Mailson Ramos
Colunista
Política 27/Apr/2017 às 10:00
0
Comentários

Crônica da idiotização do brasileiro

Idiotizado, o brasileiro apenas observa o réquiem de um país entregue ao capital estrangeiro, um arremedo de nação que se vangloria de destruir o que a muito custo construiu.

crônica idiotização brasileiro política direitos temer

Mailson Ramos*

Tal qual favas contadas, a queda de Dilma Rousseff devolveria ao Brasil a normalidade econômica, uma antecipação premonitória da mídia brasileira e dos políticos da então oposição; bastaria o impedimento de um governo – e a instalação de outro com ideologias e políticas contrárias – para vencer as amargas agruras de uma recessão renitente e cíclica; não seria necessário esperar o tempo da democracia e as eleições de 2018 para “salvar o país”. E foi através desta retórica que Michel Temer assumiu o poder.

Levado pelas conclamações da grande mídia e dos setores hegemônicos da sociedade contra o governo Dilma, o brasileiro mais simples aderiu ao discurso. Esteve pelo menos inerte quando deveria se mobilizar. Aceitou a ascensão de um núcleo político que estabeleceu duas metas primordiais: a primeira era se salvar da Operação Lava Jato, desintegrando-a através de decisões políticas; a segunda (em curso) é a destruição de políticas públicas, bem como a supressão de direitos sociais adquiridos nos últimos tempos.

O brasileiro assistiu e assiste impassível à execução das reformas genocidas de Michel Temer. Genocidas porque boa parte dos brasileiros não vai se aposentar com a reforma da Previdência; genocidas porque o trabalhado terceirizado será muito mais um escravo do que um trabalhador; genocidas porque durante vinte anos, Educação e Saúde terão os investimentos congelados; genocida porque não será dado ao estudante de graduação fazer intercâmbio pelo Ciência Sem Fronteiras, extinto nesta semana pelo ministro Mendonça Filho.

Leia aqui todos os textos de Mailson Ramos

Idiotizado, o brasileiro apenas observa o réquiem de um país entregue ao capital estrangeiro, um arremedo de nação que se vangloria de entregar uma reserva do pré-sal (Campo do Xerelete) de graça a Total, uma petrolífera francesa. O resultado da comédia farsesca criada por Michel Temer, Eduardo Cunha e Aécio Neves é a construção de um Brasil que odeia o brasileiro. Um país cujos direitos civis e sociais jamais serão respeitados, exceto para imprimir um discurso de ludíbrio diante da mídia, aquela que só sabe reproduzir a reverberação da voz dos poderosos.

O brasileiro assistiu impassível à votação do impeachment na Câmara dos Deputados, em 17 de abril de 2016, arrastado pelo levante dos cúmplices de Eduardo Cunha, corruptos de marca maior; foi o povo silencioso quando a classe média, a serviço da elite, decidiu que Dilma não deveria mais governar o país: e usaram de discursos misóginos, ofensivos, seletivos e odientos. A supressão da voz do povo brasileiro se deu quando, descrente da política por causa da massificação dos escândalos, ele reduziu o seu próprio espaço de mobilização, aderindo ao discurso de grupos historicamente favorecidos.

Da idiotização nasceu um torpor.

É o torpor que ainda impede os brasileiros de aderirem às manifestações contra esta máquina de triturar direitos que é o governo Temer. Edson Luiz Fachin, ministro do STF, acaba de indiciar 9 ministros de Temer, 29 senadores e 42 deputados, todos envolvidos na Lava Jato. E a solução era tirar a Dilma. Por quanto tempo mais o brasileiro terá de pagar por ter sido tão inerte.

*Mailson Ramos é escritor, profissional de Relações Públicas e autor do blog Nossa Política. Escreve semanalmente para Pragmatismo Político.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários