Redação Pragmatismo
Cinema 12/Apr/2018 às 15:11 COMENTÁRIOS

Aclamado internacionalmente, filme 'O Processo' chega ao Brasil

Premiado no Festival de Berlim e aclamado internacionalmente, filme 'O Processo' chega ao Brasil neste final de semana

Aclamado internacionalmente filme O Processo impeachment Dilma Golpe PT lula Esquerda

Tiago Pereira, RBA

O diálogo entre o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado poderia servir de sinopse para o documentário O Processo:

MACHADO – É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional.
JUCÁ – Com o Supremo, com tudo.
MACHADO – Com tudo, aí parava tudo.
JUCÁ – É. Delimitava onde está, pronto.

O filme de Maria Augusta Ramos, já aclamado no Festival de Berlim, reconta a história dos 271 dias do processo do golpe do impeachment, transcorridos entre 2 de dezembro de 2015 e 31 de agosto de 2016 do ano seguinte, quando destituiu a primeira mulher eleita presidenta do Brasil e colocou em seu lugar aquele que viria a ser o primeiro ocupante do Palácio do Planalto denunciado oficialmente por crime de corrupção.

É também um relato de um país dividido, representado pelas cercas e grades na Esplanada dos Ministérios. De um lado, grupos pró-impeachment impulsionados pela imprensa comercial a uma tese de que se estaria combatendo a corrupção. De outro, os que afirmavam que tudo não passava de um golpe urdido pelo poder econômico, tingido de legalidade a partir de um processo jurídico-político inaugurado pelas mãos do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, hoje preso por corrupção.

Nesse processo, a presidenta Dilma Rousseff é Joseph K., personagem do escritor tcheco Franz Kafka, em livro que empresta o título ao documentário, avassalado pelo peso da burocracia estatal, envolvido em um longo processo em que ele não sabe de onde vem e do que é acusado.

Assim foi com Dilma. Acusada de cometer crime de responsabilidade fiscal, em decretos de crédito suplementar e as chamadas “pedaladas, manobras fiscais que ocorreram anteriormente e depois de Dilma, e que ocorrem também em administrações estaduais, sem que houvesse o mesmo ímpeto criminalizador.

Relembre:
Ministro do TCU admite que desfecho das pedaladas ‘seria diferente com Lula’
Os 17 governadores que pedalaram sem punição
MPF volta a dizer que ‘pedaladas’ de Dilma não configuram crime
Relator do impeachment cometeu quase mil pedaladas quando foi governador
“Querem derrubar Dilma por 6 decretos suplementares? Alckmin assinou 31”
“Se Dilma for afastada por pedaladas fiscais, tem que cassar todos os deputados”
“Pedalar não é e nunca foi crime”, afirma Roberto Requião
Os ingredientes de um lento golpe de Estado

As câmeras acompanham então o vaivém pelos corredores, comissões, plenários, de figuras centrais do processo, como o advogado de defesa da então presidenta, ex-ministro da Justiça Eduardo Cardozo, e da advogada Janaína Paschoal, do PSDB, que produziu com os juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior a peça jurídica inicial do processo, acolhida por Cunha.

Encurtar o ciclo

O documentário revela também os bastidores, com conversas entre senadores que compunham a base do governo sitiado, e as estratégias políticas, não apenas para defender o mandato de Dilma, mas para demonstrar a farsa de uma articulação política que conservou apenas a aparência jurídica, mas que representava a vontade política dos grupos derrotados nas urnas. Entre eles, muitos que estavam na mira da Justiça, apoiados pelas forças do grande capital e incensados pela mídia tradicional. Todos desejosos de pôr fim antecipado ao que seria um ciclo de 16 anos consecutivos de governos petistas.

São nessas conversas também que aparecem, já naquele momento, as preocupações com a perseguição política ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a tentativa de tirá-lo do processo eleitoral, que culminaria com a sua recente prisão.

Dada a continuidade do processo de golpe no país, que serviu para que o governo Temer impusesse, sem o aval das urnas, uma agenda de destruição de direitos, com o congelamento de gastos sociais por 20 anos, uma reforma trabalhista que legalizou a precarização do trabalho e a entrega do pré-sal às petrolíferas estrangeiras, o filme, apesar das suas mais de duas horas de duração, ganha ares de trailer para o atual momento vivido pelo país, passados quase dois anos de governo Temer.

Exibido em mostras internacionais de cinema – escolhido pelo público como terceiro melhor documentário na mostra Panorama no Festival de Berlim –, o filme teve a sua estréia mundial em 21 de fevereiro, e agora chega ao Brasil no Festival É Tudo Verdade, com sessões neste domingo (15) em São Paulo, e nos dias 17 e 18 no Rio de Janeiro.

Leia também:
Impeachment ou golpe? Cinco pontos ajudam a entender o que acontece no BrasilA repercussão da votação do impeachment na mídia internacional
Michel Temer diz que é “normal” gastar R$ 15 bilhões para se salvar
O impeachment já teria sido anulado em um país sério
As diferenças entre o impeachment de Dilma e o de Collor

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários