Redação Pragmatismo
Educação 26/Feb/2018 às 13:55 COMENTÁRIOS

Faxineiro é aprovado em universidade federal junto com a filha

Depois de 34 anos longe da sala de aula, faxineiro volta a estudar e consegue ser aprovado na Universidade Federal do Ceará (UFC). Para completar a alegria, sua filha de 17 anos também foi aprovada na mesma instituição

faxineiro é aprovado em universidade filha ceará ufc
Ester Rodrigues e João Monte Rodrigues (reprodução)

Décadas afastado dos estudos não impediram que o estudante João Monte Rodrigues conseguisse entrar na Universidade Federal do Ceará (UFC). Foram exatos 34 anos longe da sala de aula até que, desempregado, ele decidiu voltar à escola em 2012.

Completando o ensino médio em colégios públicos, Rodrigues participou do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e conquistou a sonhada vaga no curso de Engenharia de Petróleo. Para completar, o novo aluno da UFC também terá a companhia da filha, Ester Rodrigues, de 17 anos, aprovada na mesma universidade, mas no curso de engenharia ambiental. A família vive na comunidade indígena dos Tapeba, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza.

Em entrevista ao jornal cearense O Povo, Rodrigues afirma que, apesar do desejo, já não pensava mais em faculdade. “Queria o ensino médio para entrar no mercado de trabalho, porque é o que as empresas pedem”, contou.

João, hoje funcionário de serviços gerais em uma repartição pública, também conta que durante a infância as possibilidades eram limitadas, sobretudo por ter de conciliar os estudos com o trabalho na roça ou em outras atividades como faxina. As dificuldades também se estenderam à filha Ester. Ambos estudavam juntos até meia-noite, tentando entender dúvidas que surgiam na sala de aula. “Nessa idade, é mais cansativo, mais difícil, mas conseguimos e terminamos juntos”, contou o estudante.

Apesar das boas notícias, João teme ter que largar os estudos caso não consiga assistência estudantil, já que o curso de engenharia de petróleo tem frequência integral, o impedindo de trabalhar. Para tentar conseguir finalizar a graduação, João agora espera conseguir uma Bolsa Permanência do Ministério da Educação. Além de quilombolas e indígenas, o auxílio também se aplica a estudantes de instituições federais de ensino superior em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Leia também:
Jovem que passou em 1º lugar na USP diz que a “meritocracia é uma falácia”
Jovem que prestava vestibular há 7 anos morre ao comemorar aprovação
Aluna cotista da UFMG dá a melhor resposta a comentário raivoso
Melhores da Fuvest são convidados para tentar curso “secreto” da USP
Primeiro aluno da UFG com Síndrome de Down comenta experiência universitária

Diário de Pernambuco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários