Redação Pragmatismo
Juristas 05/Feb/2018 às 17:06 COMENTÁRIOS

Mesmo com casa própria, Moro e Dallagnol recebem auxílio-moradia

Reportagem revela que Sergio Moro e Deltan Dallagnol recebem auxílio-moradia, apesar de possuírem casa própria na cidade onde vivem. Desde 2014 já foram empenhados R$ 5,4 bilhões com o benefício para membros do Judiciário e do Ministério Público em todo o país.

casa própria moro dallagnol recebem auxílio moradia justiça jurista lava jato imoralidade

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) na Operação Lava Jato, recebe R$ 6.659,73 de verbas indenizatórias por mês. Esse tipo de benefício, que inclui auxílio-alimentação, auxílio-transporte e auxílio-moradia, não está sujeito ao teto constitucional.

Desse valor, R$ 4.377,73 são de auxílio-moradia. Segundo assessoria do MPF, o procurador possui imóvel próprio em Curitiba, onde mora. A assessoria afirma que o pagamento do benefício está “amparado em uma liminar e em regulamentações internas que não trazem entre as vedações o fato de a pessoa possuir imóvel“. O MPF também diz que “a norma permite o pagamento a todos“.

O restante do pagamento é composto por R$ 884,00 de auxílio-alimentação e R$ 1.398,00 de auxílio-pré-escola -o MPF paga R$ 699 por filho de até seis anos para todos os membros e servidores.

Ele também chegou a comprar dois apartamentos em um prédio do Minha Casa Minha Vida, programa do Governo Federal de financiamento de imóveis com juros mais baixos. Os imóveis foram comprados à vista, sem financiamento do programa.

Uma reportagem da Folha revelou que o juiz Sergio Moro também recebe auxílio-moradia apesar de possuir imóvel próprio em Curitiba. Ele afirmou que o benefício “compensa a falta de reajuste dos vencimentos” de magistrados.

O juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro, moveu uma ação para que ele e a esposa, que é membro da mesma categoria, recebessem um benefício cada um, apesar de uma resolução do CNJ que proíbe o pagamento em dobro.

Segundo a ONG Contas Abertas, desde 2014 já foram empenhados R$ 5,4 bilhões com o benefício para membros do Judiciário e do Ministério Público em todo o país.

Leia também:
“Sergio Moro e Dallagnol ainda vestem fraldas na ciência do Direito”
Sergio Moro e Deltan Dallagnol constituem uma mesma entidade
Quando o juiz moralista é, na verdade, um imoral
O judiciário entre a imoralidade e o privilégio

Monica Bergamo, Folhapress

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários