo mundo”.

O crime

Oto afirmou que na terça-feira (10) Claudeane saiu de casa tranquila e feliz para buscar o dinheiro da escola da filha na casa do pai da criança. Era por volta de 16h quando ela avisou à mãe e ao padrasto que iria encontrar com Luide.

“Ela tinha dado um plantão de segunda-feira para terça, descansou e disse que ia lá com a menina. Falamos para ela não ir, mas ela disse que já estava acertada com ele e que apenas buscaria o dinheiro da escola da filha”, contou, acrescentando que Claudeane estava trabalhando como técnica há três dias no Hospital Municipal de Salvador.

Sem disfarçar a tristeza, Oto lembrou que esta foi a última vez que viu Claudeane com vida. Ele e a esposa chegaram a dar a benção à técnica e pediram que não demorasse. A jovem saiu com a menina e não retornou. A família só soube do desfecho trágico da visita na manhã desta quarta (11), quando o chefe de Luide ligou avisando.

“A mãe dela está extremamente debilitada. A bebê, coitada, faz os gestos que o pai fez, simula que está segurando uma faca e repete ‘papai matou mamãe’”, lamenta.

Despedida

Nas redes sociais, amigos e parentes se despedem da vítima de feminicídio.

“Dia de luto. Triste saber que uma pessoa do meu convívio escolar (Claudeane Motta) foi vítima de feminicidio, descanse em paz Claudeane, que Deus possa conçolar os corações de todos nesta manhã”, diz uma publicação.

“Vai com Deus amiga.. A justiça vai ser feita e esse miserável vai pagar!!!!!!”, escreveu outra pessoa no Facebook.

O Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA) publicou uma nota de pesar em sua página do Facebook nesta quinta-feira.

“À família e amigos registramos nossa solidariedade neste momento de dor e consternação”, diz o comunicado.

Luide e Claudeane

com Correio 24 Horas e IBahia

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários