Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 14/Mar/2018 às 15:56 COMENTÁRIOS

Repórter assediada ao vivo desabafa: "Me senti muito frágil"

Repórter assediada conta que entrou em desespero quando a câmera foi desligada. “Olhei em volta e tinha um monte de homem. Fui dando conta do que poderia acontecer comigo. Se um cara fez aquilo em frente a uma câmera, imagine com ela desligada. Aquilo mexeu muito comigo [...] Perdi um pouco da minha alegria”

repórter assediada Bruna Dealtry
Repórter assediada: homem tenta beijar Bruna Dealtry durante transmissão ao vivo

A repórter Bruna Dealtry, do canal Esporte Interativo, foi assediada por um torcedor do Vasco da Gama, no Rio de Janeiro, nas dependências do estádio do clube, São Januário (vídeo abaixo).

Diante das câmeras, em uma chamada ao vivo, um homem tentou beijar Bruna na boca. O agressor saiu sorrindo depois da atitude machista e criminosa, enquanto a repórter não conseguia esconder seu constrangimento.

“Isso não precisava, né? Não foi legal”, disse Bruna, assustada, ainda na transmissão.

Em desabafo nas redes sociais e, posteriormente, em entrevista concedida ao portal UOL, a repórter foi além e contou que se sentiu muito frágil e impotente.

“Eu já tinha lido relatos de amigas que passaram por este tipo de abuso nos estádios, mas nunca tinha acontecido comigo. Sentir na pele é muito diferente, você se sente muito frágil. Realmente não fazia a menor ideia de como agir em uma situação como essa”, disse Bruna.

“Quando saí de frente da câmera, olhei em volta e tinha um monte de homem. Fui dando conta do que poderia acontecer comigo ali. Se um cara fez aquilo em frente a uma câmera, imagine com ela desligada. Ele não me respeitou em nenhum momento. Aquilo mexeu muito comigo, senti medo. Perdi um pouco da minha alegria”, relatou.

Bruna Dealtry acredita que a exposição dos agressores serve como a melhor arma para combater o machismo – não somente nos estádios de futebol, mas em todos os ambientes.

“Machismo está cada vez mais exposto. É deixar bem claro que isso nunca mais vai passar batido. Foi horrível ao me ver naquela situação, saber que meu marido, que me apoiou totalmente, viu também; é constrangedor. Quis expor isso para ele sentir vergonha. Com a exposição, tenho recebido muito apoio, especialmente da torcida do Vasco. Domingo estarei lá, da mesma forma, e tenho certeza que serei muito bem recebida”, sentenciou.

“A melhor maneira de mudar é o debate. Não tive vontade de xingar o cara em momento nenhum, queria era expor a situação e mostrar o quão ridículo o cara foi. As mulheres estão se unindo muito e fazemos questão de falar sobre o assunto. Isso não pode mais acontecer e não vamos mais deixar acontecer. Quanto mais falarmos, mais vão perceber o quanto é absurdo”, finalizou.

Repórter agredida

O assédio contra Bruna Dealtry ocorre menos de uma semana depois da agressão sofrida pela jornalista Renata de Medeiros, que recebeu um soco enquanto trabalhava na cobertura do clássico Grêmio e Internacional (Gre-Nal) no estádio Beira Rio, em Porto Alegre.

Devido à intervenção de um segurança do clube, o soco desferido pelo homem não pegou em cheio, mas deixou um hematoma no braço da repórter.

A covardia foi registrada em vídeo (relembre aqui) pela própria Renata e divulgada por ela nas redes socais.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários