Redação Pragmatismo
EUA 28/Jul/2017 às 14:14 COMENTÁRIOS

Rússia reage após sanções anunciadas por Washington

Rússia ordena redução de diplomatas dos EUA no país em resposta a sanções. O anúncio da pasta de Exteriores acontece no dia seguinte ao que o Congresso norte-americano concluiu o processo de votação de uma lei que endurece medidas contra o país de Vladimir Putin

Vladimir Putin rússia reage sanções washington
Vladimir Putin (reprodução)

A Rússia ordenou nesta sexta-feira (28/07) o corte do número de diplomatas norte-americanos na embaixada dos Estados Unidos em Moscou e nos seus consulados em resposta às últimas sanções impostas por Washington.

Solicitamos à parte norte-americana que, a partir do dia 1º de setembro, reduza o número de diplomatas e colaboradores que trabalham na embaixada dos EUA em Moscou e nos consulados de São Petersburgo e outras cidades, até o mesmo número do pessoal diplomático russo nos EUA“, afirma um comunicado publicado no site da chancelaria russa.

Isto significa que o número total do pessoal nas representações diplomáticas e consulares americanas na Rússia se reduz para 455 pessoas“, acrescenta o texto.

De acordo com informação divulgada por um correspondente da agência Reuters, os EUA têm 1.100 funcionários, entre norte-americanos e russos, na embaixada e em consulados na Rússia.

Além disso, o Ministério de Relações Exteriores russo anunciou que, a partir de 1º agosto, a embaixada dos EUA não poderá utilizar armazéns na capital russa nem tampouco a mansão que dispõe em Serebryany Bor, uma área elitista de Moscou.

Nós nos reservamos o direito a adotar, com base no princípio de reciprocidade, novas medidas que podem afetar os direitos dos EUA“, adverte a declaração.

O presidente russo, Vladimir Putin, aprovou a medida, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

O anúncio da pasta de Exteriores acontece no dia seguinte ao que o Congresso norte-americano concluiu o processo de votação de uma lei que endurece as sanções contra a Rússia.

Isto, uma vez mais, confirma a extrema agressividade dos Estados Unidos nos assuntos internacionais. Esgrimindo sua ‘exclusividade’, os EUA fazem pouco caso dos interesses e das posições de outros países“, destaca a declaração.

A chancelaria ressaltou que a Rússiafez e faz todo o possível” para normalizar as relações bilaterais e desenvolver a cooperação com os EUA nos assuntos mais importantes da agenda internacional, como a luta contra o terrorismo, a proliferação das armas de extermínio em massa e a ciberdelinquência.

No entanto, os Estados Unidos – segundo o texto – “empreendem com insistência, uma após outra, grosseiras ações anti-Rússia com o pretexto, completamente inventado, de uma ingerência russa nos seus assuntos internos“.

A pasta de Exteriores indicou ainda que nos Estados Unidos se adotam “sanções ilegais” contra a Federação Russa, se expropriam propriedades diplomáticas russas registradas devidamente em documentos bilaterais juridicamente vinculativos e se expulsa diplomatas russos.

A adoção da nova lei de sanções demonstrou com clareza meridiana que as relações com a Rússia se transformaram em refém da luta política interna nos Estados Unidos“, completa.

Segundo Moscou, a lei de sanções procura criar uma posição vantajosa para os EUA na economia global, e “semelhante chantagem” representa uma ameaça para muitos países e o comércio internacional.

O embaixador dos EUA na Rússia, John Tefft, manifestou “sua forte decepção e seu protesto” contra a decisão de Moscou e encaminhou a notificação russa a Washington, disse a porta-voz da embaixada norte-americana na Rússia, Maria Olson, segundo a agência de notícias norte-americana AP. Olson disse também que ainda não se sabe que tipo de cortes serão feitos na equipe.

Leia também:
Rússia e EUA entram em rota de colisão após ataques na Síria
23 curiosidades sobre o bombardeio dos EUA na Síria

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários