Redação Pragmatismo
Racismo não 06/Jun/2017 às 15:00 COMENTÁRIOS
Racismo não

Advogado negro é agredido e algemado após ser impedido de usar elevador no TRT

Publicado em 06 Jun, 2017 às 15h00

"Testemunhas avaliaram que o comportamento dos seguranças não teria sido o mesmo caso o doutor Damasco fosse branco". OAB realizou ato de desagravo em favor do advogado agredido e hostilizado quando tentava entrar no TRT para participar de uma reunião

advogado negro OAB

A OAB/SP realizou nesta segunda-feira (5) um ato de desagravo em favor do advogado Flávio Cesar Damasco, que foi hostilizado e algemado por agentes de segurança da Justiça do Trabalho de SP quando tentava entrar no Tribunal para participar de uma reunião com a desembargadora responsável pelo processo de um cliente.

O episódio ocorreu no TRT da 2ª região em novembro de 2016 e está documentado em 27 minutos de imagens de câmaras de segurança da instituição, divulgadas pelo Estadão.

As imagens mostram o advogado sendo cercado por quatro seguranças e conduzido pelos braços no saguão. Um dos seguranças aparece no vídeo apontando para o rosto do advogado, ao lado de seus colegas, junto à recepção do TRT. A confusão continuou na calçada do tribunal e só terminou no 4º DP, para onde o advogado foi levado após ser algemado pelos seguranças da Corte. Na delegacia, Damasco teria sido liberado ao apresentar a carteira da Ordem.

Damasco havia passado pelo setor de identificação e estava esperando o elevador privativo quando foi abordado por seguranças. Ao ser informado que não poderia utilizar aquele elevador, dirigiu-se ao elevador público do outro lado do saguão.

Enquanto caminhava para lá, foi seguido por um vigia que não acreditou que ele era advogado. De forma inadequada, ele foi comunicado pelo homem que precisava se identificar. “O tratamento dispensado foi hostil, deselegante e mal-educado”, afirmou.

Irritado com a situação, Damasco relata ter dito ao vigia que só iria se identificar se ele pedisse com educação. Ele diz que o vigia respondeu que “não iria pedir com educação coisa nenhuma” e “se não calasse a boca, iria chamar a segurança”. Com a chegada dos seguranças, a situação saiu do controle e os ânimos só se acalmaram no DP.

DENÚNCIA

Apesar do constrangimento de que afirma ter sido alvo, Damasco não foi o autor da denúncia feita à OAB. Esta partiu de uma testemunha, o advogado Luís Carlos Moro, que diz ter acompanhado quase toda a cena sem se identificar para não influenciar os fatos.

Moro afirma ter ficado perplexo com o que viu e ligado na hora para a Comissão de Prerrogativas da OAB. Posteriormente, escreveu uma carta relatando o caso ao órgão e à Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo.

Segundo Moro, Damasco chegou a mostrar a sua carteira da Ordem aos seguranças no momento em que estava sendo conduzido à força pelo saguão, mas eles não cessaram a abordagem. Em vez disso, perguntaram por que não havia apresentado o documento antes.

RACISMO E PRIVILÉGIOS

Para o conselheiro secional e presidente da AATSP, Lívio Enescu, há indícios de racismo no episódio. “Testemunhas avaliaram que o comportamento dos seguranças não teria sido o mesmo caso o doutor Damasco fosse branco”, contou durante a apreciação o pedido de desagravo. O presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas, Cid Vieira de Souza Filho, também relatou este caso.

O caso de Damasco também deverá ser usado pela OAB para contestar no CNJ o que considera como “privilégios” da Justiça. Para o advogado Marcos da Costa, presidente da OAB/SP, não faz sentido a existência de elevadores privativos para juízes, membros do MP e servidores. Na visão de Costa “nada justifica” também a existência de uma polícia própria do Judiciário, que não se enquadra em nenhum segmento previsto na Constituição: a PF, a PM, a polícia Civil, a Guarda Municipal e as Polícias Rodoviárias.

Segundo o jurista Pedro Serrano, o fato é que um advogado de 60 anos, com idade para ser pai dos seguranças, negro, foi vítima de humilhação pública, violenta e absolutamente ilícita.

“A violência e a descortesia tanto contra advogados como com negros nesses ambientes forenses chega a um ponto de representar absoluta intolerância e ódio das instituições contra cidadãos, que, com seus tributos, ajudam a custear os elevados custos dessas instituições”, afirmou.

com Agência Estado e Migalhas

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Mone Postado em 06/Jul/2019 às 12:13

    I N A C R E D I T A V E L VERGONHOSO = Advogado negro é agredido e algemado após ser impedido de usar elevador no TRT

  2. Magda ferreira santos Postado em 06/Jul/2019 às 12:12

    NADA MAIS NORMAL NUMA DITADURA MAL DISFARÇADA, PRECONCEITUOSA, HOMOFOBICA E RACISTA!!

    • Henrique Silva Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

      Shut up Magda!

    • José Orlando Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

      Cala boca Magda!

  3. Mone Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Parece um filme de terror

  4. X... Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    O mais preocupante é como essas pessoas nos comentários tentam de qualquer maneiras dar voltas no argumento para que não sejam identificadas como preconceituosas. É um terror. O que pode ser tirado ao lê-los é o retrato mais nítido desta sociedade: ignorância e hipocrisia. Só de pensar, a gente adoece.

  5. Papa Jojoy Postado em 06/Jul/2019 às 13:17

    Notícia sensacionalista. Advogado sem noção de disciplina. Recusando ser identificado. Educação é algo subjetivo. O sujeito que trabalha com segurança, em regra, é espécie de robô que cumpre ordens. Se errar, é negligência e será demitido. Não é problema de cor. Qualquer um seria tratado da mesma forma. Deveria ter se identificado de plano e pronto. Poderia até advertir o segurança e receberia um pedido de desculpas. Essa imprensa comunista que prioriza criar animosidade e inflamar o público.

    • Marcos Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

      Olha ai, um cara negro verdadeiro capitão do mato! No mínimo votou no racista!

    • rubem weber Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

      Tem razão, há muito mimimi criado pela imprensa comuna , com a intenção de incentivar a desobediência civil !

  6. Macca Ramos Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    Racistas não passarão!

  7. Max Müller Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    Bem Brasil isso. Acho que só daqui a outros 500 anos é que nosso país vai entrar no mundo civilizado, republicano, democrático, cidadão e... humano!

  8. Leandro Barros Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

    Muito provavelmente o elevador é exclusivo de magistrados e não racismo, se fosse viado ia ser homofobia, ou qualquer outros ias existentes.

  9. Hugo Lima Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

    POLICIA TEM QUE ABORDAR TODO MUNDO MESMO. só assim se pega quem nao presta.e quem nao deve nao teme. TODO mundo deveria ser abordado. qual o problema em se identificar? que ofensa tem nisso? quis fazer caso e tomou o merecido. nao vi nenhum problema de cor e sim só de segurança de um trouxa que se recusou a se identificar qdo solicitado.

  10. Nivaldo Carvalho Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    Sendo advogado ou não, negro ou não, quem paga a energia do prédio? Com que dinheiro esse prédio foi construído? Se com dinheiro público, qualquer cidadão tem direito de usar esse elevador.

  11. Helio Antonio Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    Tá e a punição dos tal segurança qual foi????

  12. Kellen Pacheco Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    É uma vergonha, mas temos que entente que vivemos em um país racista. e a coisa só tendo a piorar

  13. Cadela Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    Pretiou os óios da gateada!