Redação Pragmatismo
Cinema 21/Feb/2018 às 13:45 COMENTÁRIOS

Por que 'La Casa de Papel' virou o novo grande sucesso da Netflix?

Série lançada sem alarde vira grande sucesso da Netflix. Na base do boca a boca, La Casa de Papel ganhou seguidores e virou até tema de fantasia em blocos de Carnaval no Brasil

La Casa de Papel' sucesso da Netflix

Talvez La Casa de Papel seja uma daquelas novelas bem ao estilo mexicano que fizeram tanto sucesso ao serem exibidas pelo SBT durante os anos 1990. Talvez, ainda, a série, lançada pela Netflix em 25 de dezembro, seja uma genial trama de assalto a respeito dos ladrões mais corajosos de toda a Espanha. Possivelmente, é as duas coisas.

E não há qualquer problema nisso. Criada por Álex Pina, um espanhol de Pamplona, La Casa de Papel chegou de mansinho no serviço de streaming Netflix e, sem alarde, na base do boca a boca, ganhou seguidores. Curioso, mesmo, foi encontrar gente vestida com o uniforme dos bandidos da série, com um macacão vermelho e uma máscara do pintor surrealista Salvador Dalí, nos blocos de Carnaval em São Paulo, há uma semana.

Afinal, o que faz da série única é a sua capacidade de juntar o dramalhão com um aceno de violência que nunca chega às vias de fato, com uma trama engenhosa de assalto à Casa da Moeda, em Madri, entregue aos poucos. Nada é o que parece de início e, com esse tempero de mistério, a paella está completa — e a metáfora usada aqui, carregada de breguice, está permitida dada a natureza exagerada de La Casa de Papel.

Criada para a Antena 3, uma emissora de TV por assinatura espanhola, a série foi originalmente ao ar ao longo de 2017, em duas partes, com 15 episódios no total e uma média de 70 minutos de duração. Ao ser adquirida pela Netflix para ser levada ao público global, La Casa de Papel passou por mudanças. Os 9 primeiros episódios foram editados em 13, com até 50 minutos cada um. A segunda parte dessa primeira temporada, com seis episódios, chegará à plataforma em 6 de abril. Os cortes, embora tenham gerado alguns narizes torcidos por aí, podem ter feito bem para a trama, que, mesmo editada pela Netflix, por vezes se arrasta demasiadamente.

La Casa de Papel retrata os dias de um assalto e sequestro na Casa de Moeda espanhola. Um homem misterioso, cujo passado é desconhecido e chamado apenas de Professor, recruta seus próprios “cães de aluguel” para realizar aquele que é tido, na série, como o maior roubo do século. Tal qual o Professor, os ladrões adotam nomes de cidades do mundo, na tentativa de esconder sua identidade.

Temos, então: Tóquio (Úrsula Corberó), Nairóbi (Alba Flores), Rio (Miguel Herrán), Moscou (Paco Tous), Berlim (Pedro Alonso), Denver (Jaime Lorente), Helsinque (Darko Peric) e Oslo (Roberto García). Todos, segundo o orquestrador do golpe, foram escolhidos pelas especialidades próprias (a assassina é Tóquio, enquanto Rio é o hacker e os “músculos” são Helsinque e Oslo) e por não terem nada a perder.

O plano é engenhoso e envolve uma síndrome de Robin Hood, o que auxilia o público a se identificar com os ladrões. A ideia ali não é roubar o dinheiro dos outros e, sim, fabricar 2,4 bilhões de euros ao longo de 11 dias. Para isso, é arquitetado um sequestro de 67 pessoas que estavam dentro do local — funcionários, visitantes e estudantes.

É na relação interpessoal que La Casa de Papel se perde e se alonga. Por mais profundos que seus personagens deem a impressão de ser ao serem apresentados, pouco a pouco, a água vai até o umbigo e, logo, a evolução estaciona. As tentativas desesperadas de alguns reféns de escapar também não convencem. Na terceira vez, até cansam. Ação (das mais estapafúrdias) e a sensação de perigo iminente (embora nunca se concretize de fato) são as principais forças da série. E, convenhamos, para um país acostumado com novelas mexicanas como Maria do Bairro e A Usurpadora, o dramalhão-thriller de La Casa de Papel é fichinha.

Assista ao trailer:

Leia também:
Três concorrentes ao Oscar de melhor documentário estão no Netflix
A lista completa dos indicados ao Oscar 2018
Por que todo mundo está falando da série The End of the F***inkg World?
Filmes brasileiros esquecidos para pensar o racismo e a abolição
A melhor lista dos 10 melhores filmes de todos os tempos?

Agência Estado

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários