Redação Pragmatismo
Política 08/Feb/2018 às 03:03 COMENTÁRIOS

Primeiro homem da Inglaterra era negro de olhos azuis, revela DNA

Primeiro homem britânico era negro e tinha olhos azuis. O esqueleto do "Cheddar Man" foi descoberto no sudoeste da Inglaterra. Imagem foi reconstituída por DNA

primeiro homem inglaterra negros olhos azuis dna
Cheddar Man (reprodução)

O primeiro homem britânico conhecido, que viveu há 10.000 anos, era negro e tinha olhos azuis, segundo a reconstituição de seu rosto feita por uma equipe de pesquisadores.

Conhecido como “Cheddar Man“, nome do local do sudoeste da Inglaterra onde seu esqueleto foi descoberto, este homem tinha o rosto anguloso, o cabelo negro ondulado, olhos azuis e uma pele escura.

É surpreendente ver que um britânico de há 10 mil anos podia ter a pele bem escura e os olhos azuis“, comentou o diretor de Pesquisas do Museu de História Nacional de Londres, Chris Stringer.

A reconstituição foi possível graças a dois fatores: a qualidade do DNA extraído, particularmente bem conservado para um esqueleto tão antigo, e as novas técnicas de sequenciamento do genoma – com as quais se pode determinar a sequência genética completa de um organismo.

A qualidade do DNA é explicada porque o esqueleto foi descoberto em uma gruta.

As condições são constantes, o ar é fresco e seco, o que permitiu evitar sua deterioração“, explicou a pesquisadora Selina Brace.

O “Cheddar Man” era parte de uma população de caçadores-coletores que imigrou do Oriente Médio para o norte da Europa ao final da última era glacial.

Hoje em dia, cerca de 10% da população britânica branca é descendente de um deles.

A mudança para uma pele mais clara dominante entre os britânicos se deveu, em parte, à invenção da agricultura e à modificação da dieta, mais pobre em vitamina D, explicou Stringer.

Não sugerimos que o ‘Cheddar Man’ evoluiu até desenvolver uma pele mais clara, e sim que houve ondas de populações de pessoas que dominavam a agricultura e portavam o gene de uma cor de pele mais clara“, acrescentou.

AFP

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários