Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 21/Sep/2017 às 11:58 COMENTÁRIOS

Agredida, blogueira diz que vai deixar Florianópolis: "esse homem roubou minha paz"

“Não me sinto segura. Esse homem roubou a minha paz”. Em vídeo, blogueira divulga marcas da agressão e diz que única saída é deixar sua cidade

agredida blogueira Florianópolis homem roubou paz

Dois dias após ter sido agredida fisicamente pelo ex-namorado, a jovem descreveu a violência que sofreu e mostrou as marcas no corpo com o intuito de encorajar outras mulheres a denunciarem seus agressores.

— Se você sofreu algum tipo de agressão, você tem que denunciar. Eu fui pesquisar (sobre o assunto) e percebi que os dados são alarmantes. Nós não imaginamos que pode acontecer conosco e quando acontece é revoltante. Eu vou militar pelo direito das mulheres e pelo respeito a qualquer pessoa — disse Mariana no vídeo de aproximadamente seis minutos.

Mariana contou que o problema começou após o fim do relacionamento. Segundo ela, o homem passou a criar perfis falsos nas redes sociais pelos quais lhe fazia as ameaças. Na semana passada, ele a surpreendeu no estacionamento da universidade.

— Ele me jogou contra o meu carro, me pegou pelo braço, me arrastou e disse que eu nunca iria ter paz — contou.

No último sábado (19), o ex-namorado apareceu no condomínio onde ela mora na Capital. Segundo a jovem, ele convenceu o porteiro de que precisava devolver uma blusa a ela, mas que não estava conseguindo contato pelo interfone. Mariana disse que o porteiro liberou a entrada dele, mas ficou cuidando pelas câmeras de monitoramento. O rapaz teria vestido a blusa dela no elevador —atitude que chamou a atenção do segurança.

— A minha mãe estava no apartamento comigo, foi o que me salvou. Se não fosse por ela, talvez eu não estaria aqui gravando esse vídeo. Ele invadiu a casa, bateu com a porta na minha mãe, foi atrás de mim gritando pelo meu nome, agarrou meu braço, bateu na minha cabeça e me derrubou no chão.

Segundo Mariana, o porteiro entrou no apartamento e tirou o homem do condomínio. No dia seguinte, ela registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Proteção à Mulher da Capital.

A mãe dela conversou com a reportagem por telefone na tarde desta segunda-feira.

— A Mariana está muito abalada, apavorada, ela tomou uma atitude que é muito corajosa, tem recebido apoio das pessoas pelas redes sociais, isso é o que nos conforta nesse momento. O que nós passamos foi horrível, eu acompanhei tudo e também fui agredida com mordidas ao tentar defendê-la — contou a mãe.

A blogueira e a mãe lamentaram pelo atendimento recebido na delegacia no sábado. Elas disseram que foram atendidas por um plantonista homem que não deu encaminhamento ao pedido de medida protetiva.

— Ele informou que não tinha delegado de plantão e não tinha pessoas para fazer o procedimento para pedir a medida protetiva — disse a mãe.

A reportagem do DC tentou falar com o delegado Paulo Caixeta pelo celular, mas não conseguiu contato. Uma agente que atendeu ao telefone na delegacia disse que o delegado pretende tomar o depoimento das vítimas. Ela não soube informar se um inquérito já foi instaurado para investigar o caso.

A medida protetiva só pode ser expedida pelo Poder Judiciário após o órgão receber um pedido formal da Polícia Civil. A reposta do Judiciário pode levar até 48 horas. Apesar de sentir-se desprotegida, Mariana está disposta a lutar pelos seus direitos.

— É inadmissível que a gente tenha que mudar o rumo das nossas vidas porque tem uma pessoa que está nos ameaçando. Esse homem roubou a minha paz, mudou a minha vida. Eu tenho medo de sair na rua — disse a jovem que pretende voltar para o estado de origem e ficar perto da família.

Procurada, a advogada do suspeito, Anna Luisa da Luz Brueckheimer, se manifestou por e-mail: “A defesa, tomou conhecimento da publicação, por meio telefônico do Diário Catarinense às 17h43min e vem se manifestar no sentido de que: os fatos não ocorreram conforme narrado no vídeo, sendo assim, todas as medidas judiciais estão sendo providenciadas, bem como, possui largo conjunto probatório que corrobora com a versão do possível autor dos fatos“.

Veja o vídeo:

Schirlei Alves, Diário Catarinense

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários